Temporario



Jogos | Séries | Filmes | RPG e Tabuleiro | Animes | Creepypastas | Quadrinhos | Livros | Mapa do Blog | Sobre o Blog | Contato |

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Asteria - Um metroidvania com elementos sandbox!

Esse é um jogo que de imediato pode acabar sendo apenas mais uma alternativa a jogos como Terraria, ou uma versão diferente de Edge of Space, mas que no entanto acaba mostrando ter uma personalidade própria e gera uma experiência diferente que especialmente os fãs de metroidvanias acabam gostando bastante. Vejo ele como um jogo híbrido, apesar de realmente a primeira vista ter uma carinha de minecraft 2D.

A primeira coisa que se destaca quanto a jogos do gênero, é que ele tem uma história, algo que de certa forma lembra o jogo Darkout, já que os dois são semelhantes, porém aqui é diferente porque apesar de ser uma história superficial, ao menos ela continua sendo seguida com o desenvolver do jogo, ou seja não é aquele típico "Aconteceu isso com você e agora você tem que sobreviver". Asteria apresenta uma história sobre vingança e que tem que ser seguida, aqui você assume o papel de um personagem chamado Ryker, o último sobrevivente da raça humana em uma colônia, todos os outros membros foram exterminados por alienígenas, e agora sozinho ele precisa sobreviver para então caçar os responsáveis e exterminá-los.

Como podem ver, a história vai direto ao ponto, mas a parte boa é que o jogo não fica parado nisso, mas a história segue a partir daí, sendo assim você tem que ir atrás mesmo, mas onde estarão eles? E esse é um dos grandes pontos, você é colocado em um mundo criado aleatoriamente e deve caçar nas profundezas da terra por aqueles que eliminaram os seus companheiros, mas antes é preciso se fortalecer e ficar preparado.

Como já disse, o jogo tem um toque sandbox e assim aqueles elementos que você já tanto conhece onde se tem que coletar recursos e criar coisas novas, aqui estão presentes também. Quando o mundo é gerado, algo completamente novo aparece e você deve explorar, todo lugar é destrutível, porém alguns precisam das ferramentas certas para que isso ocorra, portanto não basta pegar qualquer arma fraca de mineração e achar que poderá extrair o que quiser, você tem que usar os recursos que extraiu para criar novos e mais potentes itens.

O mundo é interessante, misterioso, cheio de criaturas estranhas e lugares que acabam chamando a atenção. Há alguns momentos em que você acaba tendo que se arriscar para descobrir o que é aquilo, por exemplo quando achei um lago verde, eu fiquei pensativo sobre aquilo, afinal era um lago verde, poderia ser ácido, mas eu nunca saberia se não tocasse, e foi exatamente o que fiz, pulei dentro do lago, bom... Era mesmo ácido hahaha. Esse tipo de situação ocorre de vez em quando e é bem legal ir descobrindo. =D

O multiplayer do jogo infelizmente tem algumas falhas, a primeira fica pro quesito história, afinal de contas se o personagem é o último sobrevivente, acaba sendo meio esquisito de repente aparecer outros jogadores, isso dá uma certa quebra, poderia ter sido melhor trabalhado nesse quesito ao invés de ficar simplesmente com uma cara de gambiarra. Outro problema é que quando fui tentar jogar com um amigo meu, eu tive um probleminha e ele simplesmente não conseguiu se conectar, algo bem estranho, concluímos que era problemas de portas, mas ele não conseguiu abrir, fazendo assim com que não fosse possível ter uma visão tão ampla.

Mesmo assim foi possível jogar com outras pessoas, ficou um pouco lento, com um leve delay nos movimentos, porém não foi algo que eu poderia dizer que chegou a atrapalhar, mesmo assim era notável que não estava sendo instantâneo os movimentos, minha conexão é de 10 mb, então creio que não seja isso, talvez seja pelo fato do servidor ser de uma empresa indie e a quantidade de jogadores deve ser alta, aparentemente é só um servidor, mas o estranho é que vi apenas uma pessoa andando pelo lugar e depois não consegui encontrá-lo mais.

O gráfico do jogo é muito bonito, ele é em 2D porém com um visual que lembra bastante os quadros de tinta a óleo, especialmente os fundos do jogo, que tem mais de uma camada e assim você pode ver coisas muito legais como pequenas ilhas flutuantes, o sol, nuvens, ou até mesmo um enorme planeta, os visuais atrás são bastante surreais.

Mas enfim, Asteria é um jogo no mínimo interessante, achei a proposta muito legal e a ideia de ter chefes escondidos realmente interessante e que pode se tornar um enorme atrativo para aqueles que procuram um jogo de construção com um objetivo real. Para quem se interessar pode dar uma conferida no site oficial do jogo.

Nenhum comentário: