Layers of Fear 2 | Muito bom, porém não o bastante...

O maior problema de fazer uma sequencia de uma obra prima,  é o fato de que a expectativa acaba matando a diversão, e infelizmente foi exatamente isso que aconteceu com a sequencia de Layers of Fear, que é um jogo bom, porém além de não conseguir superar o primeiro, faz pior e oferece um conteúdo menos imersivo. Tem seus brilhos como o áudio recomendadíssimo pra um fone de ouvido 7.1, e belos gráficos, mas infelizmente fica às sombras do primeiro.



Dessa vez a história abandona a mitologia adotada no primeiro e te coloca na pele de um ator fantástico que já interpretou inúmeros papéis. Porém está perdido em sua própria realidade. Não lembra quem é, onde está ou o que procura, apenas se vê em um estranho navio, lotado de detalhes relacionados à sua carreira.

Lembro que quando anunciaram, não gostei de usarem a temática cinema ao invés de pinturas. Me incomodou. Porém ironicamente isso fez minha expectativa subir ainda mais, pois eu não via como cinema poderia criar uma imersão tão grande quanto um mundo de pinturas, por outro lado a desenvolvedora tinha apresentado uma obra fantástica no primeiro jogo, então tinham potencial pra me surpreender e calar minha boca.

Infelizmente no fim das contas, foi exatamente o que pensei inicialmente... Não conseguiram fazer uma atmosfera tão fantástica. Porém a coisa foi pior, pois o trabalho foi bem mais preguiçoso do que no primeiro jogo, e esse foi um ponto crucial, pois Layers of Fear ganhou sua popularidade exatamente por não ser um trabalho nada preguiçoso.

No jogo original você se sentia bem na mente de um pintor louco, o cenário não parava de se transformar, coisas não paravam de acontecer. Tudo se transformava assim que você virava as costas. É um jogo absurdamente robusto e com uma variação surreal. Aqui por outro lado, ao invés de você sentir aquela loucura e transformação frequente, tem uma experiência mais parecida com jogos de terror comum.

E pior, o cenário se torna repetitivo, algo que é de matar pra o que foi apresentado no primeiro. Eu queria mergulhar em um ambiente louco, mas aqui é comum se ver correndo no mesmo cenário de novo e de novo entre os atos. Chega um momento em que a coisa fica meio cansativa, especialmente o ato 2 que foi uma tortura. A coisa já não variava muito e ainda tacaram um preto e branco pra parecer ainda menos variada. Também fizeram algo horrível que é apelar para os jump scares previsíveis, chega um ponto em que você simplesmente não está mais nem aí, pois sabe que sim, o boneco vai se mover em sua direção e o som vai aumentar absurdamente e nada vai acontecer.

Mas, não sendo injusto, o ato 4 é fantástico e você sente algo muito mais parecido com o primeiro jogo. Nesse ato sim os criadores parecem ter se divertido criando, fazendo coisas que mudam e eventos grandiosos. Porém esperar três atos pra fazer isso é complicado né? E o jogo acaba no ato 5, o que acaba não compensando a repetição anterior.

O visual é bem maravilhoso, e é mais um dos jogos que mostram que Unity pode fazer coisas realmente belas visualmente como Ghost of a Tale e Umbrella Corps, e não apenas clássicos como Slender. Nesse quesito a equipe trabalhou de forma linda, não ficou fazendo coisas genéricas, você sempre percebe cenários robustos e lotados de elementos.

Há uma série de referências a filmes clássicos de gêneros variados, algo que acabou caindo muito bem. Aquele clima de coisas antigas como o Mágico de Oz, ou mais atuais como O Chamado. Não é nada citado de forma direta, porém você olha e percebe que já viu aquilo em algum lugar e ao pensar um pouco, entende de onde vem.

A história a princípio achei meio clichê, porém mais pro fim foi ficando bem mais interessante, com surpresinhas. É aquele tipo de história que usa uma base clichê, mas que adiciona elementos próprios e acaba apresentando algo diferente que consegue se destacar. Não é tão imersiva quanto a do primeiro, mas é uma história bem bacana.

O som do jogo é incrível e inclusive é bastante recomendado que você use fones de ouvido de qualidade se estiver afim de ter a experiência completa. Os sussurros e barulhinhos próximos, a sensação de algo te rodeando e você saber de onde está vindo o som é algo que dá um toque bastante especial.

Enfim, ótimo jogo, mas não tão bom quanto o anterior. Se esse fosse Layers of Fear 1 e o original fosse o 2, ambos seriam obras primas, mas como não é, fica difícil não comparar. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários