Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

[Conto] Uma noite sem igual

Era uma noite de julho em Recife, 1999, chuvosa, como todas as noites de todos os meses de julho na região. Era uma da manhã, a maioria das pessoas estaria dormindo, mas não Anderson, ele estava no sofá, vegetando, pensando na vida, de olhos vermelhos, segurando um baseado entre os dedos da mão direita. Aos seus lados estavam dois amigos dele, igualmente chapados, mas ao invés de estarem pensando sobre a vida, a morte e o universo eles estavam jogando MK4 no PlayStation de Anderson.
- Cara, não pode...
- Como assim?
- Você joga mal demais! – E o seu amigo a esquerda começou a rir.
- Não sei jogar de Liu Kang...
- Você sabe jogar com ninguém!
Foi quando Anderson despertou a realidade, sendo a cordado pela voz do Shao Kahn dizendo “Finish Him!”.
- Com prazer Shao! – A maconha deixa seus reflexos mais lentos e confusos. O amigo a esquerda de Anderson tentou dar um fatality, mas errou feio, dando uma rasteira no lugar. – Afff mano! Isso não vale! Apertei os botões certinhos...
- Cale a boca e seja feliz você ganhou... – O amigo a direita de Anderson olhou para ele e disse: - Hey Anderson! Tua vez!
- Ah sim, certo...
Anderson pegou o controle e começou a jogar contra o amigo da esquerda, ele de Sub-Zero, seu favorito, e o amigo de Scorpion, de novo. Logo quando eles começaram a jogar o amigo a direita se levantou.
- Mano, o banheiro é aonde mesmo?
- Carlos. Você já veio aqui trocentas vezes... – Disse Anderson.
- Tá bom! Eu encontro sozinho... – E Carlos foi ao banheiro, mas voltou pouco tempo depois. – Véi. Um de vocês deu uma cagada boa lá no banheiro...
- Eu não usei.
- Usei faz tempo...
- Então foi tu mesmo Anderson...
- Faz tempo! E eu acho que desceu depois da descarga...
- Caras! Vocês não estão entendendo! Tá fedendo muito! Aquela porra parece que tá viva! Até olhou pra mim!
- Para de viagem Carlos... Você tá chapado!
- É sério! Vamô lá ver!
E então Anderson e o seu amigo da esquerda pausaram o jogo e lentamente se levantaram do sofá.
- Ah véi! Eu tava ganhando...
- Vamos! Esse babaca tá fazendo escândalo...
Os três foram juntos ao banheiro da casa de Anderson, ele e o seu amigo da esquerda se surpreenderam, estava realmente malcheiroso lá dentro, mas não um fedor de fezes, mas sim um fedor de podridão, algo semelhante a um cadáver em decomposição.
- Puta merda! Que fedor desgraçado! Algum de vocês tá morrendo é?! – Miguel disse, cobrindo o nariz com a camisa.
- Cala a boca Miguel! Olha pra o vaso!
 


Miguel apontou para o vaso e se surpreenderam ainda mais com o que viram. Havia olhos flutuando cerca de um metro acima do vaso, olhando para os três, presos apenas por pequenos e finos fios que pareciam serem feitos de pura carne viva, ligados a agua do vaso.
- Meu irmão... Que porra é essa? Carlos, que merda de maconha foi essa que você comprou?
- Eu cheguei já estava aqui! E o cara que me vendeu disse que era de boa qualidade!
- Essa porra tá olhando pra gente? – Disse Anderson, quase tremendo.
- Eu não sei quanto a vocês, mas eu vou dar uma fora daqui! – Miguel foi a porta, mas alguma força a fechou bem em frente aos seus olhos, ele avançou sobre a porta e a tentou abrir, sem sucesso, ele estavam presos. – Puta que pariu! A porta não quer abrir! – Os outros dois tentaram ajuda-lo, também sem sucesso.
- Que merda é essa, véi! Só pode ser um sonho! – Anderson esfregava as mãos nos olhos e dava tapas no seu rosto, mas de nada adiantava. Era tudo real.
- Ok, ok, ok, ok... Vamos nos acalmar!
- Acalmar como?! Tem a porra dum monstro no vaso e estamos presos com ele!
- Olha precisamos saber o que ele quer! - Nesse momento Carlos olhou para Anderson. – Pode ter alguma coisa haver com você...
- Como assim? Eu fiz nada!
- A casa é sua! Você deve saber o que acontece por aqui!
- Eu não sei cara, eu não entendo... Me deixa lavar o rosto... – Anderson foi até a pia para lavar o rosto. Ele abriu a torneira e o invés de agua, veio um fluxo de excrementos de detro da torneira, ele a fechou imediatamente. – O quê?!
- Que foi?
Tem merda saindo da torneira!
Miguel olhou para os seus amigos e então para o monstro, a criatura era horrenda, mal se podia olhar para ela por mais de alguns segundos, ele lentamente andou até a direção da criatura, suando frio.
- Gente. Vou falar com ele...
- Faz isso não! – Gritou Anderson. – Tu não sabe o que ele pode fazer!
Miguel chegou perto do monstro, e estendeu sua mão.
- Oi... Eu sou Miguel...
E então um tentáculo lentamente se levantou de dentro do vaso, Miguel pode fazer nada a não ser segurar o vômito que emergia pela sua garganta, os outros atrás de Miguel simplesmente desviavam o olhar, o tentáculo era basicamente feito de pura carne viva, pulsante e cabelos entrelaçados em uma mistura nojenta, o cheiro de podridão se intensificou a ainda mais, a torneira e o chuveiro ligaram sozinhos, expelindo excrementos de seus orifícios. Miguel desistiu de fazer contato, correndo para a porta e batendo suas mãos e pés nela.
- Grande plano esse o seu! – Disse Carlos, sarcasticamente.
- Cala a boca, pelo menos fiz algo! Sua bicha!
- Cacete! Vai todo mundo morrer aqui! – Disse Anderson desesperado.
- Cala essa boca! Eu tô tentando pensar! – Miguel se sentou recostado na parede, como deter essa criatura, esse monstro que ele não compreendia? Que nenhum deles sabia o que era. Carlos estava tentando fechar a torneira e ao mesmo tempo não se melar, os excrementos já transbordavam a pia, Anderson estava esmurrando a porta tentando quebra-la. Foi quando mais tentáculos surgiram, cada um mais nojento que o outro, eles se dirigiam ao chão, e com força, erguiam o corpo da criatura de dento do vaso.
- Putaquemepariu! – Gritou Carlos, apontando para a criatura. – Essa porra vai matar a gente!
A coisa finalmente se levantou do vaso, era horrível, uma espécie de polvo feita com partes de outros seres, órgãos a amostra, pulsando dejetos e sangue por seus orifícios e veias expostas, intestinos a amostra, mostrando a nojenta digestão da besta, exalando o cheiro da própria morte. Anderson não aguentou, ele desmaiou no chão, ele estava tendo um ataque epiléptico, seus olhos reviravam-se violentamente quanto sua boca produzia saliva aos montes, seus amigos, ao invés de ajuda-lo, só conseguiam ficar pasmos, enojados com a criatura, ambos vomitaram no chão só de olhar o ser e sentir o seu cheiro. A criatura tinha um bico, que parecia ser feito de ossos quebrados, que foram juntados, seus olhos estavam vermelhos como neon agora, e ao invés de estarem flutuando pareciam que iriam se depreender dos finos fios que os seguravam a qualquer momento.
Ele se movia lentamente até os protagonistas, rastejando, até que ele parou, Carlos e Miguel não conseguiam olhar, tapavam a visão com suas mãos e cobriam os narizes com suas camisas para resistir o cheiro. O encanamento do banheiro começou a explodir, excrementos e mais excrementos saiam dos canos de dentro do cômodo, atingindo os protagonistas, a esta altura Anderson haviam morrido, engasgado com a própria saliva, ele só estava parado no chão, olhos brancos como algodão, a pele arroxeada pela falta de ar e nenhum suspiro de vida no corpo. Carlos batia sua cabeça contra a parede, repetidas vezes e com força.
- Essa porra não vai me matar! Essa porra não vai me matar! Essa porra não vai me matar! Essa porra não vai me matar! Essa porra não vai me matar! ...
Miguel estava paralisado, não sabia o que fazer, não conseguia olhar o amigo mutilar o próprio crânio e nem para a criatura. Foi quando ele teve uma simples ideia.
- Se não posso olhar... – Ele então enfiou os dedos entre os seus olhos e os arrancou. – Então pra que olhos? – Ele começou a rir, o seu próprio sangue entrava pela boca enquanto ele ria maniacamente, sua mente havia sido distorcida pela criatura. Mas lentamente o riso virou choro, ele se recostou na parede e escorregou até o chão, completamente coberto de detritos. Os tentáculos da criatura tocaram sua perna, e o cheiro se intensificou, ele sabia, estava face a face com ela, ele não tinha mais forças, só lhe restou uma coisa a fazer.
- Quem... o que é você?
A criatura a abriu o seu bico e disse, com uma voz rouca e calma, mas com um tom de deboche.
- Sua patética mente humana não conseguiria compreender, apenas me chame de Ose... – Foi quando a criatura deu um berro, um gritou, tão estridente e tão grave que fez a casa inteira tremer, chão, paredes, tudo tremeu, ela então se transformou em algo pastoso e se dividiu em pequenos pedaços, como se estivesse realizando uma mitose, voltando para dentro do vaso.
Os ouvidos de Miguel explodiram, ele estava completamente surdo agora, ele apenas conseguia sentir o sangue escorrendo de dentro deles, seus canais lacrimais expostos trabalhavam enquanto se misturam com sangue na sua face que saiam de suas orbitas vazias, Carlos estava deitado do lado dele, com a metade superior do crânio completamente amassada, mas com uma expressão de paz em seu rosto coberto de fezes oriundas do chão.
Miguel sentiu alguém batendo na porta, ele deu um sorriso e se levantou, foi uma experiência incrível, ele precisava mostrar ao resto da humanidade.

Autor: Anthony Souza de Albuquerque

Esse é um dos contos que concorreu no concurso de contos de terror do blog.

5 comentários:

Matt Kist disse...

"Putaquemepariu"!!!
Esse conto é trash, mas tão trash que até daria uma boa cena de "Todo mundo em pânico"!
Tu é noiado pacas, hein cara!

Mas tua criatura é muito boa! Eu tenho medo de criaturas que saem de dentro do vaso desde que assisti "O apanhador de sonhos", anos atrás. Sempre dou uma espiadinha antes de sentar né, vai que tem algum monstro safadinho querendo entrar por onde não deve o_O.

Matt Kist disse...

Ah... dizem que ratos e cobras podem aparecer de surpresa de dentro dos vasos sanitários, e que é um fenômeno bem comum.
Durmam com essa! Ou melhor, caguem com essa!!

Miya Seat Lee disse...

Fiquei achando que aconteceria um fatality no final do conto! Mas daí partiu para o escatológico... Quem não tem pavor da criatura do vaso sanitário, não é?

Games Leckard disse...

Conto muito bom e hilário, pena que se perdeu no final.

Super Suporte disse...

Nesse conto uma galerinha da pesada vive altas aventuras e irão descobrir a verdadeira pura carne viva!