A kitnet dos sonhos! (Vamos trocar umas informações)

Bom gente, essa postagem é mais para compartilhar algumas coisinhas que descobri em pesquisa de apartamento para comprar, mas também é algo aberto, pois me sinto meio perdido quanto ao tema e poder trocar umas informações é sempre bom, especialmente para quem também sonha em ter um cantinho para morar.


Se tem uma coisa que me sinto traumatizado é me mudar e aluguel. Sempre que fico sabendo que vou ter que desmontar tudo e pagar uma grana pra ir para um lugar que sei que vai ter seus próprios problemas que vou ter que arrumar ou me acostumar, isso me bate um aperto imenso no coração, vem aquela tristeza enorme. E também me tira o sono a ideia de aluguel e essa sensação de mandar um dinheiro que nunca vai voltar e que poderia ser uma grana investida em um apartamento meu. Acho a ideia incômoda, especialmente aqui em Brasília que é impossível morar sozinho com o salário mínimo, a não ser que você goste de adrenalina e a sensação de que a faquinha pode deslizar na sua garganta a qualquer momento, aí você acha uns lugares com valor em conta.

E assim eu sempre estou dando uma olhada em imóveis e sempre é tão complicado... Tão desanimador! Parece muito inalcançável, é preciso de um valor inicial bastante alto para dar de entrada, 20% do valor do imóvel. Ou seja, se você achar um apartamento de 200 mil, precisará de 40 mil pra dar de entrada e ainda assim se tiver só a menor entrada, vai ter que pagar parcelas cabulosas que passam do salário mínimo.


Aí tem o "Minha Casa Minha Vida", programa do governo que assumo que nunca entendi porcaria nenhuma. Sempre que procuro na internet tem aqueles sorrisos maravilhosos "Seu sonho em suas mãos! Financie sua casa, não tem renda mínima! O governo paga até 90% do valor do seu imóvel!", mas ao ver os vídeos na internet, parece algo de outra dimensão, na real... Certa vez eu cheguei a ir até a caixa econômica federal pra me informar e o povo não sabia informar nada. Era tipo "A gente financia", parecia ser só um valor de entrada normal, em que eu ia ter que pagar o mesmo preço de qualquer forma e com condições bem absurdas.

Na internet vejo pessoas entrando no site da caixa pra fazer a simulação, é lindo de ver, eles colocam lá "Renda 1500 reais" e veem a simulação bonitinha. Aí eu vou lá, preencho tudo pra só na última etapa dizer "Você não tem renda o suficiente!" (E aquele papo de que não tem valor mínimo de renda pra participar?), volto, aumento, e de novo não tenho renda, volto, aumento, e de novo... Até que coloco 8 mil reais "AGORA SIM! AGORA GOSTAMOS! AGORA VAMOS FINANCIAR PRA VOCÊ! ERA DISSO QUE A GENTE TAVA FALANDO!".


Naturalmente em meio a esse desespero, comecei a considerar a menor coisa possível para chamar de minha, uma kitnet. Sim, eu sei que tem alguns lugares aí que vendem quartos, mas a real é que morar até com amigo gera brigas por pessoas terem modos de ser diferentes, então imagina morar com desconhecidos? Mas pra quem não pensa assim, tá aí uma dica que pode ser bem econômica, pagar por um quarto e usar o resto da casa coletivamente (Apesar de que acho que não vai bem estar no seu nome, mas sei lá né? Pesquisa sobre essa treta aí).

O problema das kitnets (ou kitchenette, ou quitinete ou seja lá como diabos você chama esse treco), é que bom... É uma sala onde no canto já está a pia da cozinha e a única divisa é para um banheiro minúsculo. Ou seja, a pessoa abre a porta e já vê tua cama bem ali, assim como teu fogão, tua geladeira... É só o bagaço! Mas pra quem vai morar sozinho, acaba sendo o jeito né?


Graças a isso fica a tentação imensa de pegar um apartamento de um quarto, só que o problema é que ao menos aqui em Brasília já vão 30 mil a mais no mínimo mesmo. Se já é um sufoco juntar a grana pra kitnet, imagina adicionar maias uma grana dessas? Faz o sonho se tornar ainda mais distante, e quanto mais distante, mais desanimador.

O negócio é que é meio sufocante isso né? E chamar os amigos e todo mundo ficar sentado na sua cama não parece muito legal. Ter um sofá, uma mesinha ou algo assim é o tipo de coisa que faz completamente a diferença, afinal de contas a ideia de levar os amigos pra jogar um jogo de tabuleiro ou fazer eles se sentirem bem estando na sua casa parece bacana. Além de que dá um pouco de privacidade né?


A solução mais óbvia são os móveis multiuso, começando com o mais do que clássico sofá-cama,  e indo para móveis menores desde bancos que se dobram, mesinhas que ficam presas  às paredes e claro, o uso inteligente do espaço aéreo, como nichos e armários esticados que vão mais pra cima do que para os lados.

Daí tem todas aquelas técnicas malandras pra dar impressão de ambiente maior, o uso de espelhos (São caros pra caramba, mas quando o lugar já é seu, acho que fica mais fácil pensar nesses investimentos né?), a cor branca em móveis para refletir mais luz e assim parecer  um ambiente mais amplo, e assim vai.


Também é claro que tem que ter o pensamento em objetos do dia a dia serem os menores e mais úteis possíveis.  Eu tinha falado sobre isso na matéria sobre como investir em certos itens revolucionou minha vida, e realmente vale a pena observar coisas pequenininhas, porém tão úteis quanto. Te permite poder obter mais coisas, ter mais conforto e usar mais espaço, tendo pouco espaço. Então acho que vale bem a pena repensar sobre aquele seu aparelho tijolão dos anos 80 (A não ser que seja um jukebox pra dar festinhas com uma personalidade própria né? kkkk).

Agora solução mais cara para se fazer depois e que eu achei maravilhosa para kitnet são os "mezaninos", que são as imagens que estão ilustrando essa postagem e dão um novo ar a tudo. Esses bagulhos são feitos sob encomenda e são tipo beliches que só tem a parte de cima. Depende de quem você contratar vai dar um toque diferente. Pode ser só o cantinho da parede ou pode ser o fundo da kitnet inteira. Daí é só no "segundo andar" colocar seu colchão e embaixo ficar uma salinha.


É claro que no segundo andar não vai dar pra ficar em pé, o que pode ser um problema pra quem tem claustrofobia, pois o teto vai ficar pouco acima. Aliás, tem alguns casos que essa solução realmente acaba ficando fora de cogitação, pois o próprio teto da kitnet é baixo demais, no entanto nesses casos uma forma seria não usar  o ambiente inteiro, mas sim um canto, usando metade da parede, assim a parte de baixo pode ficar uma área pra por uma TV, ou uma mesa de PC que você fica sentado mesmo.

Uma outra coisa que comecei a considerar bastante é mudar de cidade. Fui procurar sobre as cidades grandes mais baratas de se viver e surpreendentemente uma das mais barata foi Curitiba (PR), que é uma cidade bacana pra caramba. Essas listas variam, nas no geral ao pesquisar sobre elas, no geral saem realmente bem em conta. Algumas são mais conhecidas como Maringá (PR), outras nunca ouvi falar, mas dependendo do tipo de pessoa pode ser interessante, como Guaratinguetá (SP).


É claro que o medo de mudar de cidade é imenso e a complicação de levar coisas é um inferno, mas vi que ir pra Curitiba sai mais barato pagar pra levarem todas as minhas coisas daqui pra um apartamento comprado lá do que comprar um apartamento aqui. O valor de muitos apartamentos de dois quartos. E tem toda aquela questão de ser uma cidade desenvolvida e tal, afinal não adianta muito ter o apartamento e ser em uma cidade onde tudo é precário, no fim das contas os gastos saem mais caros.

No caso de Curitiba achei uma kitnet de 32m² por 100 mil no centro da cidade. Por outro lado aqui em Brasília a mais barata que achei foi de 26m² por 160 mil. A diferença é bem maravilhosa, com esses 60 mil de diferença dá pra tranquilamente levar o que tenho, ou levar só o necessário e comprar por lá as coisas kkkk.


Algo curioso e ótimo para quem quer comprar imóvel é que li que a geração millennial (A juventude atual) perdeu o interesse em ter casa própria. Eu perguntei esses dias lá na página do blog no facebook sobre isso e o motivo. Me responderam que um imóvel faz você criar raízes no lugar e querem ter liberdade para ir quando quiserem, afinal não vão ter que ficar se preocupando com o que deixaram pra trás.

O resultado dessa atitude é que as construtoras passaram a fazer apartamentos cada vez menores e mais baratos. Além disso a perda de interesse do mercado acaba fazendo com que os valores comecem a cair também, o que é muito bom pra quem quer comprar e gera uma certa esperança de um dia conseguir.

Mas e aí, vocês têm algumas dicas, informações ou o que for pra compartilhar? Vamos trocar umas ideias e nos ajudar pessoal, afinal de contas tá difícil viu? Uahahaha, não ligo pra ter carro, nunca liguei, mas hoje em dia com Uber, realmente não quero manter mais essa dívida a pagar, agora um apartamento, nossa, isso é um sonho. XD

Comentários