Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

sábado, 4 de abril de 2015

Spawn - Uma história em quadrinhos realmente infernal

Essa é uma revista em quadrinhos que consegue me lançar de volta para os anos 90, isso porque lembro que eu adorava ler Spawn. Cada edição dessa maravilha me deixava encantado e gerava uma atmosfera pesada que me fazia viajar. Afinal as coisas eram diferentes naquela época, eu não tinha internet, apenas TV e minhas tranqueiras como  RPG's e Card Games para ficar entretido, e Spawn me colocava em uma realidade bem diferente. Enquanto as HQ's do homem aranha (Que eu também lia) tinham um toque de aventura e brilho, as do Batman (Outro que eu colecionava) eram sombrias e com um toque investigativo, Spawn parecia algo podre, diferente... Não era meramente uma revista em quadrinhos sombria, era algo que se passava constantemente no submundo, uma HQ que se passava nos becos com muito lixo, vermes, ratos, moscas e pessoas vivendo em meio a aquilo com presença de demônios. Simplesmente me deixava fascinado demais!


A história apresenta Al Simmons, um homem que era um militar de alto nível e após salvar o presidente de ser assassinado, acabou sendo promovido para um cargo de alto nível na CIA, no entanto após começar a questionar sobre certas formas da agência conduzir as coisas, um homem poderoso chamado Jason Wynn faz um contrato de assassinato para dar um fim em Simmons, que ao morrer vai para o inferno. No inferno ele vai parar em um dos círculos dominado por um demônio chamado Malebolgia, que faz um pacto com ele, que é permitir que ele volte a terra e tenha bastante poder, mas terá que servi-lo como cria do inferno eternamente. Simmons pensa em uma nova chance com sua mulher e assim aceita. Ele volta a terra, mas cinco anos se passaram, sua mulher se casou com o melhor amigo e teve uma filha, além disso Simmons voltou deformado, com o corpo inteiro queimado, que foi exatamente a forma em que morreu. Um demônio tenta treiná-lo como Spawn, que é o nome dado a aqueles que são escolhidos para o exército demoníaco, mas Simmons está tão perturbado que se rebela, pois Malebolgia sabia que ele queria voltar para reencontrar a esposa, e em meio ao desespero, vai morar nos becos da cidade, com os mendigos, onde constantemente passam a aparecer criaturas do céu, inferno, organizações o caçando, entre outras coisas...

O clima de Spawn é fantástico demais! A HQ começou a ser publicada nos Estados Unidos em 1992, enquanto no Brasil apareceu a partir de 1996 publicada pela abril quinzenalmente. Era tão maravilhoso a cada 15 dias ter uma edição, apesar disso era um verdadeiro sufoco também, pois conseguir juntar dinheiro nesse tempo para comprar tudo o que eu queria era complicado... Mas quando conseguia, a sensação era indescritível! Simplesmente fabuloso demais ficar deitado no carpete da sala e lendo aquilo, me sentindo transportado pra aquele mundo. Enquanto outras HQ's apresentavam algo "limpinho", Spawn era um herói deformado, que se cobria com um uniforme macabro com uma capa toda rasgada e cheio de correntes.

Naquelas noites em que eu ficava lendo Spawn, me vinha aquele pensamento sobre "Nossa, o que está acontecendo lá fora?". Com a falta de comunicação dos anos 90, você não tinha acesso a um monte de fórum, redes sociais e pessoas desconhecidas de toda parte para conversar sobre certos temas, o jeito era ler revistas, assistir televisão e imaginar. E com certeza Spawn me fazia ter pensamentos sombrios sobre "lá fora".

Enquanto a maioria dos heróis tem uma casa ou mesmo uma mansão, já ele vive nos becos e seus amigos são mendigos, vermes passeiam pelo corpo de Spawn, os becos de Nova Iorque são imensos e cheio de gangues, pichações, drogados, e outras coisas que iam aparecendo a cada edição. Há os mendigos que odeiam Spawn e dizem que ele só trás problemas, enquanto outros dizem que ele é um verdadeiro protetor e inclusive fazem um trono de lixo pra ele, isso deixa a atmosfera ainda mais intensa, afinal de contas imagina um herói em um uniforme macabro em um beco todo nojento, sentado em um trono de lixo? Simplesmente fantástico! Inclusive vejo uma certa semelhança com The Maxx, que é da mesma editora e acho que as duas obras tem alguma ligação.
Mas apesar de chamar ele de herói, Spawn se qualifica mais como anti-herói, pois é um personagem que nem sempre tá afim de ajudar alguém, normalmente não sai dos becos pra combater o crime, e as vezes em meio a irritação, dá uma surra até em personagens que não são maus. Ele inclusive se torna lenda urbana na história da HQ, o que é ainda mais fantástico, pois em meio ás suas atitudes, as pessoas começam a falar, ele mexe com a máfia em um certo ponto da história e isso faz com que em meio a criminosos o seu nome fique conhecido, já a polícia acredita que são apenas boatos a existência de Spawn. Alguns dos moradores próximos aos becos falam de um tal "Monstro Vermelho" que mora lá, e assim vai, existe um climinha realmente gostoso.

Também há alguns toques especiais nessa HQ que são marcas que ficam bem notáveis, como por exemplo um narrador que fala coisas bem filosóficas sobre os personagens, especialmente Al Simmons existe uma constante descrição de dor e desespero, uma alma que não sabe o que fazer e vive em meio a podridão. Há também alguns detalhes bem legais como os três jornalistas que vez ou outra aparecem em uma página da revista, eles são mostrados cada um em um quadro representando um canal de TV diferente, a primeira jornalista é uma moça imparcial que apenas passa a notícia, o segundo é um homem completamente afeminado e que sempre fala coisas como "Um passarinho me contou que..." e comenta sobre o visual "FAN TÁS TI CO!" que alguém usou, já o terceiro jornalista é um barraqueiro inconformado que sempre reclama de tudo e coloca culpa no governo, desviando o tempo todo o assunto para fazer o sistema estar errado. Apesar de serem personagens que não tem ligação com o Spawn em si, é uma ideia fantástica de apresentar notícias e mostrar a repercussão que certas atitudes do personagem geraram, e esses próprios jornalistas vão mudando com o tempo, é muito legal ver o visual deles sendo alterado ou notar coisas que ficam subentendidas, como por exemplo se você olhar o canal que o encrenqueiro trabalha, ele sempre muda, como se falasse demais e o tempo todo fosse demitido, as vezes inclusive aparecendo em canais hilários e que parecem não ter nada a ver com o que ele tá falando.
Uma outra coisa sobre a qualidade da revista em quadrinhos é que tinha um visual lindo demais, ao contrário de outras revistas da época, Spawn não parecia ter sido desenhado a mão, ele parecia uma revista digital feita em algum programa de computador e depois impresso. Os detalhes nos traços são lindos demais! O Todd McFarlane, criador de Spawn, sempre desenhava personagens meio feios esteticamente falando, mas completamente cheio de detalhes, as vezes eu me perguntava em como era possível o cara ter tempo de fazer uma coisa tão incrível. Isso sem contar com as cores, existia um forte destaque na cor verde, ela aparece demais nas páginas, isso por causa do "Necroplasma", que infesta o corpo de Spawn e lhe dá seus poderes, e o visual só foi ficando mais lindo com o passar dos anos.

As histórias de Spawn não se limitavam apenas ao personagem e os becos, muitas vezes fugia completamente dele e o colocava apenas como secundário que aparecia em uma página ou até mesmo nenhuma. E assim vários contos sombrios envolvendo aquele ambiente eram mostrados, como por exemplo uma vez em que Spawn está fraco e um garotinho o acha e começa a cuidar dele, só que o pai do menino espanca ele e seu irmão mais velho direto, mas é policial e não quer que ninguém saiba, até que chega a um ponto em que Spawn vai conversar com o homem e tatua em seu corpo inteiro "Eu bato nos meus filhos". Um outro detalhe interessante é que as histórias nem sempre acabam com um final terrível, isso porque Spawn não é mostrado como um herói perfeito e super inteligente que calcula tudo, as situações tendem a sair do controle e o seu objetivo inicial pode gerar consequências que pioram demais as coisas.
Há momentos também em que a história assume um toque policial, com os detetives Sam e Twitch, que investigam coisas relacionadas a Spawn e com eles é mais forte aquele toque que falei de lenda urbana, os dois tentam entender como é possível certos acontecimentos que parecem ser sobrenaturais, mas que sabem que aquilo é impossível, mas cada vez mais eles vão se metendo em submundo sinistro e há todo um envolvimento político e conspiração. Fica aquela coisa de "O que uma grande conspiração da cia com pessoas poderosas tem a ver com a lenda urbana de um monstro que mora nos becos da cidade?".

Inclusive há vezes em os roteiristas brincam com os quadrinhos e apresentam algo completamente novo, como um jornalista que passa a investigar a lenda de Spawn e descobrir o que há de verdade naquilo, essa edição é apresentada quase toda em primeira pessoa enquanto diversos personagens já conhecidos e outros moradores dos becos ou que conhecem os lugares dão o seu depoimento sobre Spawn, alguns falando coisas completamente absurdas, outros falando detalhes reais, mas que também soam absurdos, é muito divertido como o roteiro gosta de variar, essa edição em especial daria um perfeito Mockumentary.
A história de Spawn é tão boa que inclusive acho que a existência de outros super heróis nesse universo acaba estragando um bocado, pois a forma que é apresentado dá aquele super toque de caso isolado onde algo misterioso e infernal está acontecendo em algum lugar e as pessoas vivem suas vidas tranquilas sem imaginar... Mas com a presença de outros heróis, ou coisas exageradas que não gosto na HQ, como ciborgues que embora não sejam constantes, aparecem de vez em quando, isso meio que deixa a coisa "carnaval" demais e mata o mistério.

Outra coisa maravilhosa é que você vê o mundo de Spawn se modificando, por exemplo na época de Star Wars Episódio I, eles falam que o filme está pra lançar, mas de uma forma indireta só que fica bem clara, assim como eventos grandiosos de certas épocas, a virada do milênio é comentada, você vê a reação do povo, os malucões e tudo mais, pra quem começar a ler agora, vai se sentir passando por um túnel do tempo, começando em 1992 e vendo o mundo evoluir, as coisa acontecendo aos poucos, é muito bom!

Enfim, se você estiver afim de uma história de super herói diferente, definitivamente Spawn pode ser uma opção perfeita, caso tenha preguiça e queira economizar leitura, é possível começar a ler a partir da edição 65, pois ela é um baita de um resumão de tudo o que aconteceu até então. Fica essa dica! Você pode achar os volumes a venda aqui. =D

3 comentários:

Rian disse...

Spawn é fodão mesmo. Faltou citar que a gostosa da Sasha tbm curte, apesar de que pode apenas ser uma jogada de publicidade.

E lembra muito também o The Maxx, recomendadíssimo.

zingame eskimo disse...

parece uma HQ realmente boa,pena que não vou poder ler.

Naira D. Yagami disse...

Spawn é um dos meus personagens de HQs favorito.. Comecei a ler Spawn aos meus 7 anos, foi minha segunda HQ e viciei de uma maneira.. é envolvente e emocionante, recomendo sempre.
o/