Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

domingo, 11 de dezembro de 2016

Gremlins - Vamos relembrar os monstrenguinhos de natal

Na matéria sobre o filme Krampus, citei que é uma obra que parece não se decidir e em diversos momentos acaba lembrando a essência de outras coisas, mas não consegue manter. Uma delas é Gremlins, quando vi aquele monte de brinquedo de natal dando sorrisinhos e saltando na cabeça do povo, foi difícil não pensar em Gremlins, e decidi que era hora de dar uma nova conferida nesse clássico produzido pelo Spielberg.

A história se passa no natal e mostra um inventor que está tentando vender seus produtos, e em busca de clientes acaba achando uma loja chinesa no porão de uma rua. Lá tem vários artigos a venda, mas algo lhe chama a atenção, um bichinho chamado de "Mogwai", que é extremamente fofinho. O velho dono do lugar se recusa a vendê-lo, mas seu neto diz que precisam de dinheiro e assim o vende escondido. Mas há três regras que devem ser seguidas, mantê-lo longe da luz forte, nunca molhá-lo e especialmente nunca alimentá-lo após a meia noite, ou algo terrível acontecerá.

Uma coisa curiosa é que Corey Feldman seria o garotinho do filme E.T. , no entanto Spielberg acabou chutando ele, porém ficou com remorso e garantiu que teria um papel em sua próxima obra, que foi Gremlins. Graças a isso eu pensei que Feldman teria um papel mais relevante, porém é um baita de um personagem inútil que não faria diferença estar ou não lá.

Eu assisti esse filme pela primeira vez esse filme quando era criança e minhas lembranças eram de algo bem terrível, um filme de terror mesmo. Eu lembrava das risadinhas e que os personagens eram sádicos, tendo um certo toque de humor graças a isso, mas ainda assim minha visão era de algo mais pesado, porém agora que vi de novo, notei que a coisa é bem diferente.

Esse filme era confuso até mesmo para o povo da época, por exemplo o ator que interpretou o protagonista disse que foi uma surpresa quando percebeu o que estava filmando, pois inicialmente imaginava que era um filme de terror no estilo Alien, mas com o passar do tempo acabou notando que aquilo era algo que mais parecia com um desenho animado.

A própria produção do filme parece ter sido bem indecisa, pois na primeira versão uma das coisas que acontecia eram os Gremlins devorarem o cachorro do protagonista e arrancarem a cabeça da mãe dele para depois lançarem pela escada. Mas desistiram dessas cenas. No fim das contas é um filme que não aparece uma gota de sangue sequer.

O próprio Gizmo (o Gremlin fofinho), também iria se transformar na ideia inicial e ficar feio pra cacete, mas Spielberg insistiu para manter ele. Depois dos vários cortes macabros o filme foi lançado como "Para a família" e desceram o cacete por ser macabro demais, isso fez com que Spielberg pedisse para que criassem um novo selo etário, e assim surgiu o PG-13.

A forma que usaram para dar vida aos Gremlins foram as mais variadas, indo desde simples marionetes até animações em Stop Motion (aquela mesma usada em animações com massinha de modelar). Mas uma das sugestões foi fantasiar macacos para dar realismo aos movimentos na hora das filmagens. Tinham cerca de 30 modelos do Gizmo e após cada filmagem todos os carros das equipes eram revistados pra ver se ninguém tava roubando nada, pois eram caros demais.

Não se sabe o que os Gremlins são exatamente, pelo visual parecem ser criaturas alienígenas, afinal de contas aquela transformação grotesca não é nada natural para um animal da terra. Por outro lado em cantonês, Mogwai (nome dado à raça dos Gremlins) significa demônio. Então pode ser que seja algo mais sobrenatural.

Enfim, reassistindo, percebi que não é um filme que me deixou apaixonado. A minha lembrança da infância em cima de Gremlins era de algo muito melhor e que pensei que me agradaria mais. Ainda assim é um clássico que deixou sua marca na história do cinema, portanto merece ser assistido. Quem se interessar pode conferir aqui.


Nenhum comentário: