Nitro Kid | Roguelite nos anos 80 com ambientação psicodélica

Uma forte tendência aos anos 80 se formou com o passar dos anos, e jogos psicodélicos passaram a aparecer aos montes, apresentando um verdadeiro universo próprio que se passa naquela década, em boa parte das vezes com cores extremamente estouradas e música retrofuturística que acaba gerando facilmente uma atmosfera bem própria, e assim foi com Nitro Kid.

A história apresenta uma mega corporação criminosa que sequestra crianças com poderes paranormais para poder fazer experimentos nelas. Por outro lado, mercenários são contratados por uma organização que assume os mais variados tipos de missões e que passou a investigar o caso, analisando as situações e enviando seus soldados mais bem treinados para invadir, descobrir mais sobre e resgatar as crianças.
Esse jogo facilmente acaba chamando a atenção pela sua temática, mas também pelo visual bonito em sua simplicidade, apresentando uma mecânica de jogo de estratégia em turno, colocando aquela tão popular câmera isométrica que jogos do gênero costumam usar aos montes, por ser muito adequada. E claro, o visual rosa dá o toque final de charme para se destacar.
E a jogabilidade é exatamente no estilo em turnos onde você escolhe suas ações, porém apresenta algo rápido, com fases realmente direto ao ponto e pequenas. Não é daqueles jogos que têm um gigantesco mapa pra você explorar, tipo Mutant Year Zero: Road to Eden. Aqui a experiência é compacta e você vê todo o mapa de uma vez na tela.
O objetivo é simples, mate todos os inimigos que estiverem ali e você poderá passar para o próximo lugar. Cada um desses mapas é uma das salas do gigantesco arranha-céu que você está invadindo. Existem vários quadrados no chão pra você se movimentar e os pontos de ação que você pode usar no seu turno para se movimentar, atacar ou usar alguma habilidade.
 
Apesar de tudo, existe todo o sisteminha estratégico presente, como por exemplo a presença de objetos em que você pode se esconder atrás e assim evitar tomar dano, sendo que esses objetos podem ser quebrados, assim como itens no cenário tipo barris explosivos que você pode atirar e dar ataque em quem estiver ao redor e assim vai.
No entanto, assim como o cenário é pequeno, a jogabilidade também é um tanto compacta. Jogos como Shadowrun: Hong Kong te fazem viajar nas possibilidades, com uma movimentação constante. Mas aqui, você se movimenta muito pouco, sendo que a maioria das ações vão ser focadas nos ataques a inimigos.

As ações são baseadas em uma mecânica de construção de baralho em que você coloca coisas como atirar, chutar, andar, recuperar escudos, recarregar armas e assim vai. Você monta esse baralho com o que achar melhor, podendo destravar novas cartas, seja comprando ou ganhando elas. Da mesma maneira é possível evoluir para terem efeitos superiores.
Trata-se de um jogo do gênero roguelite, e isso foi uma surpresa pra mim, mas dá um grande charme, porém naturalmente não é pra todo mundo. Você vai ganhando alguns itens que dão certas vantagens, mas se morrer, perde tudo! Por outro lado, ganha nível e vai destravando novas cartas na medida em que você vai repetindo.

Apesar de grande parte do marketing do jogo ser focada exclusivamente no personagem L33, são três personagens, cada um com seu deck próprio e jogabilidade própria. Todos com cara de bootleg, pois cada um parece ser apenas desenhos de figuras conhecidas, mas com nomes próprios L33 (Bruce Lee?), J4X (Mike Tyson?) e K31 (Sarah Connor?).
Graficamente o jogo tem um estilo 2D à moda antiga e com uma paleta de cores propositalmente estouradas, tendo grande concentração de tons no estilo roxo, rosa, etc... Além disso, apesar de ser os anos 80, conta com a forte presença de elementos futurísticos, sendo assim é aquele tipo de cosia que soa retrofuturística.

Enfim, Nitro Kid é um jogo desafiador e muito atmosférico. Pode ser um ótimo passatempo, mas tem o seu público certo, podendo criar frustração naqueles que não estão dispostos a morrer em um jogo. Caso queira comprar jogos baratinhos, recomendo sempre dar uma olhadinha no preços das keys da Steam (e outras lojas) è venda na GMG antes de comprar na Steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e comprando keys lá, você acumula XP, que gera várias vantagens como descontos extras nas próximas compras e até jogos grátis! Dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários