Fuga | Filme medieval com personalidade muito própria

Adoro caçar filmes que deem uma variada em universos medievais, como é o caso de The Appearance e O Caçador de Cabeças. Em "Fuga" temos mais um exemplo disso, apresentando algo que nada tem a ver com guerras ou a realeza, mas sim uma história sobre pessoas comuns alguns anos depois da Peste Negra destruir tudo. É um daqueles filmes não tão populares por ser norueguês e não ter um orçamento monstro, mas que tem uma apresentação muito decente.

A história mostra uma família, de um casal e dois filhos, se mudando para uma melhor condição de vida. No entanto, durante a viagem, acabam sendo atacados por saqueadores que matam imediatamente os pais e o irmão, mas ao atacarem a garota, acabam decidindo levá-la para seu acampamento onde o verdadeiro horror começa.

Esse é um filme que aproveita muito bem o orçamento, simulando a idade média de forma inteligente. Normalmente obras em geral relacionada de alguma forma à peste negra facilmente ficam caras demais, pois se você olhar cenários como A Plague Tale, Black Death e A Máscara da Morte Rubra, percebe que embora não sejam filmes, tem algo em comum, todos envolvem locais lotados de gente ferrada e detalhes para representar a coisa. Mas aqui a coisa foi resolvida com um pequeno salto temporal e ambientação.

Como o filme se passa alguns anos depois da peste desaparecer, já dá pra imaginar algo mais próspero, e como tudo é apresentado do lado de fora das cidades, isso dá um extremo alívio para o orçamento, já que ambientes naturais conseguem convencer que ali é a era medieval e ao mesmo tempo consegue conduzir de forma interessante o público a imaginar as cidades próximas.

É tipo o que O Sétimo Selo fez, só que aqui apenas é apresentada a jornada, sem as paradas em cidades. E a história quase atinge aquele gênero bizarro que temos em filmes como Ghostland e Os estranhos, mas infelizmente não consegue chegar a esse ponto, o que realmente é uma pena, pois daria um charme super único, já que obras medievais não costumam ir para esse lado.

O  foco da coisa é na perseguição da guilda de bandidos, mas na medida em que isso acontece, conseguem trabalhar a história da vilã principal, que ironicamente recebe mais foco do que a protagonista. É uma personagem mais complexa e é um ótimo ponto para a trama, que poderia ser só uma perseguição descontrolada.

Por outro lado, infelizmente acho que o final acaba pecando um pouco, pois é muito improvável. Não chega a ser surrealmente improvável "a la Deus Ex Machina", mas ainda assim dá pra notar que levando em consideração o quanto se deram o trabalho de desenvolver a antagonista, era de se imaginar que rolaria um desfecho melhor.

Enfim, é um filme gostoso para se passar o tempo, uma experiência rápida e agradável. Pode ser um pouco difícil achar informações sobre, mas é de 2012, o nome original é Flukt e foi traduzido para inglês como Escape. É uma obra perfeita para deixar na lista de espera para aquele momento em que você apenas quer se divertir com algo.

Postar um comentário

0 Comentários