Mount & Blade II: Bannerlord | Simulador intenso de reino medieval brutal

Tá aí um jogo que eu sempre via, mas nunca fui muito atrás. Pelas imagens, me parecia ser algo realmente muito semelhante a Chivalry 2, que é um simulador de combate medieval, sendo a diferença real os cavalos. Então foi uma grande surpresa quando finalmente acabei testando e me deparei com um RPG facílimo de aprender a jogar, mas com possibilidades absurdas, sendo um mundo vivo e cheio de coisas acontecendo.

A história se passa nas terras de Calrádia, um lugar sangrento onde a selvageria reina. Vilas e castelos tentam sobreviver até serem saqueados e seus cidadãos serem levados como escravos e vendidos. Você é alguém que nasceu nesse ambiente caótico e precisa sobreviver, tendo que conseguir aliados e criar o seu próprio império.
Apesar de ter combate direto com lutas em terceira ou primeira pessoa, esse não é um jogo onde essa é a única jogabilidade. O que temos aqui é algo muito mais complexo, apresentando realmente todas as mecânicas que vemos em um jogo de RPG, indo desde a evolução de personagem, até os itens equipáveis e conversas que podem levar a consequências drásticas e até mesmo iniciar guerras entre reinos.

O começo do jogo já te coloca para criar o personagem de uma forma super interessante, em que você vai narrando como foi sua infância, adolescência, juventude... E a cada resposta, você vai também montando uma árvore de atributos. Será que você gostava de se aventurar na infância? Ou quem sabe preferia conversar e aprender a lidar com as pessoas?
Existem formas de se jogar no jogo e dependendo das suas habilidades, elas podem te dar ótimas vantagens. Enquanto você pode ser alguém completamente apto à guerra e capaz de criar um império com um grupo de mercenários e saqueadores, talvez você pode se tornar um mercador, criar caravanas e ganhar muito dinheiro.

A jogabilidade é completamente híbrida, então vai variando entre três ambientes. O primeiro é o mapa isométrico, em que você pode mover o seu personagem enquanto vê as coisas acontecendo, desde cavaleiros passando pelas estradas, até saqueadores ou caravanas. O segundo são as vilas e castelos em que você controla o personagem diretamente e pode vagar por ela e falar com as pessoas. E a terceira são as áreas de combate, em que a matança acontece.
Mount & Blade II: Bannerlord me lembrou muito o gênero 4X, que é aquele tipo de jogo em que você precisa administrar absolutamente tudo de um reino, diferente de jogos de estratégia padrão, em que a maioria foca apenas na guerra, os 4X te colocam pra tomar decisões políticas, religiosas, criar laços com outros reinos e etc. No entanto aqui você controla o personagem diretamente ao invés de apenas ficar clicando nas escolhas.

Ao vagar pelo mundo, você escolhe o jeito de jogar. Logo você perceberá o quanto o jogo é político e que se quiser favores, terá que fazer favores, ganhar dinheiro e influência. Você não pode só chegar em um lugar e exigir isso. Ou talvez, você queira ser cruel, se tornar um bandido que inferniza essas terras e ataque a todos, saqueando e enriquecendo com o horror.


O combate do jogo tem a sua elegância, e você pode jogar sozinho, mas também tem suporte a multiplayer para você enfrentar outros jogadores. A mecânica me lembrou um pouco de For Honor, com movimentação das armas e escudos para o lado em que o inimigo atacar. Ou seja, se você não mover pro lado certo, não terá defesa daquele lado e vai tomar o ataque. A mecânica a cavalo é semelhante
 
Outra coisa interessante, é que você tem controle sobre as formações das  tropas. Tem um botão pra dar ordens e quando você aperta, o jogo fica em câmera lenta. É possível mandar eles esperarem pra fazer uma emboscada, deixar eles em um tipo de formação, pedir pra te seguir e mais. Dá pra montar muitas estratégias com isso.
Enquanto você vaga pelo mapa do mundo, acontecerão muitas coisas. Se você parar, o mundo bara, a não ser que você clique no botão, mas ficar parado vai atrair bandidos. Eles normalmente oferecem só te assaltar, mas você pode reagir, e se isso acontecer, muda pro combate. Se você vencer, saqueia eles e pode até pegar escravos, mas se eles vencerem, aí a coisa muda e te levam como escravo e fica uma narrativinha estilo RPG em que você pode conseguir fugir ou pagar pra te liberarem.
 
Cada cidade, vila e castelo tem sua cultura própria, sua forma de vida. Pode ser um lugar caótico onde todo mundo está passando fome e desesperado que não terão comida na próxima estação, ou pode ser um ambiente de comerciantes ricos e com muita grana e proteção presente. Também influencia no tipo de coisas que têm disponíveis.
A economia do jogo é completamente viva e existe a lei da oferta e demanda. Você pode conseguir um tipo de produto em uma cidade e ir a outro onde isso é escasso e vender por muito caro. Nem é preciso ter foco em ser mercador, você pode apenas aproveitar as oportunidades. O mesmo acontece em relação a quem chegar primeiro em uma cidade que foi saqueada. Os seus produtos podem ser os mais caros, mas se uma caravana já passou ali, talvez não valham mais muita coisa.
 
Existem produtos dos mais variados disponíveis, desde alimentos, até armas. E você pode equipar essas armas pra deixar seu personagem mais adequado para o combate, ou mais protegido. Além disso também existem pontos de experiência que vão sendo destravados na medida em que você joga e assim dá pra aperfeiçoar ainda mais as habilidades do seu personagem.
Cada local tem seus problemas e também pessoas dispostas a pagar para você dar um jeito. Pode ser que te contratem como mercenário pra ir matar os bandidos que infernizam o lugar, ou pode ser que precisem urgente de certas mercadorias ou mesmo que você leve um grupo de animais para uma cidade distante. Ser bem sucedido, falhar ou trair esses personagens vai resultar na relação com eles e nas consequências.
 
Também existem alguns elementos únicos presentes, como por exemplo as arenas de combate. Pode ser que esteja rolando eventos reais em que guerreiros se enfrentam de forma brutal e a premiação é imensa, ou pode rolar apenas um treino com armas de mentira para se ganhar um trocado. Você pode se tornar um gladiador profissional e viajar por cidades exclusivamente pra aproveitar os eventos. Os dias passam de verdade e o tempo em que acontecem é limitado, por isso é uma ótima simulação de viagem.
 
O jogo conta com política presente, sendo assim, se você faz certas coisas, pode se dar muito mal. Atacar inocentes ou trair pessoas pode resultar na forma que um reino inteiro lida com você. E assim a criminalidade tá ali. Um lugar onde antes você entrava tranquilamente, talvez você tenha que colocar um capuz pra entrar e existe a porcentagem de chances dos guardas te reconhecerem e renderem. Além disso a coisa pode ficar realmente feia e dependendo de quem forem seus aliados e inimigos, pode desencadear em uma guerra.

O jogo me lembrou demais co a Era de Ouro de Berserk, o que é engraçado, pois até então, o jogo que eu via uma essência muito semelhante, era Dark Souls, mas acho que esse tá mais pra Era do Espadachim Negro, enquanto aqui, temos algo envolvendo mercenários, bandidos e uma pessoa louca pra crescer e se destacar no mundo, podendo criar um império. Achei realmente algo muito semelhante e inclusive tem um mod de Berserk.
E sim, o suporte a mods é nativo! Os desenvolvedores não apenas aprovam, mas ainda distribuíram as ferramentas de criação do jogo para facilitar ainda mais, fazendo com que a comunidade pudesse ficar à vontade para criar os seus próprios reinos medievais com suas próprias histórias, ou adaptar algum universo existente para o jogo.

Infelizmente o jogo não é perfeito e é daquele tipo que você consegue ver que é mesmo algo indie. Sendo assim, é preciso ter um pouco de paciência para poder aproveitar sem ligar para coisas como bug na movimentação dos personagens e um visual bem feinho. Os gráficos realmente são um tanto limitados.

Enfim, tá aí um jogo daqueles que tem potencial para sugar muitas horas do dia de uma pessoa e que requer um bom tempo para ser jogado. Acho que vale demais a penas! Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários