Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 12 de outubro de 2014

Adoradores de Cthulhu - Jogo de cartas brasileiro viciante

É engraçado como de repente achamos coisas completamente inusitadas na internet. Esses dias eu estava dando uma olhada em jogos de tabuleiro baseados no universo de H.P. Lovecraft, quando de repente acabo dando de cara com um título que eu jamais tinha ouvido falar, o "Adoradores de Cthulhu", o que me surpreendeu de imediato foi em como havia um jogo em português usando um universo tão aclamado, e eu nunca tinha ouvido falar, isso me deixou bem intrigado mesmo, outra coisa que me chamou a atenção foi em como estava barato, custando apenas 24 reais, e assim obviamente decidi procurar mais a fundo sobre aquilo, quando veio a grande surpresa em descobrir que não é um produto internacional licenciado, mas sim algo brasileiro!

Claro que eu quis saber mais e testar essa maravilha, e tenho que dizer que é um jogo fantástico que me impressionou o quanto as regras são divertidas. Esse é o tipo de item perfeito para se ter em festas ou lugares com muitos amigos, pois não é o tipo de jogo que pode ser jogado com apenas duas pessoas, aqui são necessários pelo menos seis pessoas para uma partida, o que inicialmente eu achei estranho e pensei ser um exagero, mas quando li as regras é que percebi que quanto mais, melhor, e esse pode ser jogado com até o máximo de dezoito jogadores de uma vez.


O jogo tem uma historinha que é apresentada, tudo se passa na cidade de Arkham e apresenta uma série de brutais assassinatos que começam a acontecer durante as madrugadas, sendo que toda manhã um cidadão surge morto em algum lugar da cidade. Isso naturalmente apavora a população, levando-os ao medo constante e desespero, chegando ao extremo das acusações em massa e enforcamento de suspeitos. Por outro lado, cultistas agem durante a noite, fazendo sacrifícios humanos para Cthulhu, tentando assumir o controle da cidade e fazer sua divindade despertar.

Essa é a trama, e assim um dos jogadores assume o papel de "Guardião", que irá conduzir a partida, enquanto os outros assumem o papel dos personagens. Tudo começa quando o guardião embaralha o deck e distribui as cartas aleatoriamente, ninguém sabe quem é quem, e então os jogadores olham e não falam quem são. Os personagens são variados, há civis e cultistas, mas também há civis com características especiais que são o Andarilho, o Detetive, o Hipnotista, o Oficial de Polícia, o Médico Clandestino e o Professor.

A partida se passa duas etapas, noite e dia, sendo que a primeira, o Guardião deve avisar que a noite caiu sobre Arkham e os seus cidadãos dormem. Nesse momento todos os jogadores devem fechar os olhos e assim começam as fases, essas são anunciadas pelo Guardião, cada fase é referente a uma classe de personagem, e quando for anunciada, aqueles que tiverem aquele tipo de carta devem abrir os olhos e se comunicar com o Guardião apenas por gestos para que outros jogadores não saibam quem eles são, ao terminar a fase deles, devem fechar os olhos novamente e o Guardião anunciará a fase do próximo tipo de personagem. As ações feitas por essas classes, que são as seguintes:

Andarilho: Esse personagem pode dizer que vai sair da cidade em um turno, e assim fica seguro.
Professor: Cada turno esse pode pedir para o guardião desvirar a carta de um jogador sobre a mesa, e assim saber sua identidade.
Cultistas: Esses personagens abrem os olhos e se identificam juntos no primeiro turno, por gestos eles decidem quem é o infeliz que vai ser usado como oferenda essa noite.
Médico Clandestino: Esse pode sacrificar alguém (Que pode ou não ser cultista) e nos turnos seguintes, o Guardião irá lhe dizer quem é a vítima dos cultistas, e assim ele pode salvá-la.
Hipnotista: Esse é capaz de apontar pra um jogador e fazer com que ele fique mudo durante o dia seguinte, não podendo se comunicar com outros jogadores.
Cidadão Comum: Esse não tem uma fase noturna, podendo apenas dormir e esperar o resultado pela manhã onde pode participar das acusações.
Detetive Particular: Esse também não tem fase noturna, mas durante a fase dos cultistas, se ele tiver coragem, pode abrir os olhos, ou levemente espiar para ver quem são os cultistas.
Policial: Apesar de não ter fase noturna, se esse jogador por algum motivo morrer, ele pode apontar outro jogador para matar também, levando alguém junto.

Quando a segunda etapa chega, a do dia, o Guardião anuncia que amanheceu e se desejar um pouco mais de suspense, pode fazer uma narração sobre o que aconteceu durante a noite e onde um corpo foi encontrado. A partir daí todos os jogadores podem falar, nesse momento é que as acusações começam, eles discutem suas suspeitas, mas é preciso lembrar que os cultistas estão entre eles, e esses fingem ser civis também, da mesma forma há aqueles personagens que não podem deixar ser descobertos, o professor por exemplo, que pode olhar a carta dos outros, se os cultistas descobrem quem é ele, irão rapidamente eliminá-lo para evitar preocupações. Nessa fase todos tentam ao mesmo tempo manter o sigilo sobre suas identidades, evitando ao máximo a desconfiança dos outros, assim como se acusam, normalmente os cultistas irão se apoiar. Mas tudo é razão de desconfiança, quem apoia demais os outros, quem fala pouco, quem fala muito, entre outras coisas. Todos votam para alguém ser enforcado, mas esse pode ser um inocente no fim das contas, por isso é preciso ter cuidado com a manipulação. O objetivo é eliminar todos os cultistas ou todos os civis.

Cada dia pode acontecer uma surpresa, como por exemplo os cultistas matarem alguém e ao amanhecer, se surpreenderem ao verem o jogador ainda vivo porque o Médico Clandestino o ressuscitou, ou mesmo o professor ou detetive particular souberem a identidade de um cultista, mas descobrirem que estão mudos, entre outras coisas. Esse é um jogo com regras simples, direto ao ponto, com atmosfera sombria e ao mesmo tempo muito divertido, capaz de gerar belas gargalhadas na mesa e claro, uma grande gritaria.

Enfim, existem diversos produtos relacionados a Lovecraft no Brasil e esse foi uma surpresa. Eu recomendo plenamente, esse é o tipo de jogo que vale a pena ter em casa, e se você é do tipo que gosta de uma diversão com os amigos, é um acessório pequeno e fácil de levar a qualquer lugar. O preço é completamente acessível, e especialmente para quem mora em Curitiba, pois dá pra ligar lá e se informar melhor sobre qualquer dúvida. Além disso é uma ótima oportunidade de apoiar projetos nacionais desse gênero, entrem no site da loja criadora, a Rocky Raccoon e confiram!

6 comentários:

Leandro Quibao disse...

Esse jogo me lembrou os tempos de infância jogando detetive, mas essa história que eles adicionaram tornou a brincadeira muito mais foda! Única coisa difícil por aqui seria arrumar 18 amigos pra jogar junto :(

Eric Wesley disse...

Olhe, comprei esse jogo faz um ano, na última World RPG Fest, quando foi lançado.
Ainda não consegui jogar uma partida. pois é difícil reunir tantas pessoas.

quando vc tem 18 pessoas em um local, significa que vc está no meio de uma festa, ninguém quer jogar!!! difícil arrumar 18 pessoas "nerds" que se disponham XD

Skywalkerpg disse...

Mas 18 é o máximo cara, o mínimo para se jogar são 6.

Eric Wesley disse...

Assim, mímino 6, toda regra cai fora, pois não tem como atribuir todo personagem, vc simplifica a brincadeira demais.

outra coisa que eu esqueci de falar, o jogo é apenas um "detetive" repaginado

George disse...

Este tipo de jogo é muito bom, este especificamente é uma versão apliada do "Do You Worship Cthulhu?" que já é uma adaptação do "Werewolf" que é uma versão com lobisomens do jogo russo "Máfia"(este sim é o jogo original).
Aqui no Brasil o "Máfia" ficou conhecido como "Cidade Dorme" ou o "Jogo do detetive e assassino".

Danil BR disse...

Legal, parece bom, talvez eu compre...