The Church in the Darkness | Invadindo uma vila de fanáticos religiosos

Você já deve ter visto diversos casos relacionados a estranhas seitas religiosas, algumas mais sombrias como a Igreja de Satanás, porém muitas são de seguidores de Cristo, e uma que se destacou foi a Templo do Povo, que chocou o mundo nos anos 70, quando 918 pessoas cometeram suicídio juntas lideradas pelo pastor Jim Jones. E The Church in the Darkness é um ousado jogo que explora algo claramente referente a isso.


A história se passa em 1977, quando a mãe de um garoto chamado Alex começa a se desesperar por não ter notícias do filho, que se juntou a uma seita religiosa. Essa seita decidiu se mudar dos Estados Unidos para o meio da selva em algum lugar da América do Sul, onde se sentiram salvos das forças americanas, porém paranoicos com uma invasão. O garoto é seu sobrinho e você é enviado para descobrir o que está acontecendo e tentar resgatá-lo.

Muito provavelmente a ambientação desse jogo faz referência ao fato de que Jim Jones veio ao Brasil para tentar abrir sua igreja em Belo Horizonte, que era um lugar considerado seguro do "Apocalipse Nuclear" que era uma constante ameaça na Era do Populuxe. A diferença é que aqui, a seita resolveu se isolar de vez e fez algo no meio da selva.

Assumo que quando fui jogar, esperava outra coisa. Pensei que era um jogo com foco no dia a dia de uma irmandade religiosa do mal ou algo assim. Mas o que temos aqui é um jogo do gênero stealth, com elementos de roguelike. E a coisa tem um imenso fator rejogabilidade, não sendo um jogo imenso, mas algo pra você zerar rápido e ter uma experiência diferente depois.

Então você inicia escolhendo seu gênero e cor de pele, escolhe os itens iniciais e então entra no jogo, onde é colocado em um dos pontos de extração que é aleatório. A partir de então você escolhe a forma de jogar e descobre o que está acontecendo. Os dois pastores, Rebecca e Isaac tem personalidades geradas aleatoriamente.

Sendo assim, você não sabe o que encontrar e como Alex está lidando com isso, talvez você encontre um lugar horrível, com dois fanáticos insanos mantendo parte da comunidade como refém, os controlando com armas e prontos para executar traidores, ou... Talvez você encontre um grupo de pessoas apavorada com os horrores do capitalismo e que apenas quis se isolar e tentar levar a vida em paz.

A sua forma de jogar também pode ser diferente, é possível chegar como o Rambo, coletar itens, sentar a bala em quem aparecer e deixar um verdadeiro rastro de sangue. Ou você pode preferir bancar o ninja e ninguém nem ao menos saber que você um dia esteve ali. As mensagens em alto-falantes vão mudando dependendo das suas atitudes.

Você vai entrando em casas e coletando itens, podem ser usáveis como comprimidos para recuperar vida, armas, balas, ou itens para serem usados no cenário, como um disfarce para poder passar entre os aldeões ou um item para quebrar os alarmes e assim evitar que o alerta vermelho seja ativado quando acharem um corpo.

Em meio a itens encontrados, você pode acabar também achando informações sobre Alex, ou conversar com pessoas. Dependendo das suas ações elas podem ter atitudes diferentes, podem ser pessoas com medo de você e que entram em desespero, ou quem sabe pessoas dispostas a falar tranquilamente. É possível também escolher entre matar ou desmaiar os personagens em golpes por trás.

Enfim, The Church in the Darkness é um jogo simpático, simples demais, porém algo legal para se passar o tempo. No começo achei muito difícil, mas é aquela obra que você tem que aprender a lidar com as situações. Cada vez que você zera, novos itens são adicionados pra melhorar a próxima jogatina. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, às vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Postar um comentário

0 Comentários