A influencer que detonou uma estátua de 200 anos pra ganhar likes

As pessoas sempre quiseram fazer sucesso de alguma maneira, é uma coisa  que sempre é falada em todos os lugares. E assim como tem obras sérias como o livro Mindset, abordando psicologicamente o caminho do sucesso, existe exatamente o contrário e o caminho da bagaceira. Com a vinda da era da internet, isso só ficou mais escrachado com a era da internet, em que as pessoas não estavam mais limitadas a aqueles que a cercam. Um bom exemplo é o caso de 2019, envolvendo uma jovem de 17 anos que queria likes...

Como vocês sabem bem, redes sociais crescem e algumas pessoas se destacam. Essas são conhecidas como "Digital Influencer", que são basicamente as celebridades virtuais. E assim o povo pira, mas é preciso se diferenciar né? E constantemente é necessário continuar postando e ter algo que atraia, seja uma posição política, seja a beleza da pessoa, sejam coisas engraçadas. Graças a isso, os infulencers sempre precisam postar conteúdo, tipo a modelo de Jill Valentine fazendo cosplay da personagem.

Tudo começou em maio de 2019, quando a modelo polonesa Julia Słońska, de apenas 17 anos resolveu fazer algo radical pra ganhar uma chuva de likes que a loucura. Ela pegou um martelinho e foi com uma amiga até o parque Dolinka Szwajcarska em Varsóvia, onde tinha uma estátua de mais de 200 anos de idade e destruiu o nariz.

Depois postou no instagram para ganhar os likes. Mas a surpresa da garota foi quando viu que as pessoas não acharam radical. Na verdade a reação foi bem o contrário! Ao invés das pessoas aplaudirem e rirem, começaram a falar que aquilo era vandalismo, vergonhoso. Mas a coisa piorou! A agência de modelo delas a abandonou, e o mBank, pioneiro dos bancos virtuais da Polônia e empresa que ela era garota propaganda, decidiu não associar mais a imagem da garota à empresa.

Após ver que os likes não rolaram, e pior, ela ainda poderia passar até oito meses na cadeia, acabou decidindo que era melhor deletar, e assim sumiu com a postagem. Também declarou: "Não deveria ter acontecido, lamento. Não vou falar o que me motivou fazer isso porque é assunto privado. Mas quero pedir desculpas para todos".

Não é a primeira vez que a ferramentas virtuais são usadas de forma maliciosa para lucrar, por exemplo teve a mulher que fingiu ter câncer para viver grátis com doações, ou mesmo alguns casos controversos que divide as pessoas sobre ser ou não certo, como o youtuber que foi banido porque matava repetidamente uma feminista em RDR2.

Comentários