Sonic nunca mais deve beijar humanos na boca em nenhum jogo

Enquanto crescemos assistindo filmes de contos de fada da Disney em que era normal o típico beijo encantado do príncipe na princesa, os tempos mudaram e as coisas começaram a ficar um pouco mais polêmicas. Isso passou a ser visto como um homem beijando uma mulher desacordada, e novas tretas surgiram, como o beijo gay em Lightyer que fez o filme ser banido em 14 países, mas a coisa foi bem além de beijos humanos, e a própria boquinha do Sonic se tornou polêmica.

A arte evolui, o mundo muda e novas fórmulas são testadas. Algumas dão muito certo e revolucionam o mundo, outras se mostram verdadeiros fracassos. Além disso a própria época gera frutos que em outros tempos a reação seria bem diferente.É só ver o poema racista de H.P. Lovecraft, que embora seja idolatrado por ter criado o horror cósmico, se isso fosse lançado hoje, a carreira dele acabaria imediatamente.
E claro, no mundo dos videogames não poderia ser diferente, portanto tivemos coisas como o bizarro Custer's Revenge, que foi lançado oficialmente para Atari e era um simulador que hoje em dia nunca sairia em uma plataforma que quer manter a reputação. Mas existe um meio termo que apenas deixa uma pulga atrás da orelha e esse foi o caso de Sonic the Hedgehog 2006, de Xbox 360 e Playstation 3, que deixava algo meio subentendido...
Isso porque em uma cena nós vemos algo que muito provavelmente a ideia original era dar uma atmosfera de contos de fadas, com a tradicional cena do beijo. Mas usando a coisa de uma forma um pouco mais revolucionária, em que não é o príncipe que vem salvar a princesa com o poder do amor, mas sim o contrário, a Princesa Elise vai salvar o Sonic. Mas só tinha um detalhe peculiar, Elise é humana.
A cena resultou em algo que variou entre pensamentos. Enquanto alguns viram da forma mais suave possível, outros logo começaram a pensar que se nesse universo, humanos beijam ouriços na boca, até que ponto uma relação pode ir? Essa ideia obviamente gerou falatório e para muitos é considerado um dos mais bizarros momentos dos videogames.

E para mostrar o quanto a coisa deu o que falar, o próprio Takashi Iizuka, diretor da Sonic Team, se manifestou sobre o que aconteceu ali, dizendo: "Eu não acho que faremos isso de novo". O próprio desenvolvedor fez parte da equipe que criou o jogo na época, mas pelo jeito ele mesmo no fim das contas não achou essa uma das melhores ideias.
É claro que existe a subcultura furry fandom, que é especializada exatamente em desenhar animais com características antropomórficas, e para esse universo é ok. Vemos inclusive obras bem sérias com essa temática, como é o caso de Unlucky Seven. O problema é que grande parte dessa subcultura são obras em que são apenas animais, sem humanos. Isso sem contar com a associação a coisas que não param apenas nos beijos...

Enfim... A própria Sega parece no fim das contas ter achado melhor parar por ali, já que ela não repetiu desde então. E muitos fãs nem sequer sabiam sobre esse acontecimento, mas vez ou outra acaba surgindo o vídeo por aí e sempre causando aquela surpresa em muitas pessoas. E vocês, o que acham disso?

Postar um comentário

0 Comentários