Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Custer's Revenge | Polêmico simulador de estupro do atari

Você acha que existem jogos chocantes hoje em dia? Quero dizer, temos jogos cheios de violência e morte, linguagem agressiva e muito mais. Algumas pessoas acham super normal esse tipo de coisa, já outras podem ficar completamente horrorizadas, quem não lembra da apresentação de Dead Space 2 para as mães? Algumas daquelas mulheres entraram em desespero. Já o hilário torneio de Mortal Kombat X com idosos foi algo mais suave, e aquilo mostra que a coisa nem sempre é chocante pela violência gráfica em si, e hoje vou falar exatamente sobre um desses jogos.

Mas antes de tudo é bom falar um pouco sobre o general americano George Armstrong Custer, que viveu entre 1839 e 1876. O cara ficou muito conhecido por comandar cavalarias durante a guerra civil americana e liderar ofensivas contra povos indígenas. Ele era muito respeitado e bastante violento. Mas um evento de sua vida que ganha destaque, foi um ataque contra uma aldeia gigantesca com aproximadamente 10 mil índios e como perdeu feio, com homens abandonando seus postos.

E em 1982 saiu para Atari o jogo Custer's Revenge (A vingança de Custer), lançado por uma desenvolvedora chamada desenvolvedora Mystique. Ela não declarou oficialmente o motivo do nome, mas ficou óbvio que era uma uma referência ao general. E o que deixou o povo chocado, foi primeiro o fato do jogo ser assumidamente de conteúdo sexual, diferente do polêmico Gotcha, que o conteúdo sexual presente era como se fosse uma brincadeira. Nesse aqui já na capa vinha "Cartucho de Video Game Adulto".

Mas apesar do incômodo de ver esse tipo de jogo em algo que tantas crianças usavam, até aí tudo bem, pois assim como já tinham filmes pornográficos na época que usavam o mesmo video cassete que crianças viam seus desenhos, esse jogo parecia ser algo do tipo e vinha com um aviso na capa avisando, ou seja, a própria empresa deixou isso claro e restrito. Não era como se fosse um jogo vendido para crianças, por isso era mais pra incomodar mesmo.

O que chocou de vez foi como o jogo parece fazer uma referência a estupro. A jogabilidade dele apresenta um cenário fixo, onde tem um homem nu, apenas usando um chapéu na cabeça, um lenço no pescoço, botas e na frente dele uma enorme ereção (sim, aparece), e em uma ponta, uma índia amarrada. O objetivo é desviar de flechas que caem do céu e transar com ela, quanto mais tempo o jogador fica encostado na índia, mais pontos ganha. Porém tem que se manter desviando das flechas.

Isso deixa subentendido que é basicamente o homem branco invadindo uma aldeia e estuprando uma mulher. Como sabemos bem, esse tipo de coisa já aconteceu em vários povos, com invasão, roubo e estupro de lugares.

O tempo passou e esse ficou como um dos jogos mais polêmicos da história, apresentando nudismo explícito (por mais que os gráficos sejam pixelizados). Não deixe de conferir também a matéria onde falo sobre o primeiro jogo da história a causar polêmica por sua violento.
 

3 comentários:

Pássaros Binários disse...

Imagino você lá pelos anos 80, instala seu Atari na sala, tá jogando seu jogo na maior felicidade. Então você está conseguindo desviar de todas as flechas, sua mãe entra e você tem que arrumar uma desculpa para os bits estarem transando no seu videogame.

Mr. Reborn disse...

Quem tem Emulador da Atari no PS2 como eu, já jogou sem querer (ou por querer)

Miya Seat Lee disse...

Bizarro!