Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

segunda-feira, 13 de abril de 2015

O dilema dos 4 episódios vazados de Game of Thrones

Antes de tudo, quero deixar claro que embora eu esteja usando Game of Thrones como exemplo aqui nessa matéria, ela não é apenas sobre esse seriado, mas sim sobre coisas em geral que amamos e que acabamos tendo um pensamento distorcido sobre o assunto, portanto é mais uma matéria abordando um pensamento um pouco mais amplo sobre pirataria.

Quando a série Game of Thrones estreou em 2011, não demorou muito para se tornar uma série extremamente aclamada, isso por dois fatores, primeiro pela trama muito bem trabalhada, cheia de surpresas e apesar de medieval, com foco no público adulto, incluindo tabus da sociedade e mortes que fogem completamente do clichê de heróis imortais. O segundo motivo foi ser um seriado de alto nível, a HBO realmente não quis economizar e fez algo absurdamente caro. Nos anos seguintes os fãs só aumentavam e os recordes de audiência não paravam de acontecer, mas em 2015, na quinta temporada, a empresa teve uma surpresa com os quatro primeiros episódios vazarem na internet.

É notável que a emissora fez um baita de um esforço para conseguir lucrar o máximo que podia em cima dos episódios caríssimos e assim ter retorno, por exemplo ela fez algo que poucos anos antes não era nada comum, que foi passar simultaneamente em 170 países ao mesmo tempo, isso já dublado em cada um e tudo mais. É um baita investimento pra fazer uma coisa dessas, mas isso é para se lucrar bastante.

Antes da quinta temporada os fãs estavam loucos, todo mundo falando sobre, era possível ver pessoas fazendo contagem regressiva e lançando em redes sociais, o falatório era constante, todo mundo sabia que a audiência ia ser absurda e estavam empolgados, mas... Imagina o que os responsáveis pela parte financeira não devem ter sentido quando um dia antes da estreia quatro episódios vazaram na internet?

É claro que isso causou os mais variados tipos de reações, uma sensação estranha que dominou muitos, afinal de contas você se roía esperando uma semana para mais um episódio e de repente aparecem quatro de uma só vez para ver seguidamente? Alguns ficaram com peso na consciência e decidiram esperar, outros preferiram ver tudo de uma vez e ficaram tirando sarro da "empresa maldita e capitalista", mas será que as pessoas se deram tão bem assim?

É preciso se pensar um pouco além, a pirataria existe e todo mundo sabe disso, ela existe em qualquer tipo de mídia, não poderia ser diferente com seriados, mas isso que aconteceu com a HBO é algo para se pensar. Ao contrário do que alguns pensam, a emissora não odeia a pirataria, ela mesma já declarou que considera a pirataria de Game of Thrones um elogio, por outro lado, o fato de ela não odiar, não quer dizer que não precise lucrar.

Quero deixar claro novamente que essa matéria não é sobre Game of Thrones em especial, mas sim uma visão geral e estou usando como exemplo esse seriado porque é um baita de um bom exemplo de algo caro e que sofreu devido a pirataria. E não, eu não sou contra a pirataria também, mas o que estou querendo dizer é, vamos supor que você apenas veja séries baixando na internet, mas você já parou para pensar que existem pessoas que não assistem pela internet? E que essas pessoas são quem gera retorno para um seriado? E que também são essas mesmas pessoas que no meio da curiosidade e desespero pra assistir podem decidir ir até a internet e baixar uma cópia pirata? E que graças a isso, elas não se sintam mais tão empolgadas assim ou talvez nada empolgadas para ver de novo?

Pois é pessoal... É preciso se observar as coisas de maneira mais extensa, quando uma empresa investe muito dinheiro em algo, ela sabe que existe pirataria daquilo e acredite ela está preparada para isso, mas quando o público que daria o retorno é afetado de forma extensa, a coisa realmente complica, é preciso de dinheiro para fazer novas temporadas de um seriado, e por mais que se ache que não, isso tem consequências, mesmo uma empresa sendo rica, ela tem que se cuidar. A própria HBO já fez isso com algumas séries dela, por exemplo True Blood sempre teve 12 episódios, de repente na sexta e sétima temporada teve que cortar para 10 episódios para economizar orçamento. Especialmente quando a empresa espera um certo dinheiro que sabe que vai receber e de repente não recebe, as coisas ficam complicadas.

Enfim, não estou falando que ninguém deva piratear e que devemos fazer uma caminhada da paz e que o mundo precisa ser perfeito, mas sim que se possível, é bom dar um apoio quando se ama algo, portanto se certa coisa que você realmente gosta for pirateada e você ainda assim poder conferir a versão original e recompensar a empresa por ter feito algo que você adorou, faça, pois você não vai estar sendo um otário, mas sim fazendo um investimento em receber mais daquilo, não tire tanto sarro, se preocupe, pense um pouco sobre o assunto.

2 comentários:

Agelus disse...

Pensei a mesma coisa quando soube dessa historia. É tenso, essa é uma série que geralmente termina em um momento que te deixa louco pra assistir o próximo episodio, então a tentação é grande.

Agora provavelmente serão 4 semanas que a audiência deve ser mais baixa que o normal pra uma série que com certeza merece todo o sucesso que tem e com certeza merece ter o seu retorno financeiro u.u

Carvaignac disse...

Concordo com a sua posição e particularmente a HBO é uma das empresas que mais merecem lucrar com o que produzem. Pois é uma empresa que verdadeiramente se preocupa com o conteúdo e o consumidor. O que fizeram com GOT foi extremamente ousado e não consigo pensar em outra emissora ou estúdio que acreditassem em um projeto desses. Talvez a Netflix.

Nos games eu vejo a Valve como um exemplo de quem se preocupa com conteúdo e os consumidores e a EA como a típica caça-níqueis que pensam no lucro sem levar em conta qualidade.

Mas falando específicamente sobre a pirataria, acho que ela se impõe inevitavelmente à indústria como no começo do século 20 se impôs o rádio. Que também sofreu críticas e todos o viram como uma ameaça aos produtores de conteúdo e no fim, acabou contribuindo para o crescimento. A pirataria é algo que veio para ficar e que a indústria vai ter que aprender a conviver com ela. E um fato importante, desde que ela seja "sem fins lucrativos", eu sou a favor. Imagine alguém que só tenha os canais abertos em casa e não tenha internet, teria que esperar a Globo, SBT ou Record comprar a séria, dublar porcamente e se contentar com todos os cortes que a série teria.

Eu vejo a pirataria como um movimento legítimo para garantir o acesso ao conteúdo a quem não pode pagar. Eu tenho internet e tv a cabo em casa, inclusive HBO, e por mais que seja uma realidade em cada vez mais lares, ainda é uma minoria que tem acesso a isso no Brasil. Mas casos como esses episódios vazados são lamentáveis e eu não aprovo. Sou a favor da pirataria, mas não em todas as circunstâncias em que ela ocorra. Nenhum direito é absoluto.