Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

sábado, 12 de julho de 2014

Celephaïs - Belo conto sobre o poder dos sonhos

Quem é que nunca acordou em um sonho bem na melhor hora e então bateu aquela sensação de "Droga... Por que agora?", e até aí tudo bem, mas tem alguns sonhos que são tão marcantes que tentamos dormir de novo para tentar atingir mais uma vez aquela experiência, porém pode se tornar algo um tanto frustrante quando vemos que simplesmente não conseguimos novamente encontrar aquela mesma situação.

Outro detalhe interessante sobre os sonhos "apaixonantes" e que fazem sentir saudades, é como existe a possibilidade de se sonhar novamente com aquilo muito tempo depois. Simplesmente é uma surpresa cada vez que vamos dormir, e pode ser que de repente tenhamos novamente aquele mesmo sonho tão espetacular e venha aquela sensação de felicidade por mais uma vez poder passar por tal emoção.

Um dos contos que H.P. Lovecraft demonstrou bem a paixão por sonhos fantásticos e suas maravilhas, foi Ex Oblivione, que é incrível pra caramba e demonstra bem o amor que se pode ter por aquilo que não existe em nosso mundo. No entanto esse autor era movido puramente por sonhos e pesadelos, portanto haviam várias obras do mesmo que aconteciam coisas do tipo, e Celephaïs é um outro conto dele envolvendo a beleza dos sonhos.

No entanto, diferente de Ex Oblivione o foco desse não é a tristeza pelo mundo real ser monótono, e sim a busca por algo que não se tem controle, e o poder da criação dentro de sonhos. Nele são narrados lugares com uma naturalidade, como se o leitor já soubesse e fosse familiarizado com tal ambiente, mas o objetivo de Lovecraft não é fazer a pessoa pesquisar, mas sim ver o quanto o dono de um sonho, é também a mente por trás do lugar. Como eu falei na matéria sobre o ciclo dos sonhos, um humano tem um incrível poder de criação.

Esse conto tem um tom bem onírico mesmo, apesar de se passar no mundo real e dos sonhos, o nome do personagem foi recebido em sonhos e não se sabe seu nome verdadeiro. A narração se refere a ele como Kuranes, e mostra sua busca por uma cidade fantástica que esteve em um sonho durante a infância, mas se perdeu faz muito tempo.

Tenho que assumir, apesar da ideia interessante, o conto usa uma linguagem velha e pode dar sono em muita gente. Portanto não vou recomendar dizendo que é uma história para todos, porque realmente não acho que seja. Mas se você achou interessante o tema e quer ver o que acontece ou se é fã de Lovecraft e quer adicionar mais um de seus trabalhos à sua lista de "lido", é recomendadíssimo. Confira:

Celephaïs


Num sonho Kuranes viu a cidade no vale, e a costa marinha mais adiante, e o pico nevado elevando-se sobre o mar, e as galeras pintadas com cores festivas que saíam do porto em busca de regiões distantes onde o mar encontra o céu. Foi num sonho também que recebeu o nome de Kuranes, pois em vigília era chamado de outra maneira. Talvez fosse natural para ele sonhar com um novo nome, pois era o último de sua família, a viver solitário entre os milhões de Londres, de modo que não havia muitos para lhe falar e lembrar quem ele tinha sido. Perdera seu dinheiro e suas terras e não se incomodava com o modo de ser das pessoas à sua volta, preferindo sonhar e escrever sobre seus sonhos. Riam-se aqueles para quem mostrava o que tinha escrito; e então após algum tempo passou a guardar consigo seus escritos, até que finalmente parou de escrever. Quanto mais se retirava do mundo ao redor, mais maravilhosos se tornavam seus sonhos; e teria sido fútil tentar descrevê-los no papel. Kuranes não era moderno e não pensava como outros que também escreviam. Enquanto estes se esforçavam para despir a vida de suas vestes míticas e bordadas e mostrar em nua fealdade a coisa suja que é a realidade, Kuranes buscava somente a beleza. Quando a verdade e a experiência falhavam em revelá-la, ele a procurava na fantasia e na ilusão, e a encontrava em sua própria soleira, em meio às memórias nebulosas de histórias e sonhos da infância.

Poucas pessoas sabem que maravilhas estão abertas para elas nas histórias e nas visões da juventude, pois enquanto somos crianças ouvimos e sonhamos, formulamos pensamentos incompletos, mas, quando adultos, ao tentar rememorá-los, estamos secos e prosaicos devido ao veneno da vida. Porém alguns de nós despertarão na noite em meio a estranhos fantasmas de colinas encantadas e de jardins, de fontes que murmurejam ao sol, de áureos penhascos que contemplam mares rumorosos, de planícies que se estendem até os limites de cidades adormecidas de bronze e de granito, e da companhia penumbrosa de heróis que cavalgam corcéis brancos e ajaezados na orla de densas florestas; e então conhecemos que olhávamos para trás, através de portões de marfim, para aquele mundo de encantamento que foi nosso antes que nos tornássemos sábios e infelizes.

Muito subitamente é que Kuranes descobriu seu velho mundo de infância. Tinha estado a sonhar com a casa onde havia nascido – a grande casa de pedra coberta por heras, onde treze gerações de seus ancestrais tinham vivido e onde ele esperara morrer. Havia luar, e ele se evadira para a noite fragrante de verão, através dos jardins, descendo pelos terraços, para além dos grandes carvalhos do parque e ao longo da comprida estrada branca que conduzia ao vilarejo. O vilarejo parecia muito velho, carcomido nas bordas como uma lua minguante, e Kuranes se perguntava se os grandes tetos pontiagudos das casas ocultariam o sono ou a morte. Nas ruas brotavam longas espadas de grama, e os vidros das janelas de cada lado estavam quebrados ou miravam com fixidez. Kuranes não se demorou, mas avançou como se convocado em direção a alguma meta. Não se atrevia a desobedecer à convocação, por receio de que pudesse revelar-se uma ilusão, tal como as urgências e aspirações da vida desperta, que não conduzem a meta nenhuma. Então foi levado por uma viela que conduzia da aldeia até os despenhadeiros do canal e chegou ao final das coisas, junto ao precipício e ao abismo onde toda a aldeia e todo o mundo despencavam abruptamente no vazio do infinito e sem ecos e onde até mesmo o céu à sua frente era vazio e mal iluminado por uma lua embaçada e pelas estrelas bruxuleantes. A fé o impulsionara por cima do precipício e em direção ao golfo, onde ele vogara, vogara, vogara – para muito além dos sonhos disformes, não sonhados, de esferas baçamente luminosas que podem ter sido sonhos parcialmente sonhados, e de coisas aladas que gargalhavam e pareciam escarnecer dos sonhadores de todos os mundos. Então uma fenda pareceu abrir-se na escuridão à sua frente, e ele viu a cidade no vale cintilando radiosa bem abaixo, muito abaixo, sobre um fundo de mar e céu e uma montanha cujo pico a neve recobria na proximidade da costa.

Kuranes despertara no exato momento em que vislumbrou a cidade; no entanto soube por um rápido olhar que não se tratava de outra senão de Celephais, no Vale de Ooth-Nargai, para além das Colinas Tanarianas onde seu espírito habitara pela eternidade de uma hora num certo entardecer de verão há muito passado, quando se esquivara de sua babá e permitira que a brisa morna do mar o embalasse até o sono, enquanto observava as nuvens de uma falésia próxima ao vilarejo. Ele protestara então, quando o encontraram, despertaram e levaram para casa, pois no instante em que o chamaram estava prestes a zarpar numa galera dourada para aquelas fascinantes regiões onde o mar encontra o céu. E agora, do mesmo modo, se ressentia de despertar, pois havia encontrado sua cidade fabulosa após quarenta anos de exaustão.

No entanto três noites depois Kuranes retornou a Celephais. Como antes, sonhou primeiro com o vilarejo que se achava adormecido ou morto e com o abismo pelo qual se deve descer flutuando silenciosamente; então apareceu de novo o precipício, e ele avistou os minaretes coruscantes da cidade e viu as galeras graciosas se aproximando para ancorar no cais azul, e viu as copas das árvores-gingko do Monte Aran estremecendo ao sopro da brisa marinha. Mas desta vez não foi arrebatado e, como uma criatura alada, foi depositado gradualmente sobre a encosta coberta de verde até que seus pés repousaram com suavidade sobre o relvado. Ele retornara, finalmente, ao Vale de Ooth-Nargai e à esplêndida cidade de Celephais.

Colina abaixo, por entre a grama olorosa e as flores brilhantes, Kuranes caminhou, atravessando o borbulhante Naraxa por uma pequena ponte de madeira onde gravara seu nome havia muitos anos, e através do bosque murmurante até a grande ponte de pedra junto ao portão da cidade. Tudo estava como antes; nem as paredes de mármore se descoloriram, nem as estátuas de bronze polido que as encimavam tinham se embaciado. E Kuranes percebeu que não teria de estremecer com receio de que as coisas que sabia se desvanecessem, pois até as sentinelas no alto dos baluartes eram as mesmas e estavam tão jovens quanto na época em que se lembrava delas. Quando ele entrou na cidade, além dos portões de bronze e sobre o calçamento de ônix, os mercadores e cameleiros o saudaram como se ele nunca tivesse se ausentado; e o mesmo aconteceu no templo turquesa de Nath-Horthath, onde os sacerdotes coroados de orquídeas lhe disseram que não existe tempo em Ooth-Nargai, mas apenas juventude perpétua. Então Kuranes caminhou pela Rua dos Pilares até a muralha junto ao mar, onde se ajuntavam comerciantes e marujos e homens estranhos provenientes das regiões onde o mar encontra o céu. Ali ele se demorou, olhando por sobre o porto luminoso onde as ondas faiscavam debaixo de um sol desconhecido e por onde passavam deslizando as galeras dos lugares distantes. E olhou também para o Monte Aran, que se elevava majestoso da costa, suas faldas mais baixas verdejantes de árvores trêmulas e seu ápice branco erguido para o céu.

Mais do que nunca Kuranes desejou navegar numa galera até os lugares distantes sobre os quais ouvira contar tantas histórias bizarras e procurou de novo o capitão que aquiescera em conduzi-lo havia tantos anos. Encontrou o homem – Athib – sentado sobre a mesma arca de especiarias sobre a qual se sentara antes, e Athib parecia não notar que tanto tempo se passara. Então ambos remaram para uma galera no cais, e, dando ordens aos remadores, começaram a navegar para o agitado Mar Cerenariano, que conduz ao céu. Por vários dias eles deslizaram sobre a água ondulante, até que finalmente chegaram ao horizonte onde o mar encontra o céu. Aqui a galera não repousou de todo, pois flutuou com facilidade no azul do céu por entre nuvens lanosas que se tingiam de roxo. E, muito para além da quilha, Kuranes pôde ver as terras estranhas e os rios e as cidades de inigualável beleza, a estender-se indolentemente ao sol que nunca parecia esmorecer ou desaparecer. Por fim, Athib lhe disse que sua jornada estava para terminar e que logo eles entrariam no porto de Serannian, a cidade de mármore rosado em meio às nuvens, que está construída naquela costa etérea onde o vento oeste flui para o céu; mas, à medida que as mais altas torres esculpidas da cidade se tornavam visíveis, um som ecoou no espaço, e Kuranes despertou em seu sótão londrino.

Por muitos meses subseqüentes Kuranes buscou em vão a maravilhosa cidade de Celephais com suas galeras destinadas ao céu. Embora seus sonhos o conduzissem a muitos lugares deslumbrantes e inauditos, ninguém daqueles a quem falou pôde lhe dizer como achar Ooth-Nargai, que fica para além das Colinas Tanarianas. Numa noite ele saiu voando sobre montanhas escuras onde brilhavam algumas fogueiras solitárias e vagas, muito distanciadas umas das outras, e onde havia estranhos, felpudos rebanhos cujos líderes portavam cincerros, e na parte mais selvagem da região montanhosa, tão longínqua que raros homens a teriam visto, ele encontrou uma muralha ou passadiço de pedra antiqüíssimo que ziguezagueava ao longo das cumeadas e dos vales, gigantesco demais para ter sido edificado por mãos humanas e de tamanha extensão que nenhum de seus extremos poderia ser visto. Para além daquele muro, na aurora cinzenta, ele alcançou uma terra de jardins singulares e de cerejeiras, e quando o sol surgiu vislumbrou uma tal beleza de flores vermelhas e brancas, folhagens verdes e gramados, caminhos brancos, córregos adamantinos, pontes adornadas e pagodes de teto vermelho, que por um momento, imerso em extrema delícia, esqueceu Celephais. Mas se lembrou dela outra vez, quando desceu por uma senda branca em direção a um pagode de teto vermelho, e teria perguntado às pessoas dessa terra a respeito dela, não tivesse descoberto que ninguém habitava ali além de pássaros e abelhas e borboletas. Numa outra noite, Kuranes subiu pela espiral de uma escadaria úmida e interminável, alcançando a janela de uma torre que se abria para uma planície e um rio imponentes que a lua cheia iluminava; e na cidade silenciosa que se estendia a partir da margem do rio ele pensou descobrir certo aspecto ou arranjo que conhecera antes. Teria descido e perquirido o caminho até Ooth-Nargai, não tivesse uma temível aurora crepitado de algum lugar remoto além do horizonte, exibindo a ruína e a antigüidade da cidade e a estagnação do rio juncoso e a morte que se espraiava sobre aquela terra, como se espraiara desde que o Rei Kynaratholis retornara de suas conquistas para se deparar com a vingança dos deuses.

Assim Kuranes procurou embalde pela maravilhosa cidade de Celephais e por suas galeras que navegam para Serannian no céu, testemunhando muitas maravilhas nesse meio tempo e certa vez escapando por pouco do sumo sacerdote que não deve ser descrito, que usa uma máscara de seda amarela sobre a face e que vive inteiramente só num monastério de pedra pré-histórico, em meio ao frio platô do deserto de Leng. Com o tempo ele se tornou tão impaciente com os intervalos vazios do dia que começou a comprar drogas a fim de aumentar os períodos de sono. O haxixe foi de grande valia e certa vez o enviou a uma parte do espaço onde não existe a forma, mas onde gases fosforescentes estudam os segredos da existência. E um gás de tonalidade violeta asseverou que essa parte do espaço se situava fora daquilo que ele costumava chamar de infinito. O gás nada ouvira acerca de planetas e organismos antes, mas identificou Kuranes meramente como alguém que tivesse vindo do infinito onde existem a matéria, a energia e a gravitação. Kuranes estava agora aflito por retornar a Celephais que os minaretes guarneciam, e aumentou suas doses de entorpecentes; entretanto já lhe minguara o dinheiro, de modo que não podia comprar drogas. Por fim, num verão, viu-se expulso de sua mansarda e vagueou a esmo pelas ruas, atravessando a ponte até um lugar onde as casas pareceram mais e mais esguias. E foi ali lhe adveio a completude e que o cortejo de cavaleiros provenientes de Celephais acorreu ao seu encontro para escoltá-lo por lá para sempre.

Eram garbosos os cavaleiros – montados em cavalos ruões e a envergar armaduras polidas com tabardos de fios de ouro elegantemente entretecidos. Tão numerosos pareciam, que Kuranes quase os confundiu com um exército, mas tinham sido enviados em honra dele, desde que fora ele quem criara Ooth-Nargai em seus sonhos, razão pela qual seria para sempre aclamado como seu deus principal. Cederam, pois, a Kuranes um cavalo e o postaram à cabeça do grupo; e todos cavalgaram altivamente pelas terras baixas de Surrey e mais além, em direção às regiões onde Kuranes e seus ancestrais haviam nascido. Foi estranho, mas enquanto os cavaleiros avançavam tinha-se a impressão de que retornavam no Tempo, pois quando quer que cruzassem algum vilarejo ao crepúsculo viam somente casas e aldeões como aqueles que Chaucer e outros homens antes dele teriam visto, e às vezes avistavam cavaleiros montados, seguidos por pequenos grupos de escudeiros. Quando escureceu, cavalgaram mais depressa, até que se puseram a flutuar estranhamente como se voassem nos ares. Próximo da aurora alcançaram uma aldeia que Kuranes conhecera viva em sua infância e que parecia adormecida ou morta em seus sonhos. Estava viva agora, e alguns aldeões madrugadores fizeram reverência quando os cavaleiros trotaram pela rua e penetraram pela senda que conduz ao abismo dos sonhos. Anteriormente Kuranes entrara nesse abismo apenas durante a noite e se perguntava que aspecto teria à luz do dia; de modo que observou com ansiedade quando a coluna se aproximou de sua borda. No instante em que subiram pelo terreno até o precipício, uma fosforescência dourada surgiu de algum lugar a oeste e ocultou toda a paisagem sob drapejamentos cintilantes. O abismo era um caos fervilhante de esplendores róseos e cerúleos, e vozes invisíveis cantavam com exultação enquanto o cortejo cavalheiresco saltava sobre a borda e flutuava graciosamente para além das nuvens rútilas e das coruscações prateadas. Numa descida sem fim os cavaleiros pairaram, suas montarias trotando no éter como se sobre areias douradas; e então os vapores luminosos se afastaram para revelar um brilho maior, o brilho da cidade de Celephais, com a costa marinha mais adiante e o pico nevado elevando-se sobre o mar e as galeras pintadas de cores festivas que saíam do porto em busca de regiões distantes onde o mar encontra o céu.

E a partir de então Kuranes reinou sobre Ooth-Nargai e sobre todas as regiões oníricas adjacentes, e teve sua corte em Celephais e na enevoada Serannian. Ainda reina ali e reinará venturoso para sempre, mesmo que ao pé das falésias de Innsmouth as ondas do canal brincassem zombeteiras com o corpo de um vagabundo que atravessou aos tropeções o vilarejo semideserto ao amanhecer; brincassem zombeteiras e o atirassem sobre os rochedos junto às Trevor Towers, cobertas de hera, onde um obeso milionário da cervejaria, especialmente repulsivo, desfruta da comprada atmosfera de uma nobreza extinta.

H.P. Lovecraft
(Tradução de Renato Suttana, clique aqui para ver a página original

Nenhum comentário: