Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 20 de julho de 2014

Inspector Zé e Robot Palhaço em: Crime no Hotel Lisboa

De tempos em tempos eu costumo fazer a análise de jogos brasileiros e postar aqui no blog, no entanto somente com o lançamento desse jogo do nome gigantesco é que eu percebi que até então eu não lembro de ter feito análises sobre jogos de nosso país irmão, Portugal. Sendo assim, acabou sendo uma ótima oportunidade de dar uma olhada no tipo de material produzido por eles. E não é que realmente é muito bom? Esse é um daqueles jogos que você joga e sorri com o bom humor constante, além de ficar admirado em como as coisas são apresentadas, afinal de contas eu nem imaginava a forma de se expressar que portugueses apresentavam, e uma história se passando em Lisboa (Ou ao menos é o que dá a entender).

Aqui você assume o papel de Inspetor Zé, um detetive fracassado que acaba recebendo uma caixa com um robô piadista, o pacote foi enviado graças ao falecimento de um tio distante. O robô passa a auxiliá-lo em seus casos, e imediatamente um policial chamado Garcia chega ao escritório do inspetor para contratá-lo, pois acabou entrando em um caso complicadíssimo, onde um homem tomou café e logo depois cometeu suicídio com 14 facadas nas costas.

Como já dá para ver, a história do jogo é completamente bizarra, na hora que o agente Garcia descreveu o caso, eu tive que parar de jogar para gargalhar, é muita tosqueira para uma história só. E essa é só uma das loucuras que acontecem no jogo, porque piadas são coisas bem frequentes, e não apenas na história. Como o robô palhaço que te acompanha é especializado em piadas, você pode a qualquer momento pedir para ele contar uma, algumas são realmente muito ruins, só que outras são ótimas e é bem incrível poder estar investigando o caso, e quando se entediar por não descobrir nada, pedir ao robô para que lhe conte algo engraçado.

A jogabilidade é de um adventure point and click, portanto você é colocado em cenários onde deve falar com os personagens presentes, ou coletar objetos para usar no caso. O jogo não é do tipo em que você clica no cenário e vê o personagem indo até aquele lugar e interagindo, a sensação é mais para o estilo que grande parte dos jogos de plataforma transmitem, portanto você só pode ir para a esquerda ou para a direita. Isso pode parecer limitado, mas acabou ficando bem simpático, pois você vai andando por uma rua e no fim dela vai ter a continuação para uma nova rua, e as vezes há portas para estabelecimentos comerciais, que por sua vez são apresentados também nesse padrão, isso transmite bem a sensação de estar realmente andando pela cidade, então o fato de você não poder andar para o fundo do cenário não te faz sentir como se fosse um ambiente limitado.

Um elemento muito interessante que foi adicionado, é a possibilidade de se interrogar as pessoas, você coleta uma certa quantidade de objetos e pode entrar no modo interrogação, que pode ser feito tanto por Inspetor Zé, quanto pelo robô palhaço, podendo ter resultados diferentes. Nesse modo você deve escolher um objeto e escolher uma pergunta relacionada a ele, se houver ligação você passa para a próxima etapa, e assim pode ir solucionando certas dúvidas.

Graficamente o jogo tem um estilo pixelizado, eu não consegui identificar muito bem se isso seria da era 16 bits ou da era 8 bits pois os personagens são muito grandes, mas o que acaba se assemelhando mesmo é a alguns jogos também de aventura dos anos 90. Existe ainda toda uma atmosfera muito gostosa que é possível ser sentida no jogo. Por exemplo há músicas bem no estilo de histórias noir, o que combina muito com histórias de detetive.

Naturalmente eu não posso deixar de citar o humor do jogo, que é hilário, foi criado todo um ambiente interessante no jogo, como se fosse uma apresentação de teatro, existe inclusive cortinas que se abrem e fecham, e uma plateia que ri. Em algumas piadinhas eles riem alto e aplaudem, em outras apenas uma única pessoa dá gargalhadas exageradas, e há também momentos em que existe uma certa tentação e um clima de "Ele te desafiou!", onde falam "Uhhhh". Tem certas piadas que eu realmente não entendi, e outras que eu nem imaginava que portugueses usavam também, além de que fiquei intrigado em como eles devem ter traduzido para o inglês, porque existem MUITAS coisas que acaba tendo muito a ver com a língua portuguesa.

Mas enfim ,ta aí um jogo point-and-click maravilhoso que vale a pena jogar para dar belas gargalhadas, a única coisa que eu não gostei no jogo é que não é possível tirar screenshots usando F12, o que foi bem frustrante, já que adoro postar fotos dos jogos que eu jogo no facebook, mas dessa vez não rolou. De qualquer forma para quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Nenhum comentário: