Mulheres Cartunistas que marcaram o mundo dos quadrinhos

Uma coleção on-line apresenta escritoras icônicas de quadrinhos desde o século XIX.
Assim como em muitas áreas, os homens dominam a cena dos quadrinhos desde que os primeiros títulos populares apareceram na década de 1930, muitas vezes conhecida como "Era de Ouro". O sucesso desses criadores ajudou a indústria a crescer, levando as histórias em quadrinhos ao gosto popular: mas isso não significa que durante todo esse tempo não exista também uma riqueza de talentos femininos que têm um bom destaque.

Women in Comics: Looking Forward and Back” é uma exposição coletiva de mais de 50 escritoras que impactaram os quadrinhos e graças à pandemia do Covid-19, isso fez com que surgisse uma versão online da coisa: a história das cartunistas e as que encantam o mundo cômico moderno.

Trina Robbins, curadora da exposição; foi uma das principais figuras do movimento underground comix (quadrinho alternativo) que floresceu nos EUA e no Reino Unido nas décadas de 1960 e 1970. A galeria exibe cerca de 80 obras de sua coleção particular de artistas como Rose O'Neill, criadora da marca de bonecas Kewpie e Nell Brinkley, a mulher por trás da personagem Brinkley Girl.

Robbins tenta exaltar as artistas que não receberam reconhecimento na época. As mulheres que tentaram manter o ânimo das pessoas durante períodos difíceis, como durante as Guerras Mundiais, quando elas tiveram que substituir os escritores homens que lutavam na guerra.

Existe até a história de uma refugiada judia, Lily Reneé, que conta sua situação ao escapar dos nazistas e ainda produzir desenhos animados no auge de uma crise.

Uma explosão de criatividade

A explosão de criatividade que o mundo experimentou na década de 1960 é objeto de muitas obras de arte e literatura, particularmente através da pop art de Andy Warhol, e de artistas como Harper Lee e Maya Angelou na literatura. A exposição tenta transmitir esse movimento através das obras de arte das cartunistas da época, período em que as mulheres finalmente podiam publicar os conteúdos com seu próprio nome.

Isso inspirou mulheres artistas da década de 1970 que mantiveram o padrão popular e se concentraram nos quadrinhos voltados especificamente para as leitoras. São exemplos notáveis Barbara Mendes e Jewlie Goodvibes.

A exposição também exibe trabalhos da série Mulher Maravilha; uma franquia agora tão universal que os fãs podem encher o guarda-roupa com as roupas da marca da super heroína ou ainda experimentar sua estratégia de caça-níqueis em um jogo de cassino da Mulher Maravilha. O foco aqui é a importância das contribuições dessas escritoras, sejam as ilustrações poderosas de Robbins e Ramona Fradon dos personagens ou a inspiração que a série deu às fãs de quadrinhos da época.

Uma visão contemporânea

A segunda parte da exposição mostra como 20 artistas contemporâneas formaram suas bases inspiradas em seus antecessores. Os fãs recebem dois aspectos desta coleção moderna. Primeiro, novos trabalhos de autoras consagradas, como a escritora Ebony Flower, autora do livro Hot Comb e Lee Marrs, mostram suas opiniões sobre a sociedade moderna. Isso seguido do apoio de novas artistas, como Afua Richardson, mais conhecida como a ilustradora por trás do Mundo de Wakanda de Pantera Negra da Marvel.

Um dos objetivos é mostrar a história em quadrinhos sob uma ótica única: uma vez que inclui mulheres e minorias; algo que não foi mostrado extensivamente no passado. O sucesso da cultura e do ativismo zine ajudou a conseguir isso, com a exposição tentando fazer parte do acelerador para o progresso futuro.

O futuro das histórias em quadrinhos pós-COVID

Uma das coisas que mostra muito bem a importância de artistas em geral menos conhecidos, é o fato de que roteiristas e desenhistas menores trazem “sangue novo” à indústria, com novas ideias que são capazes de revolucionar a coisa.

Um ótimo exemplo é o forte impacto da crise do COVID-19 já ameaçou a própria sobrevivência das histórias em quadrinhos: com produções e distribuições interrompidas e muitos pequenos varejistas ficando no vermelho.

Isso fez surgir o perigo do mundo dos quadrinhos se dividir em dois níveis: as super empresas, como a Marvel e a DC Comics, mantendo-se relativamente ilesas, e seus primos menores lutando para sobreviver. Embora tenha havido atos de caridade dos principais protagonistas, o custo financeiro da crise afetou muito os artistas menores, tanto homens quanto mulheres.

Há uma esperança de que os gigantes da indústria reconheçam a contribuição inestimável de artistas menores. Afinal, eles geralmente fornecem as ideias e o trabalho que leva a filmes e mercadorias de bilhões de dólares: sem eles, o nível da criatividade será muito mais superficial e os fãs de quadrinhos verão um enorme declínio na qualidade da arte em quadrinhos.

Uma solução para quando coisas assim rolassem, seria que os grandes estúdios vissem os artistas menores como um investimento estratégico e lhes fornecessem fundos para continuar produzindo independentemente e contribuindo de forma criativa. Pois, apoiar a causa dos quadrinhos pode trazer benefícios a longo prazo no futuro, além disso, o sustento das artistas mencionadas da exposição “Women in Comics” pode muito bem depender disso.

Postar um comentário

0 Comentários