Batman vs. Robin | Um filme com altos e baixos

Quando assisti Batman Ano Um, aquilo me tirou o fôlego, eu precisava de uma animação de alto nível daquela de novo. Pra minha sorte há vários filmes animados do Batman, e assim fui dar uma olhada, quando vi o visual de Batman vs. Robin, fiquei impressionado com a arte fabulosa e decidi que seria o próximo, mas infelizmente pro meu azar foi um dos casos que a Expectativa matou a diversão. Legal é, o filme tem vários altos e tal, até mesmo momentos que podem ser considerados épicos, mas depois de Ano Um era algo que eu não esperava ver defeito nenhum e a presença deles me incomodou muito pois foi uma surpresa.



O arco "A corte das corujas" apresenta uma sociedade secreta de poderosos membros de Gotham que começam a assassinar brutalmente criminosos conhecidos. Esse arco foi lançado em 2012 e inclusive saiu uma edição fantástica com uma máscara igual à que os membros da Corte das Corujas usam. Já em Batman vs. Robin essa é uma história parcialmente adaptada, então não é o que se pode dizer que uma adaptação fiel da coisa.

Aqui temos Damian Wayne, filho do Batman e novo Robin, um garoto de 10 anos que foi treinado pelo avô para ser um assassino. Graças a isso é uma criança completamente perturbada que tenta seguir o estilo de Batman mas tem muita dificuldade, tendo que se segurar para não assassinar os bandidos. Isso gera um imenso confronto com o pai, porém a coisa piora quando o garoto é convidado para se tornar um membro da Corte das Corujas, que faz as coisas de um jeito muito mais violento.

Bom, a primeira coisa que não gostei no filme é em como as coisas parecem meio bobinhas com isso de um garoto de 10 anos lutando e tudo mais. É meio forçado, pô em Ano Um eu vi um Batman que tomava tiros e se esforçava muito para tentar conseguir as coisas, um climinha noturno com investigação e um toque mais realista, já aqui a coisa tá meio carnaval.

O negócio é que tenho duas visões de histórias do Batman, uma é sem forçar, colocar tudo em um clima mais detetive, realista, sombrio. Um homem traumatizado que começa a se vestir de morcego e vaga pela cidade a noite. O outro é a versão carnaval da coisa, quando metem exageros, personagens espalhafatosos e fazem altas viagens, fogem completamente do realismo. E não to dizendo que essa segunda opção é ruim, por exemplo eu adorei a história de Injustice Gods Among Us, mas o que eu tava preparado pra ver era outra história sombria e não um menino de 10 anos espancando todos e arrastando um cara de pelo menos 80 quilos.

Outra coisa que não achei nada legal foi a animação. Em Ano Um eu me peguei várias vezes lembrando da animação de Akira, era algo suave, que você via os frames se movendo lindamente. Já em Batman vs Robin tiveram momentos que sério, parecia Motion Comic, se você não conhece esse estilo de animação, dá uma olhada no vídeo de Entre a Foice e o Martelo que vai ver como é isso.

Nada contra Motion Comic, eu adoro isso, mas eu simplesmente não tava querendo ver isso nesse filme. Aqui tiveram momentos que parece que os caras falaram "Ah, pra que fazer uma animação da arma caindo da mão do cara, rodando e tudo mais, vamos só recortar aqui a arma da mão dele e agora vamos usar o adobe flash pra fazer ela se mover pra baixo".

Mas só pra deixar claro, eu certamente só notei isso porque a animação de Ano Um é linda demais, mas certamente nem iria notar se tivesse visto esse primeiro, pois a animação dele em si não é de má qualidade, é a mesma usada em desenhos em série da DC. Ou seja, apesar das técnicas motion comic vez ou outra até que é algo bem ok.

Um outro detalhe é que acho que os caras não se decidiram sobre o público do filme, talvez tenham pensado "Ano Um foi inadequado demais pra crianças, vamos maneirar aqui", mas colocam coisas como o Asa Noturna falando ao telefone sobre a calcinha fio dental de uma garota e um bandido cortando a alça da roupa de uma mulher o que deixa óbvio que é uma indicação de estupro. No entanto o filme em si parece todo algo que uma criança assistiria tirando uma cena ou outra. Queria que tivessem focado em algo mais adulto.

Nossa, até agora eu só desci o cacete ein? Mas é que eu realmente fiquei meio assim... Olha o filme é legal, mas ele é mais pra um passa tempo, uma história de herói do que algo que eu possa chamar de épico. As partes da corte são as mais interessantes, mas infelizmente não exploram de verdade a sociedade aqui, a maioria do tempo o foco é o Robin chato pra caramba, passando aquela sensação de criança mimada fazendo birra com o pai.

Sendo assim, vale a pena assistir, mas espere ver um episódio estendido de uma série do Batman e não realmente uma obra de arte em versão animada. O filme foi lançado por um preço bastante barato no Brasil com opção de dublagem em português.

Postar um comentário

0 Comentários