Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

sábado, 8 de outubro de 2016

A Bruxa de Blair 2: O Livro das Sombras

Quando foi lançado a continuação do filme A Bruxa de Blair em 2016, muita gente pensou que aquele era o segundo filme da franquia, sendo que a verdade é que ele fecha uma trilogia. Isso acaba sendo uma imensa surpresa, afinal de contas "Como assim, teve um Bruxa de Blair 2 antes do de 2016?". E hoje vou falar exatamente sobre essa obra do universo underground.



Sem sombra de dúvidas tá aí um filme difícil de se fazer e sei bem que a equipe criativa por trás dele sabia disso. O negócio é, como fazer uma continuação do primeiro filme sem forçar a barra? O futuro era claro, alguma coisa daria errado. Mas é óbvio que algo assim vende, portanto não se teve pressa e apenas um ano depois do lançamento de A Bruxa de Blair, esse saiu nos cinemas.

A história é também um mockumentary, no entanto ao invés de usarem o mesmo estilo do primeiro filme, com câmeras tremidas, eles usaram o estilo que vimos em American Horror Story: My Roanoke Nightmare, mostrando as coisas como se fosse uma simulação feita por atores. Porém aqui não tem pausas para os que "viveram de verdade" comentem sobre o que sentiram, a coisa é direta. O resultado disso é um filme comum onde só no início há o aviso de que aquilo é "real" e alguns nomes foram modificados.

Não se engane em pensar que porque foi algo lançado em 2000, o povo não tinha senso crítico. Quando fui assistir na época, fiquei olhando bem feio, afinal de contas como é que os caras ousaram tirar a câmera comum? Aquilo era o grande brilho da coisa, ainda mais em uma época onde Mockumentary não era algo nada normal. Quero dizer ,se A Bruxa de Blair fosse lançada hoje em dia, certamente seria só mais um filme tosco, afinal de contas filme nesse estilo tem aos montes. Então a novidade foi um forte empurrão par ao sucesso.

Eu assisti de novo o filme atualmente, assumo que não lembrava dele como um todo, apensa de certas partes. Isso porque é um filme esquecível, então o que marcou mesmo foi a reviravolta que tem no final e algumas cenas em um galpão, de resto eu simplesmente não lembrava bem. Mas assumo que nessa segunda vez que vi, o começo foi bem fantástico.

Primeiro, eu achei maravilhoso a essência dos anos 2000 que esse filme consegue passar. Ele junta de forma extremamente forte elementos da época. Tem a garota bruxa (toda garota adolescente dessa época tinha uma fase que aprendia sobre Wicca e resolvia mexer com magia e dizer pra todos que era bruxa), a garota gótica (outra coisa extremamente frequente), trilha sonora do Marilyn Manson, que tava no auge graças ao Massacre de Columbine e mais.

Então a sensação foi de viagem no tempo, uma visão dos jovens da época, com suas manias e jeitos de ser. Isso me agradou bastante, provavelmente quem for velho o suficiente para ter visto como era aquela época vai também sentir essa pontada nostálgica. Talvez até algumas pessoas que não chegaram a viver naquele tempo. Outra coisa que fez a diferença foi ter lido pouco antes A Mitologia da Bruxa de Blair, uma grande quantidade de detalhes sobre ela é citado, isso deixa a coisa mais empolgante.

O filme coloca alguma profundidade nos personagens, apresentado alguns mais lógicos, e outros que acreditam em magia, conversas filosóficas, etc. No entanto você logo percebe o quanto a coisa é superficial e parecem uma discussões super vazias que estão sendo feitas mesmo só para tentar impressionar quem assiste, mas que no fim fica mais com cara de teatrinho.

E também não demora muito para a coisa virar só a bagaceira, o começo do filme é realmente bom, com as entrevistas no povo de Burkittsville, reclamando que o lugar encheu de turistas depois do filme, jovens malucos invadindo a floresta, etc. Esse momento de "criação de cenário" gera uma certa emoção, só que depois é aquela mesma coisa de todo filme adolescente.

Uma coisa curiosa é que você até sente que o filme tem potencial, tem algumas coisas que parecem que vão ter algo a mais intensa. No entanto a sensação é de que os criadores se perderam e não conseguiram conduzir. Depois fui dar uma pesquisada e descobri que aquele "não é o filme original", isso porque foi criado de uma forma, mas quando foi enviado pra distribuidora, ela não gostou do tom psicológico e resolveu recortar as cenas, gravar algumas novas, mudar a trilha sonora pra algo mais adolescente e deixar algo bem mais comercial.

O resultado, já sabem né? Tem um monte de coisas que parecem bem sem sentido, e a desculpa é simples "Foi a bruxa! Ela mexeu com a cabeça deles, por isso parece sem sentido, mas foi ela!". Uahahaha. Mas em comparação a outros filmes que vi, não dá pra dizer que esse foi o pior ou mesmo esteja na lista dos piores, ele só não é bom o suficiente.

Enfim, Nos Estados Unidos o subtítulo vem primeiro do que o título, então dá pra ver que é uma continuação meio medrosa, o nome é Book of Shadows lá, e só depois vem o "Blair Witch 2". Se for assistir, recomendo chamar o pessoal pra vocês darem uma zuada quando o personagem grita "BRUXA MALDITA!" ou a outra grita "MALDITOS CAIPIRAS!" uahahahaha. Confira também o jogo esquecido da Bruxa de Blair.


Nenhum comentário: