Aka Manto | O espírito japonês dos banheiros

Enquanto no Brasil, temos a nossas lendas com espíritos que infernizam o banheiro, tipo a Loira do Banheiro, Maria Algodão e outras lendas brasileiras, mas em outros países existem as suas próprias assombrações. No Japão, o grande destaque vai para Aka Manto, uma classe de Yurei um tanto peculiar na sua forma de agir.

A lenda diz que ao ir ao banheiro, as pessoas devem ficar atenta se tem papel higiênico ali, pois se não tiver, a entidade poderá aparecer. A pessoa vai ouvir a voz de alguém bater à porta e perguntar se deseja receber papel vermelho ou papel azul. Se a escolha for vermelho, o espectro invadirá o banheiro e arrancará a pele da pessoa, ficando coberto de vermelho, se for azul, enforcará ou drenará o sangue da vítima até que fique totalmente azul. Se a pessoa escolher outra cor ou não responder, o fantasma entra no toilette e enfia a cabeça da vítima na privada até que morra.

Existem variações do relato com a possibilidade de escapar da morte ou não. Como por exemplo, abrir a porta e sair correndo do jeito que está, dizer que já tem papel (o que leva algumas pessoas a carregarem um rolo de papel higiênico na bolsa ou mochila). Mas o ser sobrenatural carrega também o estigma de ser o único espírito do Japão a não ter jeito de se livrar.

A lenda costuma ser focada especialmente em banheiros públicos femininos, sendo que Aka Manto é descrito como um belo e sedutor homem, mas que cobre seu rosto com uma máscara dourada e um manto vermelho. Não existe uma história muito desenvolvida sobre quem é e suas motivações reais, o que abre espaço para diversas possibilidades. Existem várias histórias mais comuns sobre, se destacando essas duas:
 
Lenda 1

Uma menina foi usar o banheiro, faltou papel e uma voz perguntou se queria vermelho ou azul, ela escolheu vermelho e foi assassinada com todo seu sangue drenado e ficando coberta de vermelho. No dia seguinte sua amiga foi ao mesmo banheiro e novamente uma voz perguntou pela cor. Ela escolheu azul e foi sufocada até a morte.

Lenda 2

Meninas ouviram uma voz masculina no banheiro feminino e ligaram para a polícia. Uma dupla chegou e a policial mulher entrou enquanto o homem ficou do lado de fora. Ele conseguiu ouvir uma voz de homem perguntando qual cor de papel higiênico queria e então um grito de horror. Ao entrar, encontrou a companheira decapitada e o banheiro banhado em sangue.


Essa lenda é focada em banheiros públicos ou de instituições de ensino. Ou seja, banheiros com boxes, aberto a todos que estiverem ali. Fiz uma pesquisa sobre a história dos papéis higiênicos no Japão e foi um pouquinho complicado de encontrar informações para ver até onde a lenda ia. Infelizmente os registros são focados na história dos banheiros, mas ainda assim dá para se ter uma ideia.

A popularização do estilo ocidental de banheiros só aconteceu após a segunda guerra mundial e o banheiro ocidental ganhou força mesmo na década de 60. Antigamente japoneses faziam suas necessidades em casa e tinham baldes em locais públicos. Aliás, algo curioso é que o cocô era vendido para agricultores e inclusive rolou aumento no preço e roubo de fezes, além de cocôs dos nobres serem mais valiosos por terem uma alimentação melhor e mais nutrientes.
Caso a lenda seja centenária, talvez tenha surgido no século 17 com a popularização do Hyaku Monogatari Kaidankai e criação de várias histórias de terror em massa. No entanto pode ser que tenha sido um dos resultados das mudanças no Japão após a invasão americana depois do período de guerra. A novidade pode ter deixado eles abismados e aquela paranoia e medo tenham resultado nisso.

Mas tudo indica que é uma lenda que surgiu na década de 70 ou 80, quando o estilo ocidental se padronizou por lá pra valer e as lendas de escola começaram a aparecer. Até mesmo porque a ideia por si só é muito bizarra, se assemelhando muito mais ao estilo creepypasta do que horrores mais tradicionais como o Gashadokuro.

No resto do mundo, a história se popularizou muito com o lançamento do jogo indie Aka Manto | 赤マント, pela desenvolvedora japonesa Chilla's Art em 2019. Isso fez com que as buscas aumentassem bastante e a entidade começasse a receber conteúdos como adaptações em vídeos. Porém na era das creepypastas lá por 2010/2015 já rolavam algumas informações. E aí, o que vocês falariam para o Aka Manto se ele aparecesse em um momento tão íntimo?


Postar um comentário

0 Comentários