Brightburn | A versão serial killer do Super Man

Nunca fui fã do Super Man em si, porém me encanto com as realidades alternativas como Identidade Secreta e o intenso Entre a Foice e o Martelo. E assim que ouvi falar de "Brightburn: Filho das Trevas" me encantei rapidamente com a ousadia da coisa, mesmo não sendo um Homem de Ferro oficial. E se você é fã das histórias macabras de serial killers, certamente vai adorar!



A trama se passa na pequena cidade de Brightburn. Em 2006 uma coisa cai do céu e um casal de fazendeiros descobre que é uma nave com uma criança e se sente abençoado, pois nunca conseguiram ter filhos e decidem adotá-lo. Doze anos depois o garoto começa a demonstrar sinais de mudanças extremamente estranhas e uma série de assassinatos brutais passam a acontecer.

Eu não tenho ideia de como um filme desses conseguiu ser lançado, sinceramente. Digo... Ele não pertence à DC e a ideia desde sempre foi declarada como uma "homenagem" ao Superman, então me pergunto como produtores conseguiram levar isso tão distante sem tomar um processo e serem impedidos, pois facilmente dá pra encaixá-lo como Superman oficial de algum universo, lembrando que não existe regra para o personagem sempre ser bom, é só ver ele em Injustice.

Tem algumas ideias visuais do filme que achei ótimas, por exemplo o nome do garoto ser Brandon Breyer e se você pegar os dois B's iniciais e colocar um de costa pro outro forma o símbolo que ele escolheu, que é algo semelhante ao estigma de Berserk, mas que também se você olhar bem, dá pra formar um S tanto de frente quanto de costas.

Infelizmente acabei não aproveitando o filme como deveria. Por um lado foi sim aquele caso da expectativa assassinar a diversão, porém por outro eu realmente achei o filme vazio. Ele teve o mesmo problema de filmes como Corra, em que no trailer só não é mostrado o final mesmo porque o resto tá tudo lá.

Então se você assistiu o trailer, ou pior, assistiu mais de um, saiba que a única coisa que você vai ver de novo mesmo é o fim do filme. "Será que ele vence? Será que é derrotado?", e não há nenhum tipo de inovação ou reviravolta. Talvez alguns se sintam empolgados em verem a coisa acontecer, mesmo usando clichês gerais de filmes slasher, mas infelizmente não foi meu caso.

Uma ideia que infelizmente não foi desenvolvida, mas que tinha um potencial imenso foi o desenvolvimento do personagem e acho que isso poderia fazer toda a diferença. O fato de ele não começar malvado é bom, mas a mudança é tão repentina. Eu não acho que precisava dedicar o filme todo a matança, e seria muito mais elegante dedicar um tempo e criar aquela pequena euforia de ver quando ia acontecer ao invés de o moleque já iniciar a chacina tão rapidamente.

Quero dizer, ficou fantástico o fato de ser uma criança perdida que quer esconder o que fez, mas acaba matando uma pessoa atrás da outra. Tem algumas histórias que isso é feito de forma maravilhosa, é só ver a primeira temporada de Fargo e o protagonista atrapalhado que acaba fazendo besteira atrás de besteira pra esconder um crime, virando uma bola de neve monstruosa.

Outro exemplo bom de evolução de personagem é Chronicle, filme que pelos trailers parece que será apenas uma chacina sem sentido, mas que quando você vai assistir, vê todo um desenvolvimento fantástico do personagem que permite compreender a dor dele. É possível ver sentido naquilo e não simplesmente um "Vou dominar o mundo agora e preciso começar a matar gente".

Eu sei, no caso, Brandon tem tendências de serial killer, o que é bacana também e ainda mais macabro vindo de alguém com poderes tão exagerados. Porém poderiam ter colocando as tendências mais cedo, e não de uma vez. No começo do filme ele é uma criança normal e quando há a mudança é de uma vez. Poderiam por ao menos ele matando galinhas mais cedo né? E não só quando descobre o que pode fazer. Acho que seria mais convincente.

Em relação ao gore eu achei bem bacana, as cenas deram uma agonia imensa no meu amigo que assistiu comigo, e deu pra ver o potencial. Como é um filme para maiores, os caras aproveitaram muito bem isso e pode ser uma surpresa não tão agradável para quem esperava um filme de herói ao contrário, pois aqui tem sim sangue é uma bela de uma chacina.
Enfim, acho que esse filme iria funcionar melhor se fosse uma mini série e desse um pouco mais de tempo pras coisas acontecerem. Acho que apenas seis episódios já seriam o suficiente pra deixar a coisa bem mais bacana. Não é um filme horrível, porém é decepcionante o desperdício de potencial e o que poderia ser inesquecível se tornou apenas um passatempo bacana pra ver com amigos.

Comentários