Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Metin 2: Um MMORPG baseado na cultura oriental

Saiba as maiores curiosidades sobre o jogo que é baseado no Romance dos Três Reinos 

Metin 2 é um MMORPG que leva o jogador para o oriente através de suas missões e seu Império Antigo. O mundo é dividido em três reinos: Shinsu, Chunjo e Jinno. O primeiro foi estabelecido por comerciantes, o segundo foi feito pelo primo do imperador e o último traz o herdeiro legítimo como seu líder.

Poucos sabem que a história do Metin 2 é baseada em um famoso romance chinês chamado “Romance dos Três Reinos”. Ele é baseado em fatos reais e históricos que aconteceram no território chinês, por volta do ano 169 até o ano 280. 

A história traz o final da Dinastia Han e conta o período de guerra entre os Três Reinos, que resultou na reunificação do país. O romance traz partes reais e históricas, mas também tem muita lenda, mitos e uma parte religiosa. 

Metin 2 usa este cenário para começar o jogo, em que o jogador, logo no começo, deve escolher o reino que vai servir. As características de cada reino — assim como suas cores e sua localização geográfica — são baseadas no romance chinês.  

Cada reino com o seu Imperador! 

Dentro do jogo, cada reino é representado por um Imperador que é escolhido por votação dos players que lutam por sua nacionalidade. Assim como no antigo Império Chinês, o representante tem grande honra e poder sobre seus súditos. 

Ele pode teletransportar outros jogadores para próximo de si mesmo, pode conversar com todos pelo chat do jogo, distribuir prêmios e ainda dar encantamentos para melhorar seus compatriotas durante o combate. 


E tem muitas outras referências... 

Além disso, ainda traz um conceito utilizado em muitas religiões orientais (como o budismo, hinduísmo, jainismo e outras), que é o karma. Ele abrange vários sentidos que giram em torno de causa e efeito, ou “aqui se faz, aqui se paga”. Metin 2 usa este conceito para criar um sistema de balanceamento e punição automática entre os jogadores. 

Ainda no mundo da religião, há os Asuras — reconhecidos como “anjos caídos” de caráter rancoroso — que serviram de inspiração para a classe de personagens chamada de Shura. Eles são personagens que se corromperam utilizando magia negra e lidando com poderes que não pertenciam a eles. 

Viu quanta referência ao mundo oriental você pode encontrar no jogo? Então se você se interessa por essa cultura maravilhosa, crie já sua conta no Metin 2 e comece a explorar os três reinos! Quem sabe você não é um futuro Imperador?

2 comentários:

Matt Kist disse...

No SNES eu joguei algum jogo chamado "Romance of the Three Kingdoms" (1 ou 2 ou 3 ou 4, nem lembro) e também joguei o "Fire Emblem: Tales of the Three Kingdoms", mas realmente não conheço à fundo esse romance dos três reinos, embora já tenha percebido a referência.
Outra referência da história japonesa, que as vezes eu percebo em algumas obras é do tal do "Nobunaga" e sua "ambição", mas realmente não sei do que a história se trata, embora, mais uma vez, eu consiga perceber que existe uma tendência à repetir essa referência em diversas obras.
Mas bem, quanto ao jogo, valeu pela dica Sky, mas eu não consigo mais jogar MMORPGs, infelizmente =/. MMORPG precisa de um investimento muito grande de tempo, e atualmente eu tenho conseguido investir de 0-12h por semana em jogatina eletrônica, o que acho pouco para um MMO. =(

pierrot disse...

Gostei do lado cultural que o game traz. Não conheço muito da cultura e mitologia chinesa.
Também não ajuda a minha total ignorância a games online.
Será que finalmente vou entrar nesse universo?
Obrigado pela dica