Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Left in the Dark: No One on Board [Análise]

Hoje vou fazer mais uma análise de um dos jogos da Artifex Mundi, que como sempre apresenta uma qualidade incrível e que certamente é fácil de chamar a atenção, especialmente daqueles que gostam de jogos especialmente pelo foco na história, e aqueles que gostam de jogos no estilo point and click, sendo assim automaticamente Left in the Dark: No One on Board é uma daquelas obras que você começa a jogar e vai se entretendo com os acontecimentos constantes, e quando vê o tempo passou e você nem percebeu.

Na história você assume o papel de uma detetive que é contactada pelo prefeito de um lugar chamado Port Providence, e tem que investigar o caso de um navio que desapareceu há muito tempo, mas repentinamente apareceu no porto sem tripulação alguma e com toda a carga também desaparecida. O caso por si só já é misterioso, porém as coisas começam a ficar ainda mais estranhas quando aparições fantasmagóricas passam a surgir, e uma pessoa encapuzada surge e começa a te perseguir constantemente.

Como sempre, o jogo carrega uma das marcas comuns em jogos da Artifex Mundi, que é o de point and click em primeira pessoa com ambientes estáticos, porém alguns dos elementos de jogos anteriores são adicionados, como por exemplo o mapa, que te permite rapidamente chegar a certos lugares sem precisar ficar fazendo inúmeros cliques.

Uma coisa nova que vi nesse jogo, e que se foi colocado anteriormente em outra obra, eu realmente não percebi, foi o sistema de proteção de cliques. Nos desafios onde se precisa achar determinados itens na tela, é comum sair clicando desesperadamente quando se está com preguiça de jogar, mas aqui o jogo tem um sistema de proteção que faz surgir um navio fantasma na tela se você começa a clicar sem parar, e bloqueia o mouse por um certo momento, algo ótimo para fazer com que o jogador realmente tenha que enfrentar o desafio.

Há também os quebra cabeças como sempre, algo que é um dos grandes charmes do jogo, sempre variando bastante e dentro da temática, como por exemplo uma das cabines que está cheia de água com o corpo de um pirata dentro, e você tem que fazer um quebra-cabeça no sistema de canos para drenar tudo lá de dentro, e então conseguir uma forma de abrir a porta do lugar.

Não posso deixar de falar do vilão mistérios que te persegue com um gancho, é bem legal a sensação de estar sendo caçado e não poder acessar certos lugares por ver que ele apareceu ali e está tentando te matar, foi um toque especial muito charmoso adicionado aqui.

Enfim, esse é um ótimo jogo de aventura, já com suporte a português brasileiro, o que faz com que naturalmente você se sinta bastante entretido e atento a sequencia de acontecimentos sem se perder na história. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Nenhum comentário: