ILL é um jogo tão perturbador que gerou denúncias no Twitter

Todo mundo sabe que violência nos videogames é algo bem comum e obviamente isso já gerou muitas discussões, acusações e polêmicas variadas. E parece que o limite para as desenvolvedoras é o selo "Só para Adultos", e enquanto conseguirem colocar algo abaixo disso, a matança rola solta. Claro que não deixa de chocar às vezes, mas é meio que "normal" um certo tipo de violência. Porém até que ponto algo é considerado gore o suficiente? ILL foi um dos jogos que cruzou essa linha.

O estúdio Team Clout usou duas fontes de inspiração principal, Outlast e Resident Evil 7, no entanto, não quiseram focar apenas no terror, mas no realismo da coisa. Colocando movimentações completas para fazer as coisas, e também monstros medonhos que fazem coisas grotescas, o que inclui muitos cadáveres amontoados.
Ill é um jogo de terror em primeira pessoa em que o universo apresentado é "simples de se perceber", segundo a desenvolvedora e também comenta que conta com constantes descobertas chocantes que podem facilmente fazer com que aqueles jogadores com menos estômago decidam parar. Além de obviamente garantir que alguns nem cheguem a começar.
 
Foram escolhidos propositalmente os efeitos mais variados que descem realismo a uma experiência de jogo de horror gore e repulsivo. É apresentado não apenas efeito ragdoll (a física de cair certinho) nos personagens, mas ambientes super interativos, a possibilidade de desmembrar os inimigos de um jeito mais elegante que Dead Space e transformações medonhas em tempo real.
O negócio é que a desenvolvedora aproveitou os gráficos realistas para colocar situações de puro gore que em uma olhada rápida fez com que muitas pessoas achassem que se tratava de uma chacina real, causando repulsa imediata e deixando alguns horrorizados. O resultado disso é que os vídeos no youtube são censurados, com um efeito embaçado nos corpos.
 
Já no Twitter, não foi necessário censurar para manter na rede, mas foi por lá que o circo pegou fogo, com players olhando o jogo de horror e ficando revoltados com cenas como duas crianças usando objetos para estourar a cabeça de um homem ou um monte de cadáveres podres dentro de uma banheira. E aí começaram a reportar. A conta da empresa parece um açougue humano (Entre por conta e risco).

É claro que se trata de uma coisa que divide opiniões, especialmente por gerar críticas na maioria das vezes de pessoas de fora do público gamer. Afinal de contas, se um nível de brutalidade foi capaz de deixar jogadores veteranos abismados, imagina alguém que nunca tocou em um videogame na vida? E aqueles que odeiam video games vibraram com uma munição dessas.

Mas é realmente um jogo para um público próprio. Não é o tipo de jogo para crianças, mas sim um sombrio jogo de terror que quis ir além na experiência do medo, adicionando um tom grotesco para ter uma cara própria. De tempos em tempos aparece algum jogo que decide não ligar para o selo adulto, como Hatred. Talvez esse tenha ousado fazer isso por já garantir o dinheiro através do Patreon, que foi por onde decidiram investir no desenvolvimento do jogo. E vocês, o que acharam?

Postar um comentário

0 Comentários