Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Heroes of a Broken Land - Um lindo RPG a moda antiga

Esse é um daqueles jogos simplesmente lindos demais, que acabam transmitindo uma essência de RPG, de forma muito pura, e apesar de ter sido lançado em 2014, consegue simular de uma forma fantástica os jogos lançados no início da década de 90, com belos gráficos pixelizados, porém com diversos aperfeiçoamentos na jogabilidade e certos elementos que só foram se tornar realmente populares anos depois, como por exemplo robustos cenários gerados de forma aleatória.

A história apresenta um mundo onde a sua energia vital vem de um cristal que pode ser usufruído por todas as criaturas vivas. Um grupo de feiticeiros bons começam a usar a energia desse cristal para trazer paz e tempos de glória a todos e aos poucos acabam se fundindo com o artefato, o que acaba transformando seus corpos, e também tornando-os imortais. A prosperidade é constante, não há fome e nem miséria. No entanto, apesar da bondade daqueles que assumiram o controle do artefato, eles sempre tiveram uma alma humana, e assim as suas próprias falhas e pecados, o que acabou fazendo com que o cristal fosse corrompido e sua energia começasse a fugir do controle, causando o caos ao redor do mundo, os feiticeiros tentaram evitar que isso continuasse, mas era uma força incontrolável, fazendo assim com que finalmente o mundo rompesse e seus diversos destroços fossem arremessados em direção ao vazio, porém os habitantes de cada fragmento continuaram vivendo, os feiticeiros passaram a se esforçar para tentar voltar a fazer o mundo ser o que era antes.

Eu achei a história do jogo muito bem trabalhada, apesar de não ser genial, mas isso não importa, afinal de contas o melhor de uma história não é se ela é inteligente, clichê ou o que for, mas sim o quanto ela consegue entreter, e essa teve uma forma de apresentação muito boa. Mas no fim das contas você assume mesmo é o papel de um grupo de aventureiros que vaga pelo fragmento de reino.

Ao começo da partida, você escolhe um dos imortais para receber um certo bônus em algumas características, e então configura o mundo inteiro para que seja gerado, o que é uma ferramenta incrível, e que adiciona automaticamente a possibilidade de ser jogado novamente. Quanto maior o mundo, mais tempo vai demorar par você zerar, e também é possível se configurar diversos elementos, como por exemplo a força dos monstros, ou a quantidade de XP ganho em combates. Só que você pode ir direto ao ponto e apenas escolher um tipo de mundo para ser gerado, sem configurar nada.

A jogabilidade é de um RPG em turnos onde você começa em uma cidade, e vai aperfeiçoando-a de acordo com as riquezas que começa a juntar. Cada estrutura nova na cidade, trás certas vantagens, ao mesmo tempo você tem que vagar pelo mundo, sendo que tem uma quantidade de movimentos para fazer, e após isso, tem que dar fim ao turno. Tudo é apresentado em uma visão aérea, e inicialmente você tem apenas escuridão ao seu redor, por isso precisa vagar para ver o que está escondido, também é possível viajar pelo mar, e assim até mesmo descobrir outras ilhas.

Quando você entra em algum lugar que encontra, a jogabilidade muda e o jogo passa a funcionar exatamente como Legend of Grimrock, ficando assim 3D em primeira pessoa, e você vai andando pelo ambiente, mas naquele estilo de jogo de tabuleiro, portanto cada passo é um turno, e para se virar também, dessa maneira há uma sensação um tanto mecânica que ficou maravilhosa, é bonito ver que assim que você faz o seu turno, os inimigos também se movimentam. Além disso há um mapa que você vai desenhando enquanto adentra nas masmorras.

Ocorrem também eventos aleatórios, de repente pode aparecer um narrador enquanto você está viajando no mapa do mundo, e apresentar um certo evento, como por exemplo um jovem que se aproxima e que diz que gostaria de se tornar também um aventureiro, e assim você tem que decidir se o deixa ou não entrar para o seu grupo.

Os gráficos do jogo são a moda antiga, pixelizado, realmente lembra demais os jogos da década de 90, há muitos detalhes e causa um ambiente gostoso de se ver. Esse é o tipo de jogo que me faz sentir que é uma verdadeira adaptação do que é um RPG de mesa, um grupo de aventureiros indo em direção ao nada, eventos aleatórios, e ainda um gráfico que transmite bem a era de ouro desse tipo de jogo.

Enfim, fica aí a dica, se você gosta de jogos do gênero, esse aqui é o tipo que você pode jogar muitas e muitas vezes durante a vida, já que com ele a aventura sempre muda e as coisas podem ficar completamente diferentes. Quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Um comentário:

Rian disse...

Valeu Skylleta, eu gosto de jogos nesse estilo.o/