Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quarta-feira, 15 de julho de 2015

[Conto] Eterna Vida

Em meu quarto, que mais parecia um breu, uma penumbra do frio entrava por uma brecha na porta, ouvi um som agudo e ensurdecedor, um grito de quem sofria uma dor excruciante, como se fosse morto com parte por parte de seu lindo corpo arrancado por uma tesoura, quando tentei sair de meu quarto para ver o que havia acontecido, tinha uma escuridão, fui andando, passo à passo e o som ia ficando mais medonho, quando virei no corredor tinha mais outras curvas, fui dobrando naquele corredor maldito e tive uma estranha sensação de estava andando em círculos, e quando senti uma leve frieza em meu ombro, olhei para trás e vi uma densa névoa se formando, ela foi tomando forma e quando chegou em mim vi a escuridão sombria. Quando percebi estava em minha cama novamente, quando sai, vi o mesmo corredor, ouvi o mesmo som, e agora estava começando a sentir tontura e cai no chão abafado por enxofre, estava quase morrendo e vi uma sombra vindo em minha direção, não tinha forma, mas me fazia estar quase chorando de medo, me fazia mergulhar em meus piores pesadelos, e no meio de tudo aquilo, acordei novamente, estava no mesmo lugar, tudo acontecera de novo. Ia ficando pior, e quando notei, estava preso em um loppyng do tempo, e agora, só podia viver na desgraça de minha eterna morte, tortura, solidão de nunca mais poder ver as pessoas que amo, numa eterna noite, e me lembro que noite retrasada ouvi enquanto estava na cama um hediondo choro de uma criança, noite seguida senti cutucadas invisíveis e era como se retirassem partes pequenas de meu corpo, como pedacinhos de pele com uma pinça, mas tudo vinha apenas de meu subconsciente, e agora estava preso no terror da imortalidade sombria, dolorosa e torturante, e agora estava preso em sonho após sonho, um seguido do outro eternamente, quando passaram 100 mil anos já estava morto por dentro, sem vida, sem nada, um monstro sem alma destruído pelo tempo, dominado por torturas seguidas uma após outro, e naqueles milhares de sonhos seguidos de outro a dor era sempre verdadeira.

Autor: John Silva

Esse é um dos contos que concorreu no concurso de contos de terror do blog.

Um comentário:

alex5432 disse...

Legal. Bem simples, mas legal, me lembrou da casa infinita.