OVERKILL's The Walking Dead | Um coop fantástico

Esse é um jogo que achei maravilhoso, porém realmente é o tipo de obra que realmente acaba sendo adequado jogar com um grupo de amigos, pois a beleza da coisa está nas estratégias sendo aplicadas, e é exatamente esse um dos pontos que faz muita gente odiar. No entanto em meio aos vários produtos da franquia, sem sombra de dúvidas esse é um dos que consegue se destacar.



A história não é uma adaptação da HQ The Walking Dead, ao invés disso é um Spin Off, então assim como Fear the Walking Dead e Cold Storage, aqui nós vemos maias um grupo de sobreviventes com suas próprias histórias e desejos. A ligação com a coisa mesmo é o universo em si, que é conectado, ou seja, não haveria problema em colocar esse universo conectado com a HQ ou a série.

Aqui realmente o universo foi pego como base e então a desenvolvedora Overkill se virou para apresentar algo próprio. Inclusive criaram belos curtas mostrando a história dos personagens, a partir daí usaram isso como centro da coisa. Os sobreviventes tem um lugar que usam como base e tem os problemas normais, zumbis, bandidos, suprimentos, etc.

Assim como já se imaginava na época em que o jogo era um verdadeiro mistério, sim o jogo é uma mistura entre Payday 2 e Left 4 Dead 2. E inclusive algo curioso que acho que vale a pena citar, é que o primeiro Payday já teve um crossover com o primeiro Left 4 Dead, com o mapa do hospital Mercy que aparece em ambos os jogos, em um deles é um assalto e no outro o caos de mortos vivos.

Então assim como em jogos como Hellsign e Party Hard Tycoon, aqui é apresentado um mapa e você deve escolher a missão, elas vão sendo liberadas aos poucos à medida em que você avança no jogo. Essas missões são de história mesmo e tem ligação com acontecimentos anteriores, incluindo introdução.

As coisas são tipo "Invada a base, mate fulano" ou "Roube tal coisa" ou "Defenda o lugar". Normalmente as fases são imensas, chega a surpreender e é meio desanimador quando você vai bem distante e então perde, tendo que recomeçar. Mas diferente de Left 4 Dead, não é só andar e atirar, e também não tem loading nas fases, você tem que ir liberando áreas.

Eu diria que é mais parecido com com aqueles 4 mapas especiais de Left 4 Dead 2. Digo isso porque obstáculos vão surgindo na frente, e é preciso resolver o problema pra avançar. Por exemplo abrir uma porta que tem uma tranca elétrica, mas ela precisa de energia que vem de um gerador que está desmontado. Aí você vai atrás das peças e combustível.

Os ambientes são lotados de armadilhas, por isso não basta se preocupar com os zumbis, você também tem que se preocupar com o lugar onde está passando. Podem ser armadilhas simples como um fio cheio de garrafas que vai chamar a atenção de zumbis e avisar inimigos que vocês estão por perto.

No entanto podem ser armadilhas mais sofisticadas, como um fio que ativa uma escopeta, uma armadilha de urso que vai te dar dano e deixar imóvel, algo que vai soltar um coquetel molotov onde você está, entre outras coisas. É comum de vez em quando dar uma parada brusca bem na frente de uma armadilha.

Existe uma interação imensa com o cenário, tanto em coisas encontradas pelos jogadores como caixas fechadas, quanto na hora de desativar armadilhas. No começo de cada fase os jogadores escolhem os equipamentos que vão usar, pode ser uma gazua pra abrir lugares, um kit de química pra causar reações em certos itens, um alicate pra abrir atalhos ou desativar armadilhas, etc.

Há ainda a possibilidade de forjar itens com o que você encontra. Sendo assim às vezes você não consegue interagir com algo e se esforça pra vasculhar o lugar atrás de itens para poder forjar a ferramenta necessária, ou pode desistir e simplesmente abandonar. Na verdade é difícil pegar tudo de uma missão, você tenta acompanhar o grupo e acabam ficando itens pra trás.

Algo bem bacana que dá uma bela diferenciada em cada grupo, é que existe não apenas a escolha de classes, mas  também uma quantidade imensa de personalização de personagens. Não é apenas algo estético que muda a roupa, mas habilidades próprias e armas próprias. Sendo assim um personagem pode ser especializado em algo, mas ter habilidades focadas em coisas completamente diferentes de um jogador que usa a mesma classe.

Inclusive isso acaba sendo um incentivo aos jogadores para vasculharem, pois é necessário coletar itens para destravar certas coisas da base e essas coisas é que darão acesso a determinadas habilidades. Sendo assim, mesmo ganhando pontos por missões, você não poderá gastar eles se não tiver evoluído sua base.

Durante as fases também tem certos objetivos alternativos muito bons, por exemplo conseguir novos sobreviventes que você pode colocar para trabalhar na base e assim gerar vantagens, ou caixas escondidas que contém armas e acessórios que você poderá equipar e assim deixar ainda mais tunado o seu personagem.

Infelizmente o grande problema do jogo é exatamente o seu ponto algo, que é a estratégia cooperativa. Esse é um jogo delicado e especialmente no começo, aparece gente que aparentemente que apontar pro céu e começar a atirar com uma metralhadora. Nem precisa ter ninguém, as pessoas só tem o dedinho nervoso no gatilho mesmo. E existem os níveis de ruído que são irreversíveis e vão aumentando a cada barulho.

Quanto mais ruído, mais zumbis tem e os zumbis não são iguais aos de Left 4 Dead, feitos de isopor, eles são iguais os de Dead Island, lentos, porém muito fortes e o seu personagem fica cansado a cada porrada. Ou seja, você pode bater com uma arma branca e não fazer barulho, mas ficar cansado, pode atirar com uma besta, que acerta o alvo à distância, mas tem munição bem limitada e é lenta, ou pode atirar com uma arma de fogo que vai te livrar daquele problema, mas vai atrair muito mais.

Trabalhar em equipe nesse jogo é lindo, andar abaixado, decidir o que fazer quando achar inimigos, se juntar com armas brancas para deter uma horda. A coisa pode realmente funcionar de um jeito maravilhoso se você se comunicar com os outros jogadores. Infelizmente parece que todos os jogadores tem o dedo nervosinho no gatilho e se veem um lixo rodando no chão eles descarregam cinco pentes pra garantir que tá morto.
Enfim, é um jogo muito bom, mas você precisa ter amigos pra jogar e a empresa cometeu o vacilo de lançar o jogo por R$110, preço surreal, pois apesar do jogo ser bom, não quer dizer que qualquer valor se adeque né? Recomendo sempre dar uma olhadinha no preço dele na Greenman Gaming antes de comprar na steam, algumas vezes os preços deles estão bem abaixo do normal, e sempre lembre de olhar os cupons de desconto que eles espalham pelo site, que deixa a coisa mais barata ainda, dê uma conferida aqui.

Comentários