Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

terça-feira, 21 de março de 2017

Styx: Shards of Darkness - Um Stealth Coop Medieval

Hora de falar sobre um jogo com um charme old school bem peculiar e que certamente é capaz de agradar aqueles fãs do gênero stealth que procuravam por uma experiência hardcore. Além disso adiciona um elemento especial que certamente atrai pra caramba, a possibilidade de jogar em modo cooperativo durante toda a campanha!

A história se passa em um universo de fantasia medieval onde você assume o controle de Styx, um Goblin especializado em se infiltrar em lugares, roubar e assassinar. Para isso usa seu talento nato para se movimentar nas trevas e enganar. Ele é caçado por uma ordem de cavaleiros, mas acaba sendo surpreendido quando decidem contratá-lo para um serviço nada usual.

Uma coisa curiosa é que esse jogo ganhou uma popularidade um bocado forte e graças ao seu subtítulo fez com que muitos pensassem que esse era o primeiro jogo da franquia. A verdade é que ele é o segundo, o primeiro foi Styx: Masters of Shadows. E pode inclusive ser contado como trilogia se você considerar que no jogo Of Orcs and Men o jogador assume o controle de dois personagens, sendo um deles Styx.

Aqui temos uma experiência sólida bem bacana, ambientes medievais que funcionarão como seu playground, porém não é nada fácil. Esse é o tipo de jogo que desafia de verdade e inclusive em muitas vezes a sensação é de que não tem saída e a situação é fechada demais para que não te vejam. Porém para cada situação não existe apenas uma solução, mas sim múltiplas, então é o tipo de obra que causa uma imensa satisfação quando você finalmente percebe a brecha.

Styx tem diversas habilidades, algumas presentes desde o início, outras vão sendo destravadas com o passar do tempo e também podem ser melhoradas. Você pode fazer coisas como envenenar comida, ficar invisível e criar um clone para distrair os inimigos, levando-os para outro lugar para deixar um caminho livre.

Existem também as bugigangas como itens quebráveis que podem ser arremessados para distrair e flechas que matam inimigos à distância. Você pode criar esses itens, mas precisa coletar material por aí. Existe um limite de espaço, sendo assim o jogo te incentiva a criar coisas ao invés de ficar acumulando por não saber se vale a pena.

No cenário também existem coisas que permitem que você interaja, por exemplo é possível colocar uma trava na corda do sino do alarme, ou mesmo você tocar o alarme para chamar a atenção dos guardas naquele lado, também é possível derrubar coisas, seja para matar inimigos, seja para fazê-los ficar tossindo com uma nuvem de poeira ou apenas para chamar a atenção.

O modo cooperativo do jogo depende um pouco de sorte, infelizmente é um tiro no escuro, se alguém estiver jogando naquele momento e com um clone criado, você pode assumir o controle dele. Só consegui jogar uma vez com um cara, foi na segunda tentativa, mas isso me fez perceber que não era tão simples. Você clica na opção coop, seleciona a dificuldade e região e o jogo procura. Se tiver você entra, se não tiver o jeito é ficar tentando.

Mas a experiência cooperativa em si foi bem bacana, vi alguns erros vez ou outra em momentos mais agitados, por exemplo saltando em uma corda e pronto para escalar ela, mas o personagem travado por uns três segundos. Porém no geral foi algo bem agradável, não existe algo para se comunicar, mas deu pra ver as intenções do outro jogador e seguir junto.

Acredito que se você tiver um amigo a experiência pode ser realmente bem fantástica. O co-op é o próprio modo campanha do jogo, não são missões especiais pra isso como alguns jogos costumam fazer. Então dá pra seguir com um amigo do começo ao fim, vendo as cutscenes e tudo mais, pode ser uma ótima experiência. Pra compensar a facilidade, quando um morre ele pode renascer pegando metade do que o outro tiver de vida.

O protagonista é engraçado pra caramba e ele tem diversas falas ao morrer, normalmente super impacientes como ele saindo de uma névoa e dizendo "Que tal nós fazermos assim, EU vou até aí e pego o controle, e VOCÊ vem até aqui e MORRE! DOLOROSAMENTE!", mas tem algumas mais amigáveis como quando ele sai com uma folha de papel, dizendo "Eu li o script! Aqui tá dizendo que uma hora nós vamos conseguir passar! É só questão de tempo!".

Mas mesmo dentro do jogo o personagem fala umas coisas bem hilárias, como no esconderijo dele, onde há várias opções de personalização e na mesa pra melhorar skills ele fala algo do tipo "Aqui é onde eu aperfeiçoo minhas habilidades pra ficar ainda mais fodão. E SIM! Isso é possível!". A amargura dele e jeito desbocado dão um charme à mais, falando coisas como "Pronto, aqui é onde a chuva de merda vai começar!".

Apesar dos gráficos do jogo não serem algo que se destacam, eles são bonitos, então é aquele tipo de obra que não se tem o que reclamar. Há um design bacana daquele tipo de ambiente de fantasia onde as construções são meio tortas, estilo alguns contos de fada da Disney, só que em uma versão obscura da coisa. E o visual dos personagens também é bem "ok".

Enfim, esse é um bom jogo é bacana, não é uma obra Triplo A, mas tem um charme próprio e pode proporcionar uma baita experiência cooperativa. Para amigos que estão procurando pra algo desafiador pode ser realmente divertido "brincar" nos ambientes. Vale a pena dar uma conferida no site da G2A pra ver o preço que está lá, pois eles costumam vender keys da steam por um valor bem mais barato que na própria steam e ainda aceitam boleto bancário. Dê uma conferida no preço que tá lá, clicando aqui


Nenhum comentário: