Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Mc Mayara destrói a "Liga da Justiça" com a... PEPEKA!

Antes de começar para tudo! Se você não leu a envolvente história de Mayara, vá lá e assista, é essencial dar uma lidinha naquela lição de vida para poder entender o que diabos está acontecendo aqui e só então pule para o próximo parágrafo pois você precisa conhecer a bagaceira toda antes de continuar. Ò__Ò

E aí, já deu uma olhada? Pois bem, primeiramente quero dizer que não odeio funk nem funkeiros, por mim o que a pessoa ouve é problema dela, ela faz o que quiser da vida. Se a pessoa vê novela, curte tal empresa mais que a que eu gosto, ouve pagode, ouve sertanejo, ouve o que for, eu não to nem aí, cheguei a criar uma matéria sobre a intolerância a gostos de outras pessoas.


Sei bem que a moda é ser roqueiro do mal, porque "todo rock é inteligente", é de qualidade e todo roqueiro é "automaticamente um gênio". Mas eu simplesmente não tenho saco pra ficar discutindo gosto dos outros, a pessoa gosta do que quer e se eu não gostar é problema meu... Não vou perder tempo tentando converter ninguém a gostar do que eu gosto. E muito menos surtar e ir dar lição de moral sobre "O que é bom de verdade" com cada vez que alguém citar uma obra que eu não gosto em uma rede social.

Então quando conheci a MC Mayara, a minha reação foi de rir muito. Era muito bizarra a coisa, e quando eu acho que algo é muita tosqueira, vira uma inspiração. Um bom exemplo é o espetacular Pepa Filmes, que definitivamente foi uma inspiração para minha personalidade. Então no caso de funk, as bizarrices que colocam nas letras não me dão ódio, ao invés disso me fazem rir.

Sendo assim, eu não pude me conter e passei a zoar muito com a MC Mayara, sempre tacar no meu facebook clipes dela e dizer que era DIVA. Além de citar as bagaceiras dos clipes super fundo de quintal, gravados de maneira bem trash mesmo. Foi algo que passou a ser uma diversão, toda vez que eu via ela, tinha que citar. Com as letras dela cheias de putaria e falando sobre sei lá quantos homens ela vai pegar, imaginem como não ri ao ver que ela tava grávida? As gargalhadas foram muitas.

Sim, eu sei muito bem que funk é cheio da tosqueira e tal, mas acho muito engraçado, não consigo odiar. Uma coisa que é muito comum de se ver são pessoas que ouvem rock cheio das putarias, cheio de safadeza e na hora de criticar funk o maior argumento é em como é horrível falarem putaria, a pessoa simplesmente banca a puritana!

Eu sei que tem pessoas que são realmente bem sérias e TUDO na vida dela é voltado pra coisa estilosa, a ver com arte clássica e bla bla bla bla, a pessoa vive lendo livros clássicos, ouvindo Mozart, falando sobre temas profundos. E alguém desse jeito eu entendo a pessoa ficar chocada ao ouvir certos funks, mas tem uns aí que bancam os revoltados radicais, xingam Jesus e o mundo, mas na hora que fala de funk, aí ela age como se fosse um desses estilosos clássicos.

Po, qual é né? As pessoas se divertem com as mais variadas tosqueiras e nem tudo precisa ter alguma grande filosofia por trás. É certo que existem formas de entretenimento bem saudáveis mesmo, educativas e tal, mas existem outras que são simplesmente superficiais, diversos filmes inúteis, videos de gente se estabacando no chão, jogos com o selo "só para adultos", entre outras coisas.

Então é muito fácil apontar o dedo pra diversão do outro por ela ser superficial e ficar querendo se meter, mas e a nossa? Somos mesmo esses seres puros tão inteligentes, tão profundos e complexos que vieram a terra para espalhar a palavra do desenvolvimento ao mundo?
Sendo assim com essa minha mania de gostar de tosqueira para rir delas, acabei começando a realmente admirar alguns funkeiros. Você deve estar se perguntando "Admirar? Achar engraçado é uma coisa, mas admirar o que?". Pois é, acontece que a maioria dos funks parece não ligar pra ritmo e nem pra letra, mas apenas falar altas putarias, é comum achar funks por aí que é só falando de quem vai comer ou como vai meter, mas algo bem aleatório, basicamente o cantor repetindo isso várias e várias vezes. No entanto tem alguns que vão além.

Estou falando de certos funkeiros que mostram que sabem muito bem que aquilo é a maior baixaria e transformam a coisa em piada. Algumas músicas do Mr. Catra você nota que o cara brinca com aquilo, ele sabe que é a maior putaria mesmo, que não é chique a coisa nem nada, é uma tosqueira total, e usa o maior jogo de palavras pra aproveitar isso de uma maneira que dá o maior climinha de "Ahhhh, tá nervosinho porque falei palavrões? Então não vou falar não, tá?", tipo a música "Boneco Duro", morro de rir com a forma "disfarçada" que ele canta as mesmas putarias fingindo que não é funk.

Não é que eu ouça ou procure, tanto que essa música mesmo eu só descobri o nome agora que tava fazendo a matéria e fui pesquisar. O que quero dizer é que ele sabe bem que aquela bagaça não é educativa, que é só tosqueira e sabe bem o que tá fazendo, mas ele tá afim e faz, e brinca com isso. Aproveita disso e cria um jogo de palavras em cima da tranqueira.

Esses tipos de funkeiros que brincam com a putaria que cantam em suas músicas acabam me dando a sensação de que são pessoas que estão aproveitando a vida da melhor maneira. Sei que agora um monte de gente chiou "Aiii, da melhor maneira? Aquilo ali? Não! A melhor maneira de se viver é como EU vivo, curtindo as MINHAS músicas e agindo do MEU jeito, sou EU que sei como viver do melhor jeito.". Mas essa atitude parece um tanto egocêntrica, existem pessoas e pessoas...

É como falei na matéria já citada sobre intolerância a gostos, não importa como você é, importa como a pessoa é. Pessoas vivem em grupos próprios e se sentem bem naqueles grupos. Se um cara cresce ouvindo música sertaneja onde seus conhecidos curtem a mesma coisa e então ele vira um grande cantor famoso, ele agrada os amigos DELE, a família DELE, outras pessoas que curtem o estilo musical DELE, então no fim das contas importa se a SUA opinião não agrada ele? Você acha que ele vai se sentir bem agradando quem ele conhece e ama, ou VOCÊ que nem compatível com o cara é?

Sendo assim, por mais que funk seja uma coisa esculhambada pra cacete e que não é o meu estilo de música, eu admiro quando alguém do meio demonstra que sabe muito bem o que está fazendo, sabe que não é bem visto, que não é nem um pouco educativo, mas brinca com aquilo. Se diverte vendo a tosqueira que é e vive aquela vida do jeito que quer, do jeito que se sente bem.

E com a MC Mayara no começo eu apenas a zuava mesmo, ria um bocado das besteiras e safadezas na música dela. Ela também faz jogo de palavras para falar altas putarias, e esse é exatamente o grande toque especial que me fez ficar procurando de um a um os clipes dela, cada um mais bizarro que outro, as vezes inexpressiva, as vezes simplesmente muito trash, mas sempre com um jogo de palavras hilários como "Teoria da branca de neve, pra que ter só um se eu posso ter sete? pode falar o que for, princesinha ou periguete, sou MC Mayara,a vida é minha e não se mete!" kkkkk:


Eu ria muito vendo a bagaceira que rolava nos clipes, porém com o tempo comecei a criar essa admiração por ela de uma forma real e não apenas a típica zoação que eu tacava no facebook. Sim, ela é queimada com a sociedade, afinal de contas tem fama de putinha e ninguém quer ter fama de putinha né? Mas é aí que tá, no fim das contas e daí?

Olho pra ela e vejo uma pessoa que REALMENTE parece fazer o que bem entender, criando vídeos e músicas esculachadas sem a mínima vergonha. Me faz pensar no tanto de pessoas que querem fazer algo e não fazem porque tem vergonha do que os outros pensam. Todo mundo tão quieto, tão "certinho", e no fundo é apenas para que os outros não julguem.

Então e daí se ela transa com todo mundo? E daí se ela assume isso em público? E daí se ela canta funk ou faz clipes completamente fundo de quintal? No fim das contas ela se diverte, e se quer dar pra todo mundo, bom a vida é dela né? Se ela se divertir com isso é fim de papo! Quem não gostar é só não fazer igual.

Quando saiu "Ai como eu to bandida dois", eu tinha que zoar muito é claro, afinal é zuado em todos os sentidos, ela colocou um DOIS escrito ao invés de numeral, e a sequencia de uma música tão tosca já é só a bagaceira, além do claro objetivo de repetir o sucesso. E óbvio, eu tinha que ouvir, taquei na linha do tempo, ri, e quando um leitor me mandou o vídeo do clipe, aí sim eu animei kkkkk, mas tenho que dizer que foi uma verdadeira surpresa o bagulho, confira:

Vão dizer que vocês não se surpreenderam? Isso é a ESSÊNCIA DA TOSQUEIRA! É como se ela tivesse mudado o nível e saído do estilo de clipe fundo de quintal pra entrar no estilo de clipe que parece ser cena de filme trash! Quero dizer, eu tava esperando ver ela dançando e cantando no matagal igual ao primeiro clipe, e não algo com efeitos especiais! Além do clima cinematográfico, ela entrando no carro com a câmera seguindo estilosamente e tal...

Mas o negócio ficou interessante com tipo... COMO ASSIM? Ela fez uma crítica social no clipe dela? Existe uma baita de uma grande quantidade de detalhes interessantes, tipo o foco que é dado tantas vezes na "perseguida" pode ser incômodo, mas uma penca de super heróis de cueca mostrando o volume é tranquilo, ou a máscara do Hannibal na versão pra pepeka no final, e o cara vai se aproveitar mas tira exatamente a coisa que prende a fonte do poder dela kkkkkkk. Sério, achei interessante pra caramba, foi algo zuado, algo bizarro, mas algo que no fim das contas realmente me surpreendeu. 

Vejam bem, eu não estou falando que o funk da baixaria seja inteligente, estiloso ou que alguém tenha que gostar, é óbvio que a coisa é cheia de tosqueira, o que estou falando é que esse é só mais um tipo de diversão não saudável, e certamente você também curte algo que não seja pra mostrar pros seus filhos, o violentíssimo Hatred por exemplo é algo que me divirto pra caramba, mas sei muito bem que não é o que se pode chamar de saudável. (Obs: Pra quem não sabe tem funks realmente bem elaborados pra caramba, por exemplo "Rap do Silva" do Mc Bob Rum tem uma letra espetacular).

Enfim, eu tinha que criar uma postagem sobre isso, pensei em analisar cena a cena as referências e tosqueiras, mas achei que seria interessante falar um pouco sobre como rir das tosqueiras é melhor do que encher o saco de alguém porque gosta, afinal tanto faz o gosto dos outros, o importante é o nosso, não?

6 comentários:

Wendel disse...

É verdade, gostei muito do texto, e mostrei os clipes para minha esposa ri muito disso, parece uma parente nossa hehehe. Ela realmente soube trazer boas referencias e se divertir muito, Isso realmente é unico. Pessoas são pessoas.

Porfirio disse...

Edy Lemond, MC Brinquedo, MC Mayara, pessoal adora meter o pau(opa!), falar como a música é horrível, como a letra é cheia de safadeza, segundas intenções... mas Mamonas Assassinas falando de suruba pra um público gigante de crianças é demais, é nostálgico! Raimundos melhor banda do mundo, Boca de Lata uma música excelente e muito divertida! Boquinha de Aparelho do MC Brinquedo? Lixo total...

Não me entendam mal, ambas fazem parte da minha lista de bandas preferidas, mas a hipocrisia dos fãs de outros gêneros é, no geral, risível. O preconceito então é fora de série, temos bandas com músicas divertidas e bem legais como MC's Pikeno e Menor, uma vibe mais pop/funk, letras bem dançantes, sem nenhum palavrão, mas só de ver a palavra "MC", muitos virariam a cara, ao mesmo tempo que teriam orgasmos nostálgicos ao ouvir Bonde do Tigrão ou Furacão 2000 que descem bem mais o nível(e são foda bagarai btw).

Espero que um dia isso mude e galera fique mais deboaça, aprenda a julgar mais o artista do que o gênero, porque sinceramente MUITOS, MUITOS MESMO dos "ídolos da mpb" não valem um saco de batata, vivem num mundo de arrogância, sentem-se especiais em seus pedestais de sabedoria lírica e não chegam nem perto da humildade e educação de gente que tem tanto olhar torto da sociedade, como a Valesca que em todas as suas entrevistas sempre me pareceu um amor de pessoa, sempre educada e humilde, ou próprio MC Brinquedo que fala muita doidera, mas na página do facebook é uma criança extremamente cabeça, sempre deixando recado aos fãs pra nunca se envolverem com drogas e estudarem bastante. lol

Enfim, funk tem sua parte podre também, como qualquer outro gênero provavelmente, só espero que uma hora galera abra os olhos que ele também tem uma parte que pode lhes agradar, ou pelo menos não é merecedora desse ódio insensato.

pierrot disse...

Mundo a fora tem realmente seu conteúdo de besteirol, aqui no Brasil não é diferente.
Concordo na parte do seu texto em que você menciona que é apenas um entretenimento, é simplesmente algo pra rir, para passar o tempo, simples assim. Eu não vi o clipe ainda mas pelas imagens do post me lembra bem aquelas loucuras que tem no Japão que brinca com o fanservice e faz referências sexuais.
Contudo sobre como a menina toma a vida eu não concordo, fácil ela falar desse jeito enquanto goza do vigor da juventude. Receio que quando assumir mais idade ela venha a reconsiderar (eu realmente espero que sim). É o típico discursinho feminista de que se o homem pode eu também posso, mas que homem usa como exemplo padrão: o mais filho da puta possível.
Talvez a intolerância maior em cima do tema é por que estamos em um momento de transformações sociais e , na nossa sociedade brasileira em especial, um desejo pela reforma no meio social: com os meios públicos funcionando, mais ética e qualidade nos mais diversos serviços.
Fora que no Brasil nós não temos muita diversidade de temas em nossas criações, é tudo girando em torno de humor, sexo e abordagem de temas controversos (isso tanto nas novelas como nos filmes).
Hoje em dia a quebra de padrões parece ser um levante de liberdade e um avanço da humanidade, mas isso em certas esferas é na verdade um embuste revolucionário que tem como finalidade destruir a sociedade em prol de um novo sistema , que segundo minhas pesquisas não é nada de novo e já deu muito errado.

Cirolol disse...

Eu zuava bastante também, cantava Edy Lemond todo dia na escola, e ficava engraçado porque eu tinha cabelo nas costas, cavanhaque e usava camisa de banda, aí o pessoal achava estranho eu cantando kkkkkk
Também zuava bastante o wesley safadão, dizendo que ele tinha me inspirado a deixar o cabelo crescer e tal XD
Não tenho preconceito com esses que eu sei que são meio de zuera, mas quando é algo que incita a violencia realmente dá vontade de MATAR @.@
Porque ninguem merece aqueles bandidos funkeiros que vêm pedir seu celular

Matt Kist disse...

Que isso? Preconceito? Jamais, adoro funk, sempre foi um dos meus estilos musicais preferidos.
Stevie Wonder, James Brown, Prince... só os bom!
Pena que já é um estilo musical ultrapassado, mas tem bandas boas ainda em atividade que fazem um funk mais atual, um funk rock, como o Red Hot Chili Peppers por exemplo, ótima banda!
=P

Funk > Rock !!!!

Matheus Figueiredo disse...

E imaginar que no meu passado já fui desses " roqueiros hipócritas de merda " hoje até acho engraçado algumas músicas de rock que falam putaria