Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Darkness Within - Um jogo lovecraftiano muito intenso

Hoje vou fazer a análise de mais um jogo baseado no universo de H.P. Lovecraft e que certamente consegue manter muito o estilo de narrativa do autor e naturalmente transporta os fãs para um ambiente bastante desejado, cheio de mistérios e paranoias. Apesar disso, a narrativa do jogo acaba sendo limitada a pessoas que falam inglês ou outra língua em que o jogo está disponível, apesar de que é também possível jogar sem saber a história, só que grande parte da diversão está nela.

A trama é daquelas muito gostosas de se ver acontecendo, você assume o papel de Howard E. Loreid, um detetive da polícia que fica encarregado para resolver o caso onde um homem chamado Clark Field, e que você logo percebe que tem um forte envolvimento com ocultismo, livros, máscaras e diversas referências a rituais antigos são coisas que Clark mantinha em sua casa. Ironicamente o principal suspeito é um detetive particular chamado Loath Nolder.

Esse jogo tem uma atmosfera realmente muito gostosa, bastante tensa, envolvendo uma pessoa que está tendo contato com o oculto, algo inexplicável e que aos poucos vai se mostrando cada vez mais tenebroso. É aquele tipo de história que te coloca facilmente no papel do detetive, te faz sentir que você está realmente investigando o que está acontecendo ali e o principal, gera uma sensação de satisfação ao ver que você conseguiu resultado em uma coisa.

A mecânica é a de um jogo de aventura, no entanto em primeira pessoa e com ambientes pré renderizados que dão uma impressão muito real de ser um 3D sendo rodado na hora. Você pode ver o que está ao seu redor, mas não pode mover o personagem, apenas a câmera, e se quiser ir para um lugar, tem que clicar lá e a câmera se moverá. Alguns ambientes são fechados e não é possível olhar ao redor, como por exemplo se você clicar em cima de uma mesa, daí a nova tela vai ser de um ambiente fixo, mas se for em uma outra área de uma casa, você poderá olha ao redor do novo ambiente para onde for.

Mas esse não é um jogo onde basta clicar sem parar, além do pacote básico de coisas onde é preciso usar e combinar objetos para gerar novas coisas e os quebra-cabeças, também existe um elemento que adorei, mas que acaba limitando o público, que é a investigação na prática. Quando você lê um documento, ele não serve apenas para te fazer ter uma ideia de onde ir, você precisa provar para o jogo que está indo para o caminho certo e só assim ele liberará novas pistas. Por exemplo, você lê uma carta e nela está escrita que um personagem comprou um uma residência em um certo lugar da cidade, daí você tem que pegar a caneta e sublinhar isso para que o jogo entender que você sacou que ali é um bom ambiente para ir, e assim o mapa liberará o próximo lugar, mas isso não funciona só com lugares, qualquer ligação que você achar que merece ser investigada, é possível marcar e verse algo novo é gerado, por exemplo se o personagem disser que falou com uma pessoa, você pode marcar o nome dela para se tornar uma ligação.

Os gráficos do jogo são muito bonitos, como são pré renderizados, naturalmente fica algo agradável de se ver, apesar de que pode também passar a sensação de que você está preso, mas para um jogo do gênero point and click, acho que pode ser realmente tranquilo superar isso. Uma coisa legal é que os criadores tiraram um bom proveito da possibilidade de mover a câmera, como por exemplo na parte em que você está andando por um corredor sinistro e ao entrar em uma sala, o personagem começa a falar sobre como o ambiente é belo e olhar pela luz que passa pela janela, mas assim que você baixa a câmera, vê que tem um cadáver ali e a tela começa a tremer bruscamente, isso passa uma baita sensação de perturbação, ficou ótimo.

Enfim, certamente Darkness Within é um jogo que todo fã de H.P. Lovecraft deve jogar e quanto a parte de ter que ler, se você jogar no modo casual, o jogo marca sozinho as pistas, portanto qualquer um pode jogar, o problema é não entendera história. Quem se interessar é só dar uma conferida no site oficial do jogo.

Um comentário:

Bob Brown disse...

Parece a capa de um álbum da banda sheeter...