Phaedo | Um mangá criado por uma "I.A." imitando Osamu Tezuka

Se você for ao google e escrever "Pai do Mangá", o nome que receberá será Osamu Tezuka, que é o criador de clássicos como Astro Boy, Kimba, Don Dracula, A Princesa e O Cavaleiro e muito mais! Então é uma figura símbolo da cultura pop japonesa e também aquele que padronizou o mangá como conhecemos hoje em dia. Ainda assim suas obras têm um toque bastante peculiar que encanta multidões. Infelizmente ele faleceu em 1989, mas o fascínio das pessoas fez com que aquele gostinho de "quero mais" fosse incontrolável. Graças a isso, várias coisas inusitadas foram feitas e "Phaedo" é um exemplo extremo da vontade dos fãs.

É maravilhoso como o mundo acaba trazendo inovações imensas e isso atinge inúmeras áreas, indo desde poder militar até puro entretenimento. O que antes era algo completamente limitado a ambientes físicos, hoje já não é mais. Você pode ter uma verdadeira vida virtual, indo desde assistir aulas online em ótimas Universidades Internacionais até se divertir com os amigos online. A presença física não é mais necessária e não apenas de lugares, mas em alguns casos até mesmo de pessoas!

Atualmente os sistemas de inteligência artificial estão cada vez mais complexos e ao invés das pessoas programarem cada um dos seus comandos, foi adotado um método muito menos desgastante e eficaz, o aprendizado de máquina. Nesse método, ao invés da coisa ser feita manualmente, as I.A.'s são expostas a um monstruoso banco de dados para verem cada item ali arquivado e começarem a identificar padrões.

É como estabelecer uma "média" entre os itens analisados e criar algo equivalente aos dados ali presentes. E foi daí que veio a ideia de fazer algo inusitado que foi a de expor uma inteligência artificial a um banco de dados exclusivamente com os trabalhos de Osamu Tezuka, esse é o TEZUKA 2020, que por sua vez é um dos participantes de um projeto maior chamado "Future Memories", criado pela empresa de tecnologia Kioxia e focado em apresentar soluções inovadoras com potencial de mudar o futuro.
O Roteiro Artificial

Uma inteligência artificial foi usada exclusivamente para criar a trama. Ela é especializada em escrever, então personagens, locais, personalidades e fundos para a história. E assim todos os mangás foram colocados no formato texto, como se fosse um script para um livro. Depois disso a I.A. passou a analisar cada um deles e identificar a forma de escrever do autor e detalhes frequentes em suas histórias.

Naturalmente esse tipo de inteligência artificial já tem seus próprios dados relacionados à escrita para terem a capacidade de entender certos significados e gerar uma lógica a mais na história. Ou seja, não são só palavras aleatórias, elas têm uma conexão entre si. Por exemplo a palavra "maçã" pode estar relacionada tanto a fruta quanto a árvore quanto a comer.

Ainda assim saiu uma coisa um tanto esquisita, pois apesar de formar frases com sentido, a I.A ainda vê a coisa como uma Slot Machine com os mais inusitados resultados, e assim o resultado foi engraçado. Um garoto que também era um pássaro alegre e do bem, mas com poderes do mal. A equipe por trás achou engraçado, mas gostou da surpresa causada por certos elementos e como refletia que o trabalho de Osamu costumava mesmo ser fora do padrão e tinha algumas esquisitices. Ainda assim, adaptaram e refinaram para lançar a versão final da história.

A Arte Artificial

Outra inteligência artificial foi usada para criar o visual do mangá, e assim selecionaram um grupo enorme de estudantes para irem em página por página dos mangás de Tezuka e selecionarem uma média de dez mil rostos de personagens para formarem um banco de dados grande o suficiente para quem a inteligência artificial conseguisse entender os padrões ali presentes.

No entanto isso se mostrou muito mais complicado. O motivo é que, enquanto para um ser humano é muito fácil identificar rostos na simplicidade de desenhos e entender o que representam, a inteligência artificial via aquilo apenas como pontos e linhas e o resultado foram rostos completamente deformados.

Então decidiram usar outra I.A., uma do mesmo tipo daquela que a Nvidia usa para gerar rostos humanos, e aí o resultado acabou sendo bem mais agradável. Após gerados os visuais, passaram para as mãos de um artista profissional e ele desenhou aqueles personagens na história gerada, formando assim a versão final.

O Resultado

Esse foi um trabalho extremamente ousado, no entanto assim como os mais ousados apostadores de cassinos têm as melhores recompensas, a equipe teve o prazer de apresentar algo que surgiu da mente de um mestre morto. Algo muito estranho e com um baita toque cyberpunk, mas que se tornou um projeto que ganhou destaque mundial.

Inicialmente, foram fornecidos 129 possíveis roteiros gerados artificialmente da obra do mangaká, e a equipe foi vendo o que parecia melhor. O selecionado ficou com o nome de Phaedo e se passa em um ambiente futurístico. Ele conta a história de um investigador que mora na rua e tem um pássaro robô como companheiro.

Não é uma história muito complexa, mas é notável os toques do autor ali presentes e acaba refletindo bem a simplicidade de mangás mais antigos. Ele apresenta o personagem sendo contratado por duas moças desesperadas para localizar o paradeiro de seu pai, que elas já tentaram de tudo para encontrá-lo, mas ninguém podia ajudá-las.

Enfim, a equipe por trás disse que essa não é uma técnica com o objetivo de substituir humanos, mas sim auxiliar. Por exemplo, uma pessoa pega suas próprias histórias e faz uma I.A. gerar uma nova, para que assim ela possa ter algumas ideias a mais, afinal de contas é como se fosse gerado uma "média" de suas próprias ideias.

Postar um comentário

0 Comentários