Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 12 de julho de 2015

A explicação sobre mídias digitais mais caras que físicas

É engraçado como a era dos video games muda de forma drástica. Na era do Playstation 2 todo mundo diria que as coisas iriam ser daquele jeito pra sempre, iria aparecer um video game atrás de outro, as pessoas continuariam indo a loja comprar jogos, aquele formato era padrão. Seria uma blasfêmia falar de alguém pagando 250 reais em um jogo digital, como seria possível algo assim mudar? Mas nós vimos que os tempos realmente mudam...

Foi um verdadeiro susto para o mundo gamer ver a zuadinha sacana que a Konami deu na galera, e os jogos de celular que eram tanto ridicularizados por gamers hardcore, se tornar uma indústria tão poderosa que conseguiu fazer a Nintendo (que é tão cabeça dura quanto a mudança) decidir abrir mão da exclusividade de seus personagens para poder pegar uma fatia do dinheiro.

E a presença cada vez maior de mídias digitais foi se destacando, primeiro surgiram com preços inferiores, depois foi ficando muito próximo do preço da mídia física, o que era meio incômodo, quando o preço chegou ao mesmo da mídia física, pareceu um verdadeiro absurdo, afinal de contas quem diabos iria deixar de ter uma caixinha bonitinha no quarto para pagar o mesmo preço em um jogo de um servidor que um dia iria fechar?

Mas esse tipo de mídia cada vez foi acostumando mais as pessoas, aquela lista imensa de jogos da steam distribuídos gratuitamente por exemplo é o tipo de coisa que faz pessoas que nunca experimentaram algo, resolver dar uma chance, criar uma conta lá e dar uma olhada. A pessoa não pensa em gastar dinheiro com o negócio, apenas está aproveitando a oferta grátis.

Mas com a velocidade da internet e o aumento da capacidade dos discos rígidos, a mentalidade também foi mudando aos poucos. E isso chega a ser assustador, mas as vezes a pessoa quer apenas jogar o último lançamento, ela não quer sair de casa e ir comprar um jogo, ou mesmo se surpreender em descobrir que acabou o estoque ou nem chegou a uma loja. Ela não quer abrir o drive de DVD e tacar a mídia lá pra instalar, mas sim abrir o steam, apertar o botão "baixar" e ir mexer em uma rede social, pra pouco tempo depois já estar jogando.

Então a pessoa inicialmente se sente lucrando com aquela lista de jogos, sente a comodidade da coisa, vê como é prático mesmo, e quando entra a época de promoções, vê jogos que adoraria jogar por 10 reais, 5 reais... Até mesmo 1 real. A pessoa começa a pensar "Caramba... Eu quero jogar esse jogo e eu posso ter ele por um preço tão baixo". E aí ela compra, se diverte, gosta e aos poucos vai comprando mais, e mais, e quando menos percebe, já passa a ser algo normal do dia a dia.

No entanto uma coisa que consegue deixar muita gente frustrada é em como algumas desenvolvedoras foram além e começaram a cobrar mais caro pela mídia digital. Essa é uma coisa que a princípio parece não ter lógica alguma. E em uma entrevista com investidores, a Ubisoft foi questionada sobre o tema e a resposta foi interessante, o CEO Yves Guillemot fez a seguinte declaração:

"Os jogos digitais nos consoles não são vendidos tão rapidamente quanto no PC. O que podemos dizer é que um ano depois do lançamento, os jogos digitais ficam mais dinâmicos nos consoles porque existem menos unidades nas lojas. É um novo negócio e uma nova tendência.Queremos esvaziar os estoques nas lojas antes de baixar o preço digital."

O que tem uma baita lógica, antigamente as empresas vendiam apenas formato físico de jogos, então se o título fosse um desastre, todas aquelas cópias que já foram pagas para serem fabricadas vão apenas dar um prejuízo. Quem não lembra da lenda dos cartuchos enterrados de ET? Que no final das contas eram mesmo reais? Mas hoje as desenvolvedoras não querem mais tomar esse prejuízo não, e vendendo rapidamente as cópias físicas, sabendo que as digitais serão vendidas eternamente, a coisa é bem diferente.

É preciso levar em consideração também que no caso do PC, existem jogos físicos sem DRM, ou seja, você compra e não o "registra" em sua conta, ficando apenas com o disco que você vai ter que por no PC toda vez que for instalar e se ele quebrar, riscar ou o que for, já era... Isso também faz com que empresas não precisem pagar uma porcentagem para o sistema de DRM, deixando assim a coisa mais barata e menos atraente, portanto precisa vender logo.

Então é isso, em geral, com o passar do tempo nós ficamos menos apegados à tranqueira, antes existia um certo medo de se perder os itens, pois eles não são reais, são digitais. Mas a internet é algo constante, ao invés de você ter uma estante cheia de caixas enfeitando ela, você tem o seu smartphone e pode acessar sua biblioteca inteira de livros, músicas e jogos em qualquer lugar. Você vai a casa do seu amigo, faz login em sua conta e tem todos os seus jogos disponíveis, não existe a preocupação de carregar coisas, você não precisa mais de uma mochila, só precisa lembrar de sua senha, e por isso a grande valorização de conteúdo digital.


2 comentários:

Alex B disse...

Me mudei dos jogos físicos para os digitais por causa do preço, mas, comprei tanto jogo que não consigo jogar :c

Toni Marinho disse...

Fiquei compulsivo por midias digitais. Depois que vc compra a 1 vez e ver aquela biblioteca sendo montada quer comprar a 2, a 3.
Vc abre a tela principal e todos os seus jogos querendo ou não estão lá.