Veinless Property | Simulador de vítima de invasão domiciliar

Vocês já devem estar cansados de saber que todos os dias, às 10:30 da manhã, eu faço lives no Twitch. E eu costumo testar jogos completamente aleatórios para testar lá junto com o povo e foi assim que conheci Veinless Property, um jogo gratuito inspirado no universo de Junji Ito e que me atraiu de primeira pelo seu visual peculiar, mas que no fim a experiência realmente me impressionou.

A história é sobre um rapaz que está sozinho em casa, os seus pais viajaram para relaxar durante o final de semana, no entanto eles vão chegar muito tarde em casa e assim o melhor a se fazer é apagar todas as luzes da casa e ir dormir. Porém assim que está prestes a se deitar, ouve batidas na porta, quem será a essa hora da noite?
Essa é uma experiência gratuita rápida. Um jogo que foi feito para participar de uma GameJam da Triality Games que pedia que as equipes criassem jogos em três semanas. O resultado obviamente é uma obra gratuita e curta que passa muito aquela sensação de contos de terror rapidinho. Felizmente saiu uma experiência com personalidade bem própria e que me agradou demais.

É tudo bastante rápido e as mecânicas muito simples. Você pode vagar pela pequena casa, acender e apagar as luzes, abrir e fechar as portas e a experiência é mais do tipo narrativa, mesmo sem propriamente ter os diálogos. Existem os pensamentos do personagem, mas nada que realmente conte uma história explicada. É tipo Os Estranhos, que inclusive trata do mesmo tema, que é invasão domiciliar.
Aqui ao invés de você ter uma experiência que foque naquele estilo comum em jogos de terror como Among the Sleep, em que tem algo te perseguindo e você precisa se esconder enquanto te perseguem, a ideia é simular a sensação de medo que alguém tem ao ter a casa invadida, inclusive já no início existe um aviso sobre os gatilhos que podem ser disparados em algumas pessoas.

A experiência é a do medo do que você não pode ver. Quem já ouviu Ruth Price's 911 Call, conseguiu ter um gosto sobre o horror que é ter sua casa invadida. No caso, aqui você primeiro sabe que a pessoa está fora da casa, mas de repente percebe que ela já entrou e aí é que vem aquele pensamento sobre o que vai acontecer e em que parte da casa ele está, pois apesar de ter entrado, você não sabe onde e nem o que vai fazer.
Apesar de tudo, é uma experiência muito rápida e pra quem não está acostumado com o tipo de horror de Junji Ito, pode ser realmente algo completamente sem noção. Quando joguei, eu nem sabia que era inspirado por ele, somente quando um espectador comentou é que eu percebi que realmente tinha suas semelhanças ali e portanto o final bizarro me pareceu natural, mas tive que explicar para quem assistia sobre o que eu achava que podia significar.

Também é algo rápido demais, acho que no máximo vinte minutos para se zerar. A casa é bem pequena e a sequência de eventos não é tão grande. Achei uma pena não durar mais, porém acho que é aquele tipo de jogo que deixa a sua contribuição indie no universo dos jogos, seja no visual, seja na sensação peculiar de medo que temos aqui. Acho que se o criador colocasse um pouco mais de conteúdo, seria incrível, nem precisava de tanto, já que poderia ficar enjoativo.
É como se fosse um pequeno conto de horror pra você aproveitar rapidinho e depois ir fazer outra coisa. E o visual tão oriental dá um charme a mais. O jogo é todo preto, branco e vermelho usando o estilo cel shadder, que dá aquele toque de desenho animado que fica muito bom, fugindo bastante dos visuais genéricos que temos de montão.
Enfim, tá aí um jogo grátis perfeito pra quem só quer ter uma experiência rápida, sem ter que levar horas pra zerar, mas acho que se você é fã de horror e de Junji Ito, provavelmente vai ficar com aquele gostinho de que seria bom ter um pouquinho mais, mas ainda assim é o suficiente para marcar bastante. Caso se interesse é só fazer o download aqui.
 

Postar um comentário

0 Comentários