A descontrolada Lois Lane assassina de Dark Multiverse

Acredito que as realidades alternativas são tão atraentes exatamente porque todo mundo já está enjoado de ver a mesma coisa sempre em relação a Super Heróis. Não que deixem de ser encantadores, mas precisa ter algo diferente. Assim coisas como origens sombrias, animações com visuais legais ou edições com acabamento fantástico pra por na estante já deixam o povo louco. Porém quando a história muda radicalmente é que a coisa fica bonita de ver


Você certamente já deve ter visto ao menos de relance a história da Morte do Super Homem, em que o Apocalipse faz o trabalho e a coisa é toda bastante chocante. No entanto aqui é mostrada uma versão diferente da coisa. Na trama original uma entidade chamada Erradicador vai até o corpo do homem de aço e tenta transferir sua consciência pra ele e assume seu lugar com um novo corpo, porém tem um jeito de agir implacável.

Nessa versão, Lois Lane está arrasada com a morte de seu amado, mas também revoltada com os outros heróis e com a humanidade. Não consegue suportar a forma das pessoas agirem e como parece que não significou nada tudo o que ele fez pelas pessoas. E assim acaba indo até a fortaleza da solidão para homenageá-lo.

Ao chegar no lugar, ela presencia também a chegada do Erradicador, mas ao tentar transferir sua consciência, não consegue e deduz que se deve ao seu atraso e que o corpo estava tempo demais sem vida. Isso faz com que a entidade, sem conseguir se manter, comece a desaparecer agonizando e falando que o legado de Krypton não deveria acabar assim. A jornalista então se oferece para armazenar essa energia.

Assim nasce um novo tipo de Superman, uma versão onde Lois é que veste o manto. No entanto ela está cheia de ódio e rancor. E sua versão é muito mais semelhante ao personagem em Injustice. Ela quer continuar o seu trabalho, mas com os poderes que tem, percebe que tudo pode ser tão mais fácil. Começa a se questionar o motivo dele não simplesmente dar um jeito...

E assim os vilões começam a comer o pão que o diabo amassou, pois a personagem é descontrolada. Ela não se segura na hora de fazer a matança, e obviamente outros super heróis acabam se metendo em seu caminho, e bom... Eles também vão pro saco, pois a personagem está decidida a acabar com qualquer injustiça cortando o mal pela raiz.

Bom, essa é uma HQ de proposta interessante, no entanto assumo que esperava algo um pouco mais profundo. Talvez por ter amado a narrativa de Entre a Foice e o Martelo e Identidade Secreta, que te fazem sentir de forma intensa uma história do Super Man que vai além da parte da ação e você é colocado na mente do personagem.

Mas o que temos aqui é muito mais semelhante a Brightburn, então não existe um trabalho muito elaborado em cima. Uma proposta foi apresentada e você vê a parte da ação que tem tudo a ver com a coisa, mas sem aquele desenvolvimento que torna a coisa gostosa. Existe uma parte inicial da Lois falando o que pensa, mas não chega a ser intenso. É como se você pegasse Entre a Foice e o Martelo e falasse apenas "Aí o Superman era comunista, ele foi lá e matou os capitalistas e o Estados Unidos pegou fogo, a URSS venceu".

Existe também um fim que pode ser tocante, mas talvez a limitação de páginas de contar uma história pode ter sido uma complicação. São umas 50 páginas apenas e acho que como o foco é um público maias jovem, acabaram não querendo tornar a coisa um Watchmen da vida em que cada página é um livro, de tanto texto que tem.

Enfim, é uma leitura interessante, mas eu terminei na velocidade da luz e acabou sendo mesmo apenas um passatempo e não aquela coisa que te faz arregalar os olhos com a genialidade. Inclusive existe o formato de Além da Imaginação, o que gostei apesar de ser meio zoado e também deixa claro que é algo para ser apenas entretenimento rápido mesmo, acho que vale a pena dar uma olhadinha.

Comentários