ArmA 3 Contact | Um simulador realista de invasão alienígena

Quando se pensa em invasão alienígena, é extremamente comum já relacionar a coisa a muita ação e explosões, ET's correndo com metralhadoras lasers e humanos do outro lado. Isso fica ainda mais evidente em jogos. No entanto se realmente aparecesse uma nave imensa no horizonte, como seria? O governo já mandaria um caça tacar uns mísseis? Essa expansão de ArmA 3 mostra a coisa de um jeito muito mais elegante.


A história se passa em uma região militarizada da Livônia, onde treinos são feitos pelo exército. Você assume o controle de um novo recruta que está conhecendo o lugar e aprendendo a viver em meio à hostilidade. No entanto durante o treino, uma situação real acontece. No céu surge uma gigantesca nave que não parece ter sido feita por mãos humanas.

Uma coisa que notei nas análises descendo o pau nessa expansão, é que boa parte é esculachando o fato de que queriam um tiroteio no estilo filme de Hollywood, aliens correndo pra toda parte, lasers, coisas nojentas acontecendo sem parar, etc. No entanto a proposta aqui é muito mais ousada do que isso. Se for comparar com filmes, está muito mais próximo de A Chegada do que Cowboys & Aliens.

Eu achei super curioso isso porque é bem fora da fórmula que se espera mesmo. Mas não me decepcionei, ao invés disso gostei muito mais. Inclusive um dos meus maiores lamentos é ter sentido cinetose durante o jogo. Isso porque é um baita de um ambiente com foco em narrativa e mistério. Aquela sensação de que tem algo se escondendo na floresta.

Sério, os caras escreveram a coisa de maneira linda. Os eventos não param de acontecer, e a atmosfera é bastante imersiva. Você passa por cenas como presenciar de forma grandiosa e repentina a chegada da nave passando enorme por cima de você, ou momentos tensos, como um grupo de militares reunidos apontando uma luz intensa em uma área com árvores e tentando contato.

Quando os aliens chegam, o exército não pega as armas imediatamente e sai dando tiro pra todo lado. As coisas acontecem em parte, tem o caos inicial com destruição e feridos, tem os eventos bizarros acontecendo em certos pontos, como objetos parados no ar, tem a reunião com superiores e as ordens que você recebe.

E aí a coisa vai ficando cada vez mais intensa, e sim, tem tiroteio, mas o negócio é de um jeito meio diferente. Você luta contra humanos e o contato com os aliens é algo um tanto mais misterioso. Você não fica vendo o tempo todo eles. É mais para a sensação de que há algo em certos pontos e quando você se aproxima o suficiente, começa a notar.

Há alguns equipamentos como um robô de exploração que você assume o controle para ir analisar certas coisas às vezes de forma segura, e também há um item que você consegue captar certas frequências e usa para interagir com alienígenas. O jogo é em um imenso mundo aberto, então existe uma bela área para explorar.

É bem bacana essa sensação de "Vá até uma região", e você ir e de repente se ver reunido a um outro grupo. Aquele mistério constante de fazer contato e do nada as coisas darem muito errado. Acho que a ideia de não ver os aliens como monstrões feiosos tentando te matar é um dos elementos ousados que muitos odeiam, mas que acho que mantém o suspense no nível de realismo que seria inevitável para essa proposta.

Uma coisa que me preocupei foi sobre como me adaptaria à coisa. Fazia muito tempo que eu não jogava ArmA 3, porém eu sabia que era o tipo de jogo que você não apenas jogava e zerava. Você tem que se dedicar, ver vídeos, entender táticas. É aquele tipo de obra com uma experiência verdadeiramente sandbox e quantidade surreal de possibilidades. 

Além de um controle meio chatinho de se aprender por ter comando pra tudo, porém capaz de gerar fãs completamente apaixonados por junto a essa complexidade, ter a satisfação de fazer coisas com maior precisão. No entanto lembrando desses controles, fiquei meio temeroso de não conseguir jogar Contact direito.

Pra minha surpresa foi algo bem tranquilo, a única coisa que me deixou preso foi usar o binóculo, em que você não segura o botão do mouse, você dá um clique. Mas de resto deu para pegar bem a coisa sem grandes problemas. E tenho certeza que para aqueles que não sabem nada de ArmA vão conseguir também jogar tranquilamente.

Infelizmente a coisa não é mil maravilhas, pra começar o gráfico é ultrapassado, mas isso até que é perdoável, já que é de 2013 né? (Não, os gráficos não são bonitos iguais a dessas imagens) Agora algo que não dá pra perdoar muito, é que junto com a complexidade de ArmA, veio uma quantidade imensa de bugs no jogo original, e em Contact, lançado seis anos depois, o kit de bugs também foi imenso.

Enfim, bacana demais a coisa, com certeza vai agradar os que curtem narrativa, e sim, tem ação, tiroteio e explosões, porém é muito mais ligado a decisões militares do que batalha interplanetária. Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários