The Silence | O "Um lugar silencioso" do fracasso...

Isso não é um filme... Isso é uma desgraça! Eu nem acredito que fui assistir essa bagaça empolgado pensando que era um filme psicológico e intenso, talvez com uma reviravolta. Mas não... É tipo filme trash dos anos 80, só o bagaço! A coisa só piora com o fato de que não é algo de um estúdio independente qualquer, é uma produção da Netflix, que embora tenha erros, muitas vezes se mostrou competente e  mais do que capaz de entender a história do cinema e seus erros. Porém essa tranqueira aqui passou dos limites.



A história é sobre uma caverna que é descoberta, porém quando a abrem, algo sai de dentro e logo as notícias começam a surgir em cidades. Algo está atacando as pessoas, corpos estão pra todos os lados e aqueles que não fazem silêncio, são mortos de forma extremamente violenta. Isso faz com que uma família resolva sair da cidade porque é barulhenta demais, porém na jornada, terão que ficar extremamente quietos.

Com uma sinopse dessas é fácil lembrar de filmes como Bird Box e Um Lugar Silencioso, e da mesma forma é fácil pensar em algo misterioso e psicológico. Afinal de contas o que é essa coisa que está matando? Inclusive o início do filme faz parecer que a coisa será mais bem elaborada e interessante, apesar de ser fácil ver logo algumas coisinhas que poderiam ser melhores.

Por exemplo, a filha da família é surda e ficou assim depois de um acidente, e os personagens se comunicam em língua de sinais. A ideia é bacana, mas não demora muito pra você ver que o diferencial parece ter sido colocado mais por ser conveniente de exatamente aquela família ser capaz de se comunicar assim do que para ser algo mais bem trabalhado. 

Porque a personagem poderia, por exemplo falar com uma entonação meio estranha, como é comum pessoas surdas fazerem por nunca terem ouvido a entonação certa e não poderem se ouvir. Ao invés disso ela fala bonitinho, lindamente e a ideia dela ser surda nem aproveitada foi no fim das contas, parece que os caras quiseram, mas só virou um detalhe, pois no fim todo mundo faz os gestos falando ao mesmo tempo, e não aproveitam as complicações desse problema.

Até aí, o filme acaba se tornando só um filme de monstrão, no entanto tem um pequeno detalhe... O "monstrão" ou ser, na verdade são morcegos. Aí você pensa "Morcegos gigantes né?", não, morcegos do tamanho normal mesmo. E você pensa "Ah, mas eles são tipo imortais né?", não... Uma flecha mata eles. Agora vamos pensar direitinho, abriram uma caverna, tinha uma raça de morcegos diferente lá e eles destruíram... O MUNDO? Sério mesmo? É muito trash! Parece que o criador dessa desgraça era fã número 1 de "Piranha 2: Assassinas Voadoras".

Até a própria ideia da jornada é estúpida. Um bando de animal carnívoro que é atraído pelo som e eles tem a ideia de sair da cidade porque é barulhenta demais? O que essa gente tava pensando? Que todo mundo ia ficar andando de carro normalmente com esses bichos voando por aí? Não é mais inteligente ficar em casa quietinho sem ligar a TV? E não são seres que tocou, explodiu não, por exemplo tem uma cena que matam uma velha, que ela ainda dá umas cacetadas em uns enquanto atacam ela, então imagina o que o exército faria com esses bichos? Mas não... O mundo acabou...

Desconfio inclusive que os próprios atores foram enganados, pois tem a protagonista de O Mundo Sombrio de Sabrina, e a atriz que interpreta a tia dela. Os outros atores também não são ruins, dá pra ver um esforço. Mas se a obra é uma desgraça, não tem atuação que salve né? E acho que o que ambas pensaram foi "Nossa, a Netflix nos convidou pra um filme de terror! Legal...", e pensavam que ia ser algo psicológico e profundo. Dá até dó, especialmente da guria, que caiu em uma dessas bem no seu momento de brilhar.

Os efeitos especiais então, é só o bagaço! Um 3D tosco que eles não tiveram a mínima vontade de disfarçar com escuridão ou algo assim, toda vez que um dos bichos aparecem, é fácil ter pena dos atores, que na certa imaginavam que a pós-produção iria colocar algo bem feito, mas parece que quem fez não ganhou o bastante ou tinha o equipamento adequado.

Ainda tacam uma seita que parece até que foi improvisada de última hora, pois a sensação que tive é que gravaram o filme primeiro e falaram "Pera, então a história é essa? Eles vão do ponto A pro ponto B e acaba?" e decidiram gravar umas cenas com uma seita pra fingir que tinha algo de mais profundo, mas que só aparecem rapidinho, não tem desenvolvimento e somem. Uma bagaceira sem fim! Então se você gosta de filme ruim, lembra de chamar um amigo pra assistir junto na Netflix.

Comentários