Aragami 2 | Seja um ninja nesse jogo coop atmosférico

Eu cheguei a comprar o primeiro Aragami para jogar com um amigo, no entanto ele não teve tanta paciência e quis pedir reembolso, mas assumo que não dei a chance que ele merecia. Agora os trailers do segundo me encantaram e quis mesmo experimentar. Para quem curte mitologia japonesa e ambientes Samurai e Ninja, certamente vai gostar de imediato desse aqui!

Você assume o controle de um dos últimos de seu povo, os Aragami, guerreiros capazes de controlar uma habilidade chamada Umbressência, que lhes permite manipular as sombras. No entanto um grande mal corrompe o mundo e devora a mente das pessoas. É preciso investigar a origem e evitar o fim definitivo de seu vilarejo.
Esse é um jogo que achei apaixonante em sua simplicidade cooperativa. Ele realmente não tem nada de muito impressionante ou alguma mecânica inovadora, no entanto é simplesmente tão gostoso controlar o personagem e ter uma liberdade incrível na movimentação. Poder invadir lugares com os amigos e fazer assassinatos em conjunto ou planejar o que fazer depois é uma delícia!
 
Apesar de ser possível jogar sozinho, realmente acho que boa parte da diversão está no cooperativo para até três pessoas. Apesar de tudo existe seu charme na jogabilidade solitária, onde o jogo fica muito mais difícil e é preciso ser bem cauteloso, enquanto no co-op é uma delícia poder combinar com os amigos um assassinato em conjunto.
O jogo é dividido em duas partes, a parte no vilarejo onde é possível conhecer personagens, ter informações sobre a história e personalizar o personagem, seja fabricando itens vestíveis, seja comprando utilizáveis. Já a segunda parte é nas missões em que vocês são enviados para fazerem variados tipos de coisas, depende do contrato.

Como disse, ele não é inovador, me lembrou outras obras como Shadow Warrior 2 e Absolver, ambos jogos cooperativos com temática ninja. Apesar de tudo, ter uma opção a mais e com seu estilo próprio é algo agradável, ainda mais levando em consideração que os desenvolvedores não viajaram e decidiram colocar um preço surreal.
O vilarejo é um pequeno ambiente, porém cheio de detalhes e extremamente atmosférico com aquela sensação de ambiente oriental. Fizeram algo realmente bonito e como se espera de algo do tipo. Uma das críticas que fiz em cima de Wonhon: A Vengeful Spirit era a falta de detalhes na ambientação e esse aqui mostra bem como é que se deve ser a coisa.

Enquanto vaga, você pode pegar contratos, mas também pode ir até uma lojinha e usar o dinheiro que conseguiu durante as missões. É possível fabricar armas e armaduras para dar uma diferenciada de você para seus amigos, mas também é possível adicionar novos itens ao inventário para utilizar em missões. Tipo bombas de fumaça e estrelas pra atacar de longe.
Outra coisa também disponível no vilarejo são as habilidades ninjas que você vai destravando em uma árvore de talentos que pode ser acessada no dojo do lugar. Você ganha pontos enquanto faz missões e pode trocar esses pontos por novas habilidades que vão te ajudar bastante nas missões. São coisas como ficar invisível se ficar parado encostado em um lugar ou recuperar energia mais rápido em determinadas situações.

Durante as missões são dados objetivos básicos como investigar um lugar, conseguir informações de algum contato, assassinar alguém, sequestrar alguém e etc. Apesar das variações, a sensação é de algo muito simples, já que se resume bastante até chegar ao ponto onde a coisa deve acontecer e então fazer para depois fugir.
Sendo assim, a emoção da cosia está mais em atravessar o ambiente cheio de inimigos. Você escolhe se deve atravessar no stealth, se acha melhor sair por aí de forma descontrolada com combates diretos que dá pra notar bem que rolou uma certa inspiração em Sekiro: Shadows Die Twice, ou se acha melhor uma mistura entre os dois.

A princípio o jogo é bastante fácil, isso porque o personagem é apelonamente poderoso. Na furtividade você pode matar todo mundo com um ataque apenas. Basta o inimigo ficar perto o suficiente e você apertar o botão de ataque. Já o combate direto precisa de um pouco mais de técnica, com mecânicas de defender na hora exata do ataque, desviar e observar a estamina para não ficar incapacitado.
No entanto essa facilidade acaba fazendo facilmente você começar a ficar desleixado e o jogo logo se mostra desafiador exatamente por vacilos. Cair em locais lotados de inimigos ou se apressar para tentar matar alguém logo pode ser o tipo de coisa que te levará à morte de maneira fácil. Duas mortes e é fim de missão. Isso serve para qualquer um no coop. Então se seu amigo vacilar, você paga pela coisa.
 
As mecânicas de teletransporte para beiradas, se esconder abaixado em  moitinhas e saltos para assassinatos no ar são uma delícia. Dão uma sensação de liberdade enorme e achei muito legal o fato de que os inimigos são extremamente rápidos e dá aquela agonia deles te verem e você sentir o infeliz no teu cangote te pegando por pouco.
 
Por outro lado dá pra notar o quanto algumas mecânicas são gambiarras, como ficar pendurado em um canto e você apertar o botão de assassinato. O inimigo desliza pro lado do seu personagem pra poder encaixar na animação, o negócio é bem tosco. Não estraga a jogabilidade, mas dá pra notar essas pequenas faltas de polidez.

 
Enfim, Aragami 2 é um jogo cooperativo bem gostosinho, apesar de tudo muito simples. Sendo assim é aquele tipo de jogo que você não deve esperar tanto, mas é capaz de oferecer um bom tempo de entretenimento. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na loja direta, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários